Jornal da Praia

PUB

RADIOTERAPIA NA TERCEIRA: QUANDO A HISTÓRIA SE REPETE

Segunda, 04 de Março de 2019 em Opinião 180 visualizações Partilhar

RADIOTERAPIA NA TERCEIRA: QUANDO A HISTÓRIA SE REPETE

A saga do Centro de Radioterapia da Terceira voltou a estar na berra como tema de conversa entre muitos terceirenses e açorianos das ilhas a que ele iria (irá) servir, na sequência de declarações vindas a público por parte do PSD da Ilha Terceira, nos últimos dias.

Nos meus dois internamentos hospitalares mais recentes, recorrentemente ouvi conversas sobre o atraso da inauguração daquele Centro cuja construção e equipamentos já instalados faziam prever a sua iminente abertura no Hospital de Santo Espírito. Refira-se que essa entrada em funcionamento já foi noticiada pelo jornal micaelense Açoriano Oriental, em 4 de Fevereiro de 2017, isto é, há dois anos completados no dia 4.02.2019. Nela, o Secretário Regional da Saúde afirmava que a abertura do Centro de Radioterapia seria uma realidade um mês depois (leia-se Março de 2017). Mas o melhor é transcrever o que o jornal publicou.

«O secretário regional da Saúde dos Açores anunciou hoje que o centro de radioncologia da ilha Terceira deverá estar a funcionar dentro de um mês, destacando a importância do investimento»

«Imagino que dentro de um mês sensivelmente devemos ter a clínica a funcionar», afirmou Rui Luís, à margem da conferência sobre o percurso da oncologia nos Açores, em Ponta Delgada, na ilha de São Miguel, para assinalar o Dia Mundial de Luta Contra o Cancro.

Segundo o governante, o Governo Regional está “só à espera que a entidade em causa, a empresa Joaquim Chaves [que vai gerir a estrutura], termine as questões de licenciamento”, adiantando que a Direção-geral da Saúde “já emitiu a licença provisória”.

Rui Luís salientou que o executivo açoriano apostou na realização dos tratamentos de radioterapia na região, “para permitir que as pessoas nesta fase importante da luta contra essa doença possam estar junto da família, próximas de sua casa”.

A este propósito referiu que há um ano está a funcionar em Ponta Delgada uma clínica de tratamentos de radioterapia, insistindo que “muito em breve” estará a funcionar outra na ilha Terceira.

“Será um avanço significativo para que o tratamento seja feito com um nível de proximidade muito maior”, realçou.

O centro de radioncologia da ilha Terceira, localizado em Angra do Heroísmo, vai servir utentes das ilhas do grupo central do arquipélago, que inclui ainda Pico, Faial, Graciosa e São Jorge. Trata-se de um investimento até dois milhões de euros.

E como a História é mestra da vida, embora alguns gostem de tripudiar, encobrir ou falsificar os seus ensinamentos, o que se está a passar com o C.R.T. não é novo como se verá. A criação do «Centro Anticanceroso», em Angra do Heroísmo remonta aos anos 1942-43. Ele seria um polo ou dependência do «Instituto Português do Oncologia» (I.P.O), funcionando como delegação da «Liga Portuguesa Contra o Cancro». O seu primeiro director foi o Dr. Cândido Pamplona Forjaz.

Com o seu grande entusiasmo e os do Dr. José Conde e Profs. Gentil Martins e Lima Basto, o processo avançaria rapidamente. Logo se tratou da angariar fundos para a instalação da sede do referido serviço. Mas o infausto falecimento do Prof. Lima Basto a quem a Delegação da L.P.C.C. tanto devia, veio retardar por algum tempo a nomeação do novo presidente da Liga.

Prosseguiram as negociações e o prédio acabou por ser adquirido por alguns milhares de contos. E citando, com a devida vénia, o Dr. Cândido Forjaz, «Um técnico da Liga veio fazer o projecto de adaptação do edifício e, concluído ele, tratou-se de o apetrechar para a sua missão com a aparelhagem indicada pela Liga e pelo I.P.O. Deliberou-se recorrer a Fundação C. Gulbenkian a que a nossa secretária, D. Zita Lima, se dirigiu exibindo o plano e orçamentos de casas especializadas. Bem acolhido o pedido—foi ele, súbita e inexplicavelmente, repudiado sem que nunca tivéssemos conseguido saber as razões de tão estranha atitude».

Registe-se neste contexto, a dedicação e o particular interesse de D. Fátima Oliveira, então, Secretária dos Assuntos Sociais, a qual concedeu uma verba de 6000 contos para o «Centro Anticanceroso». Este, a partir daí, passou a designar-se «Centro Anticanceroso dos Açores», para evitar uma tentativa de desdobramento que se chegou a esboçar, mas inadmissível em instituição destinada a servir uma população tão diminuta como a do Arquipélago, e além disso de instalação e manutenção tão dispendiosa» (Memórias, pág. 102.). Mais tarde, passou a chamar-se «Centro de Oncologia dos Açores», a actual designação.

A delegação local foi sempre apoiada pela Liga e pelo Governo Regional e nunca mais interrompeu a sua actividade, mesmo depois do sismo de 1980, e assim o seu director, como escreveu nas suas «Memórias», teve «o sumo prazer de o ver inaugurado (o referido Centro) solenemente, em 13 de Junho de 1982 na presença do Sr. Ministro da República e de altos representantes do Governo, do I.P.O. (Prof. José Conde e Dr. Gentil Martins) e dos representantes dos «Centros Anticancerosos do Norte e do Centro», incluindo a representação deste último o distinto médico terceirense Gabriel da Rocha Alves. Do Governo Regional apenas compareceram os Secretários Regionais da ilha. «Aversão à Terceira!», como escrevia o «Jornal da Praia». (nº 5, p.3, de 29.06.1982). Apesar da solenidade e importância de um tal acto, a RTP-A, também, primou pela ausência, o que era recorrente, e continua a acontecer, em relação à nossa ilha. No caso vertente, o território em que a população tem sido mais fustigada pela poluição sonora e pela contaminação dos aquíferos e solos, desde há 75 vários anos. Isto está bem patente pelo conhecimento directo das pessoas falecidas de cancro, sem ser preciso recorrer às estatísticas oficiais.

Assim, terminava uma saga que durou cerca de quarenta anos, graças à abnegação das pessoas mencionadas, com destaque para o Dr. Mário Lima, um amigo que jamais esqueceremos, e que merece ser evocado, como exemplo, neste momento crucial, em que a História, mais uma vez nos põe à prova e reclama diversos alertas para os novos desafios e as novas batalhas pela defesa da nossa terra, tão esvaziada do muito que já fomos e fizemos e do pouco que, ainda hoje, nos querem tirar.

É urgente gritar em uníssono: Basta! Basta! Já chega de humilhação e despautérios, de manigâncias centralistas, de promessas adiadas e outras por cumprir.

António Neves Leal

NE: Publicado originalmente na edição impressa n.º 539, de 22 de fevereiro de 2019.