Jornal da Praia

PUB

RESQUÍCIOS… DE UMA REFLEXÃO

Domingo, 03 de Março de 2019 em Opinião 86 visualizações Partilhar

RESQUÍCIOS… DE UMA REFLEXÃO

Arre que é burro! (teimoso)… dirão os nossos leitores. (se alguns ainda existem) à invocação da palavra “Reflexão” inserida no nosso último artigo de Opinião. “Resquícios” da mesma… são como vestígios, estilhaços, fragmentos, dos sentimentos de “raiva, de medos, e de ira” que, sentimos como quando se lança uma “granada defensiva” que tem um maior raio de alcance do que a “ofensiva”, ou seja, de 30 mts. contra 5 mts (resquícios de uma instrução militar recebida aquando ao serviço do exército português).

Por favor, não levem a nenhum acto de subversão a referência bélica mas, fazemo-lo a titulo exemplificativa de quem se sente revoltado, triste, envergonhado de viver num país onde a “BALANÇA” que escolhemos como “reprodução” do Estado Português, como a presença do equilíbrio e da ponderação da governação, no seu amplo sentido, na justiça, no direito, no equilíbrio, na prudência e no comportamento correcto na sociedade humana. sem os seus pratos devidamente equilibrados, oscila mais para o lado negativo do que para o positivo. Exemplos há “qb”. Enumerá-los seria fastidioso seria o mesmo “que chorar sobre leite derramado”. O remédio… queira-o S.Exa. o Presidente da República, está no despedimento colectivo do poder instalado, começando pela destituição da AR onde, um dos desafores mais recentes, foi a ausência de uns quantos deputados que abandonaram os trabalhos da mesma, para irem a um conselho nacional do seu Partido, para resolver uma quezília de mal-casados, bem assim outros abusos, como falsificação de presenças, reembolsos duvidosos etc. etc. Do estado da Nação, temos em termos gerais um autêntico cortejo em que o “rei vai nú”. De uma revisão constitucional, urgente e verdadeiramente democrática. Lembramos uma atenção especial no que diz respeito ao capítulo das chamadas “Regiões Autónomas”. Tenham em conta que os Açores são o “lugar” onde vive um Povo chamado de Açoriano. Possuidor de uma situação estratégica mundialmente privilegiada. Com uma sua superfície marítima é de 954 496 km2 uma das maiores zonas económicas exclusivas da União Europeia. Um mar vasto e profundo onde a riqueza transborda em quantidade. Um corredor aéreo numa vasta área do Oceano Atlântico, incluindo o nosso Arquipélago e se estende, para Sul até à região de informação de vôo de Cabo Verde e a Oeste à de Nova Iorque”

Referimos no nosso último trabalho que 2019, será para o Mundo, para Portugal e para os Açores uma “Caixa de Pandora”. Parece-nos não ter errado.

Algo, que a nós açorianos diz respeito, são as próximas eleições para o Parlamento Europeu às quais, mais uma vez não será possível como há muito ambicionamos, concorrer através de um Círculo Eleitoral Próprio, sujeitando-nos às directrizes e ao querer dos centralistas de Lisboa e DDT. Leis como a nº 39/80 de 5 de Agosto que nos reduz (aos Açores como uma pessoa colectiva territorial) estamos “ferrados” para não escrever outra palavra mais assertiva e que nos até apetecia empregar… mas, para bons entendedores, meia palavra basta. Neste concernente, parece-nos que nem Mota Amaral, depois do acto de beija-mão a Rui Rio, no último conselho do PSD (português) não terá assento em Estrasburgo.

Aqui estaremos nas próximas semanas se assim nos permitirem, para continuar a considerar os temas que, mais nos sensibilizaram na nossa dita “Reflexão”.

José Ventura (*)
(*) Por opção, o autor não respeita o acordo ortográfico.

NE: Texto originalmente publicado na edição impressa n.º 539, de 22 de fevereiro de 2019.