Jornal da Praia

PUB

A CAPITANIA-DONATARIA DA TERCEIRA

Sábado, 02 de Março de 2019 em Opinião 1568 visualizações Partilhar

A CAPITANIA-DONATARIA DA TERCEIRA

Há exatos 569 anos, a 2 de março de 1450, o Infante D. Henrique doava a capitania da Terceira (na época Ilha de Jesus Cristo) a Jácome de Bruges (em flamengo Jacob van Brugge), que se tornou no primeiro Capitão-Donatário da Ilha. Era o início do povoamento da Terceira.

O Infante D. Henrique, Governador e Mestre da Ordem de Cristo, doou, a partir de Silves, a Jácome de Bruges, seu servidor, a capitania da Ilha de Jesus Cristo. Na Carta de Doação de 2 de março de 1450, o Infante outorgava a capitania a Jácome de Bruges para que “ele a povoe de qualquer gente que lhe aprouver, que seja de fé católica e santa de N. S. Jesus Cristo”.

Em janeiro de 1451, 10 meses depois da doação, o Capitão Jácome de Bruges partia para a Terceira com dois navios, transportando vacas, porcos, ovelhas e cabras, que depois lançou nas terras recém-povoadas. Já anteriormente Gonçalo Velho Cabral tinha começado a lançar animais pela Ilha a mando do Infante D. Henrique, tentando torná-la mais atrativa para seu povoamento. Existem várias teorias sobre por onde Jácome terá desembarcado, para uns nas Quatro Ribeiras, para outros no Porto Judeu, mas o que se pode concluir das fontes foi que Jácome e os seus homens exploraram as Quatro Ribeiras, depois um punhado deles desembarcou aí, Jácome e os restantes seguiram viagem, vendo as possibilidades do porto e terreno da Praia e da Baía das Mós, e finalmente entrado na Ilha pelo Porto Judeu. Houve assim 2 sítios de desembarque.

Jácome de Bruges voltou ao Continente para aí procurar famílias para o povoamento da sua capitania. Vieram sobretudo gentes de Guimarães, de Aveiro, de Lagos, do concelho de Vieira e do Porto. Acompanharam ainda o Capitão Bruges alguns frades franciscanos, como Frei João da Ribeira, trabalhadores e artífices, que, acampando no Vale do Paul ou Planície dos 5 picos (São Sebastião), chamaram a este sítio Sant’Ana da Porta Alegre ou do Porto Alegre, onde edificaram os primeiros abrigos e erigiram o 1º templo (1454) com a imagem de Sant’Ana que os acompanhara ao longo da viagem.

O povoamento ter-se-á alargado para outro local mais junto da costa, com mais abundância de água e de terreno fértil onde se começou a cultivar o pastel.  Chamaram-lhe Ribeira de Frei João ou Lugar de Frei João, em homenagem ao Frei que desembarcou na Ilha, e aqui surgiu a Igreja de São Sebastião a partir de 1455. Depois este Frei acabou por estar muito ligado à construção da Ermida da Senhora da Graça, a qual se encontra envolta em várias lendas. Segundo uma dessas lendas, há muitos séculos atrás, alguns marinheiros castelhanos vindos duma das suas atribuladas viagens, desembarcaram pelo Porto Martins, precisavam de mantimentos. Estavam desejosos de encontrar alimentos e água que os pudesse saciar.  Estavam esgotados. Ao chegarem à Terceira, começaram logo à procura de comida e de água para matarem a sede. Mas não a encontraram e, ao verem um campo semeado de tremoço com as vagens verdes e tenras, começaram a apanhá-las e a comê-las rapidamente, tal era a fome e a sede. Um deles, estranhando o gosto, exclamou:

