Jornal da Praia

PUB

POPULISMO, MENTIRA E DESINFORMAÇÃO

Quinta, 28 de Fevereiro de 2019 em Opinião 178 visualizações Partilhar

POPULISMO, MENTIRA E DESINFORMAÇÃO

Nos últimos dois anos, sobretudo antes das eleições de Donald Trump nos EUA e, mais recentemente Bolsonaro, no Brasil, vêm-se acumulando crescentes preocupações e receios sobre o futuro da democracia na Europa a que pertencemos e do mundo ocidental em geral. Isso está bem espelhado nos órgãos de comunicação internacional, mormente na imprensa de vários países.

Ainda há duas semanas, a prestigiada e séria revista Le Nouvel Observateur, hoje designado L’OBS, no seu nº 2827 de 10 a 16 Janº 2019, trazia em destaque um suplemento de treze páginas intitulado «O Cancro das Fake News» e como ele ataca a democracia, alertando-nos para tudo o que se pode encontrar nas redes sociais, tanto do melhor como do pior, com grande predomínio deste último. O mesmo se passa com o falso que domina o verdadeiro, a mentira que suplanta largamente a verdade, o ódio e a vingança que arruínam os sentimentos mais nobres do Homem, entre eles a solidariedade, o amor, a justiça e a fraternidade.

As falsas notícias pululam pelas redes sociais tal como proliferam as teorias do “complot”, com flagrante falta de rigor e espírito crítico de quem as divulga e dos desatentos utentes que as engolem, sem qualquer questionamento sobre o seu interesse ou conveniência, consumindo produtos tóxicos para o organismo e mais ainda para o espírito.

Em Portugal, o termo está ainda pouco generalizado e o seu significado não é bem conhecido. As fake news (falsas informações) traduzem conteúdos factualmente falsos, fabricados para terem ou darem uma aparência de credibilidade, com fins deliberados de enganar/ludibriar os internautas incautos a quem se destinam. E com tais serviços, obscuros e tortuosos, os seus agentes aumentam, vertiginosamente, as suas contas bancárias em milhões e milhões de euros à custa da exploração de outros trabalhadores também burlados e vítimas de injustiças, se não produzirem um número exagerado de páginas a que estão obrigados sem dó nem piedade. O lema é sempre produzir mais e quanto ao pagamento ver-se-á depois. A desigualdade, a imprevisibilidade salarial e a corrupção campeiam.

Os maiorais dessas fake news não têm rosto, o que lhes interessa é obter fortunas fabulosas, a qualquer preço. São exemplos os casos de Mirko Ceselkosky e de Tale Arsov, adeptos da era da pós-verdade. Ambos têm convicções de extrema-direita e libertárias, e o segundo insiste não ter nenhum elo com os Russos: “ Isso é teoria da conspiração!”. Mas declara estar orgulhoso de ter contribuído para a eleição do actual inquilino da Casa Branca. L’OBS, ao aludir à campanha americana, considera Veles, na Macedónia, o hub das fake news, referindo que aquele pequeno país tornou-se numa fábrica da mentira, estando sob a dupla influência de um ”lobby” pró-Trump e da Rússia.

O populismo e as falsas notícias

Mas poder-se-á entender o populismo actual, no meio de tamanha barafunda? É muito difícil, porque ele utiliza as fake news (as falsas notícias) como armas tácticas pontuais. O seu objectivo prioritário é o maniqueísmo conducente ao totalitarismo, a verdade absoluta saída da boca do chefe, mediante uma narrativa de salvação, de promessas, ou preces a Deus.

«A verdade já não depende da relação do enunciado com a realidade, mas sim da sua relação com o sujeito da enunciação, a oscilação entre a verdade e a mentira vale o mesmo que a oscilação entre a mentira e a mentira» (José Gil, Caos e Ritmo, pág.465, Relógio D’Água, 2018).

Como se depreende das palavras do nosso grande filósofo, isto é uma subversão completa, que visa, com a criação de factos alternativos e falsas notícias, desacreditar a comunicação social independente, porque esta constitui uma ameaça, por ser detentora da verdade dos factos, conseguida por uma deontologia e competência profissional que obrigam o jornalista a um conjunto de regras: inquirir, verificar as fontes, comparar os testemunhos e opinar com a isenção e a objectividade possíveis, num tempo ajustado à natureza dos acontecimentos e não em correrias loucas.

E prossegue José Gil: «Apagar a realidade é garantir que não será confrontado com o “princípio da realidade”, contando apenas com a realidade alternativa, fabricada segundo as conveniências do poder populista. É a crença no líder—além das suas mensagens—que garante a ”credibilidade” do seu discurso». O caso de Trump é eloquente com a sua frase recorrente «Believe me!» (Acreditem-me!).

Com se vê, estamos perante conjunturas caóticas e um fenómeno novo pelo seu enorme mediatismo, fácil e próximo, que seduz muito mais, se bem que historicamente o populismo seja tão antigo como a própria democracia. Isto leva certos ditadores, alguns verdadeiras marionetas, a não se aperceberem das suas atitudes e comportamentos boçais e ridículos. Certamente por possuírem pouca cultura, excesso de autoestima, ou devido à falta de carisma pessoal.

Para gente não suficientemente esclarecida, o orador populista não precisa de argumentar. Basta-lhe gritar ou berrar, gesticular, fazer momices, afirmar com gestos teatrais e inflexões vocais, encenar pequenos “sketchs” para estabelecer uma comunicação directa e imparável com a assistência.

A História, ao longo dos séculos, regista os nomes de alguns deles pelas piores razões. Oxalá isso sirva para acautelar-nos dos perigos e sirva para um futuro de paz e liberdade, e não de violência, injustiça e vingança, como nos querem impingir alguns corruptos e pseudo-profissionais da informação.

Com a proximidade das eleições europeias alguns países vão tomar medidas contra as fake news, já anunciadas por Emmanuel Macron, para que a França permaneça uma democracia robusta e assim melhor se possa proteger das falsas informações, das manipulações e das intoxicações».

António Neves Leal

NE: Texto originalmente publicado na edição n.º 538, de 08 de fevereiro de 2019.