Jornal da Praia

PUB

A PARTILHA

Sexta, 01 de Março de 2019 em Opinião 169 visualizações Partilhar

A PARTILHA

Há sessenta anos atrás não se conheciam. Hoje primam pelos laços de amizade e camaradagem que mantêm uns para com os outros. E embora ao longo da vida tenham sido sujeitos a situações graves de stress acredita-se que a facilidade com que muitos as ultrapassaram se deve em grande parte à preparação com que iniciaram a sua carreira, em paralelo com a adopção de medidas habitualmente recomendadas para lidar com essas situações. Entre estas destacam-se aquelas que permitem a criação de condições facilitadoras precisamente do controlo de stress.

Vejamos pois algumas dessas condições a garantir sempre que possível: (1) um bom descanso; (2) justiça na atribuição de tarefas ou de funções; (3) circulação de informação entre todos os intervenientes; (4) coesão através de uma compartilha de experiências; (5) interiorização da “combinação vencedora” da confiança no chefe ou coordenador, nos outros, em si próprio, no equipamento e no ensino; (6) possibilidade de recorrência ao paralelismo das tarefas, ou seja, atribuição da mesma tarefa a duas pessoas, a executar ao mesmo tempo; (7) estabelecimento do treino cruzado, em que cada indivíduo é instruído em fainas que pertencem a outra secção ou área; (8) programa sistemático de lidar com o stress, próximo da zona atribulada em cada unidade ou simples órgão; (9) boa liderança das chefias; e (10) treino adequado.

Estas condições dão-nos poder. No entanto não podemos esquecer o que escreveu Reyes (2003): «por muito poder que julguemos ter, por muita responsabilidade que levemos às costas, por muito potencial que possuamos, por favor, não esqueçamos que somos pessoas! E como tal, limitadas; pessoas que muitas vezes se sentem incapazes de solucionar factos opressivos ou circunstâncias dolorosas, mas pessoas que podem colocar os pensamentos a seu favor e deixar de sofrer inutilmente» Acresce que frequentemente esquecemos que o stress é susceptível de influenciar pelo menos quatro componentes do nosso bem-estar (Seaward, 1997): o mental (ou intelectual), a nossa capacidade para reunir, processar, recordar e trocar informação, em que a exposição ao stress tende a sobrecarregar o circuito cognitivo, diminuindo as capacidades necessárias para tomar decisões importantes; (b) o físico, o funcionamento óptimo dos maiores sistemas fisiológicos do corpo, em que a incapacidade para voltar à homeostase pode ser fatal para os vários tecidos do organismo e eventualmente para todo o corpo; (c) o emocional, a capacidade para sentir e exprimir a gama completa de emoções humanas e controlá-las, em vez de ser controlado por elas, e em que a ira e o medo constituem os aspectos influenciadores que podem mais sobrecarregar o circuito emocional, conduzindo à paralisia mental ou aos estados de depressão; e (d) o espiritual correspondente ao amadurecimento da consciência superior através da estimulação das relações entre a pessoa e os outros, o desenvolvimento de um forte sistema de valores pessoais, a par de uma significativa finalidade da vida.

Referiu ainda que os eruditos haviam ainda acrescentado o bem-estar social e o ambiental, componentes adicionais do paradigma do bem-estar. Para lidar eficazmente com o stress, é necessário visar e estimular igualmente todas estas áreas, visto que o todo é maior do que a soma das partes. Quando as técnicas se dirigem só a uma das componentes, como a física, não se aliviam os outros elementos do stress, as componentes mental, emocional, espiritual, social e ambiental, e vice - versa, o que é susceptível de permitir a ocorrência de recaídas. Importa pois considerar todos os aspectos do bem-estar em termos de equilíbrio e integração, porque se apresentam muito ligados e entrelaçados.

Esclarece ainda que o manejo de stress implica: (1) sólido conhecimento da reacção corporal ao stress percebido; (2) conhecimento significativo dos factores mentais, físicos, emocionais e espirituais associados; (3) utilização de várias técnicas de lidar com o stress visando a resolução das suas causas; (4) prática regular das técnicas de relaxação para manter o equilíbrio homeostático do corpo; e (5) avaliação periódica da eficácia das técnicas de relaxação e de enfrentar e lidar com o stress. Um programa saudável de manejo de stress implica pois geri-lo eficazmente.

Aurélio Pamplona

Referências:
Reyes, M. J. A (2003). A Inutilidade do sofrimento; Conselhos para aprender a viver de maneira positiva. Lisboa: a Esfera dos Livros.
Seaward B. L. (1997): Managing stress: Principles and strategies for health and wellbeing: Boston Jones and Bartlett Publishers.

NE: Texto originalmente publicado na edição impressa n.º 539, de 22 de fevereiro de 2019.