— Oh! Bela favita, mas ela é um pouco amarguita! - Estavam no Arrabalde, em S. Sebastião. Embora já tivessem comido algumas vagens de tremoço, continuavam com sede. Olharam em volta e não encontraram poço nenhum. Desesperados, ergueram as mãos aos céus e pediram então a Nossa Senhora que lhes deparasse uma fonte, prometendo que haviam de construir uma ermida a Nossa Senhora das Graças em louvor pela “graça” alcançada. Imediatamente a água começou a brotar e os marinheiros mataram a sede e curaram-se de muitas doenças. E como prometeram, ali se levantou, anos mais tarde, uma ermida. Outra das lendas, a mais conhecida, e aquela que terá mais fundo de verdade histórica, diz que após o desembarque nas imediações do Porto Novo, por ali haver uma pequena ribeira e vindo nesta expedição o conhecido frei João de Deus, fora ele que achara a fonte da Graça, a água que matava a sede dos marinheiros. Estávamos a 2 de fevereiro, Dia da Nossa Senhora da Graça. E assim Frei João passou a ser Frei João da Ribeira e a Ribeira passou a chamar-se de Frei João. E por este rico presente que lhe fizera a Mãe de Deus, Frei João celebrara ali a 1ª missa. E naquele lugar que passou a ser de veneração religiosa, construiu-se a Ermida da Senhora da Graça, a Virgem Maria que lhes tinha concedido a graça, a Senhora da Graça, que já era de grande veneração naquele tempo.

Regressando às estórias da História, os primeiros povoadores começaram os trabalhos agrícolas, preparando-se para a cultura dos cereais e do pastel, o qual foi desde logo semeado o melhor que pudesse ser, para mandar à Flandres. Nesta altura, a Duquesa de Borgonha, que tinha a Flandres como capital, era portuguesa, D. Isabel de Portugal, irmã do Infante D. Henrique. D. Isabel casou-se com Filipe, O Bom, Duque da Borgonha e Conde da Flandres, com quem foi feliz. Já em Flandres, quando soube que se preparava a colonização dos Açores, D. Isabel insistiu com os irmãos para que aceitassem colonos flamengos. Tratou diretamente da escolha de colonos. Tornou-se assim responsável pelo povoamento das ilhas. Jácome de Bruges foi escolhido por ela e o pastel era algo que eles compravam e precisavam e assim começou a produzir-se este tipo de planta tintureira para exportar. Era preciso fazer o dinheiro entrar na Ilha

Bruges foi responsável pela criação, no atual lugar do Canto da Câmara, no Porto Martins, da 1ª Câmara da Ilha. Estes primeiros tempos foram marcados pela distribuição de terras e da exploração destas, que na região da Praia, eram mais produtivas. Em presença de tão prósperos resultados da cultura das terras, do clima, das providências governativas que permitiam a ocupação de terras e os crescentes lucros do comércio, começaram a concorrer povoadores de diferentes partes.

Entre 1456 e 1474, o lugar da Praia era a sede da capitania da Terceira. Bruges tomou para si a planície do paul, bem como dos terrenos junto à Serra, a que chamou de São Tiago e dividiu alguns com seu loco-tenente, Diogo de Teive (situação que depois levaria a uma “guerra” entre os herdeiros de Jácome e de Teive pela posse das terra). Foi o responsável, entre outras obras, pela construção da Igreja de Santa Cruz, a Matriz da Praia.  

Álvaro Martins Homem, o 2º capitão donatário da Ilha, depois de ter fundado a Vila de Angra deu início a várias construções e obras, impulsionando o seu desenvolvimento. Devido a constantes desavenças internas, a Ilha foi dividida, em 1474, em duas capitanias, a de Angra, entregue a João Vaz Corte Real, e a da Praia, ao anterior Capitão-Donatário da Ilha, Álvaro Martins Homem. Este perdeu as benfeitorias de Angra (casa, moinhos e terras), mas recebeu, por esse dano, uma indemnização do novo Capitão de Angra e, com isso, apostou no desenvolvimento da Praia, que acabou elevada a Vila em 1480. Angra fora elevada a Vila, 2 anos antes, em 1478.

Foi na Terceira, em Angra, que se estabeleceu a primeira cidade dos Açores e a sede da Diocese açoriana, com a criação do Bispado de Angra e Ilha dos Açores, em 1534. Devido à sua angra natural, a Ilha foi, desde os primeiros tempos, um importante porto de escala do Atlântico Norte, depois obrigatório, por mais de 3 séculos, desempenhando um papel importante na afirmação do Império Português.

É este sangue aventureiro e guerreiro dos nossos primeiros povoadores que tem faltado atualmente aos nossos cidadãos, que tem-se esquecido das suas obrigações e que, queixando-se dos problemas, nada fazem para os resolver, parece que falta a força do sangue dos nossos antepassados. É tempo de metermos mãos à obra e de defendermos a nossa terra e de procurarmos soluções para um futuro melhor e mais digno.

Francisco Miguel Nogueira