Jornal da Praia

PUB

OS CÃES SENTEM, PENSAM E TÊM ALMA?

Terça, 05 de Março de 2019 em Opinião 95 visualizações Partilhar

OS CÃES SENTEM, PENSAM E TÊM ALMA?

Depois de ver a notícia “Todos os cães merecem o céu” que, ao que parece, foi uma frase dita pelo Papa Francisco a uma criança que estava de luto pela morte do seu cão, senti instintivamente vontade de escrever sobre o assunto. Para o explorar, irei refletir sobre alguns aspetos que me parecem importantes e que acabam por estar relacionados, espiritual (alma) e cientificamente (emoções e pensamento).

Há pouco tempo, li o livro Os animais têm alma? (Ernesto Bozzano, 2015) e nesta obra, as páginas estavam repletas de misticismo e estórias. Viajei por entre os casos abordados, encarando o fenómeno da transmissão telepática direta (sob a forma de sonho, impressão ou intuição) entre animais e os seus humanos. Dei por mim perante o envio telepático de mensagens de socorro de animais para os seus donos. Recordo uma situação na qual, de repente, o autor sentiu-se invadido pela ideia de que a sua gata, à qual estava muito ligado, precisava dele. Foi procurá-la, chamou-a e encontrou-a, com miados tímidos, presa numa cerca.

Acredito que quem já teve o privilégio de construir uma relação assim com algum animal, consegue ver para além da lógica e da razão e é capaz de ler nas entrelinhas o que relatei…Perceber que quando a relação existe há lugar para toda uma sensação de compreensão, aceitação e sentimento de sobrevivência. Falamos de algo transversal ao humano e ao animal, tão transparente e natural. Na psicologia, esta ligação é chamada de “vinculação” quando falamos dos animais humanos; na etologia, para os animais não humanos, denomina-se de “apego”. Vendo bem, não são conceitos assim tão diferentes, sobretudo no que diz respeito ao seu significado.

Voltando às interrogações lançadas no título deste artigo, considero que o tema é complexo e subjetivo, no que respeita à presença de “alma”, tal como é esperado quando o assunto envolve uma certa controvérsia. Porém, acredito que sim, que os cães são seres muito capazes de resolver problemas cognitivamente, são híper sensíveis (têm um olfacto apuradíssimo!), são sociáveis e emotivos. Na verdade, um cão é capaz de ler as emoções das pessoas de forma sublimar, daí tantas vezes conseguir antecipar um castigo (não porque “adivinhou que se portou mal”, como às vezes se ouve, mas porque é exímio em interpretar os sinais não verbais de “zanga” fornecidos pelo corpo do humano). Existem vários estudos que comprovam que os cães pensam, sentem e ajudam o humano na deteção de doenças. Paralelamente, os cães têm sido treinados para serviços de emergência (ajudando militares, polícias e bombeiros) e para assistência (ajudando os humanos que não conseguem ver ou ouvir).

Em conclusão, os caninos evoluíram com os humanos e nessa interação aprendem novos comportamentos. De facto, o treino positivo de animais de companhia, em particular do cão, tem sido, nos últimos anos, muito divulgado e a população em geral parece estar “mais aberta” a esta temática. Infelizmente ainda há quem acredite que os animais são seres inferiores ao homem, não possuem capacidade cognitiva nem merecem respeito. Muitos destes preconceitos são veiculados por visões conservadoras.

Para mim, os animais têm necessidades próprias e possuem cinco liberdades essenciais, que passo a enumerar para que não as esqueçamos: não passar fome ou sede; não sentir desconforto; não sentir dor, ferimentos ou doença; expressar um comportamento adequado à espécie; não sentir medo e angústia.

O Papa não cometeu blasfémia ao dizer que todos os cães merecem o céu. Não diminuiu a raça humana, mas pôs-nos a pensar sobre algo bonito...Será errado assumir que os cães têm alma? Não é suposto o Papa representar o amor, a paz, a justiça? Penso que foi o que fez. Um segundo de beleza e justiça por tudo o que, todos os dias, os cães fazem por nós humanos!

Joana Leal

NE: Texto publicado na edição impressa n.º 539, de 22 de fevereiro de 2019