Jornal da Praia

PUB

ATÉ ONDE PODE CHEGAR O INDEPENDENTISMO CATALÃO

Quarta, 27 de Fevereiro de 2019 em Opinião 50 visualizações Partilhar

ATÉ ONDE PODE CHEGAR O INDEPENDENTISMO CATALÃO

Há pouco tempo explicava numa crónica que evito escrever sobre assuntos de actualidade e de acentuada sensibilidade política, porque temo escaparem-me dados importantes para formular uma opinião abalizada e porque, no caso da política, tenho a noção clara de que a retórica que domina esse discurso fundamental, tem como objecto ideais, isto é, sonhos. Vou, contudo, contar hoje uma estória que tem a ver com um fenómeno político, o independentismo, tema presente nos Açores há um bom par de anos, e hoje praticamente desaparecido.

A primeira vez que fui à Catalunha e convivi com catalães foi em Novembro de 2000, convidado por um colega da Universidade de Barcelona para participar no “II Congresso Internacional de Tecnoética” e nas sessões da “European Network of Applied Ethics”. Em termos académicos, tudo correu dentro de previsível. Fora das sessões, e em termos de convivência social tive, contudo, uma experiência que, avaliada a partir do tempo presente, posso considerar claramente premonitória. Estava eu a conversar em espanhol com o colega que me tinha convidado, quando chegou outro barcelonês: imediatamente os dois começaram a falar em catalão. Achei estranho e essa estranheza deve ter-se estampado no meu rosto. Os dois catalães, apercebendo-se, justificaram-se: “sabes, isto é automático; se um catalão aparece, falamos imediatamente na nossa língua”.

Depois desta viagem, regressei várias vezes a Barcelona para fazer parte de júris de doutoramento ou para, como representante da minha Faculdade, participar nas reuniões de um Grupo que trabalha em Ética das Profissões. Nestas visitas notei algumas coisas que me pareceram estranhas; refiro apenas duas. Segundo os regulamentos das provas doutorais em que participei, o orientador da tese está presente, mas não está integrado no Júri; apesar disso, no fim das arguências, é de praxe o presidente do Júri dar-lhe a palavra. Numa das vezes em que a tese estava redigida em catalão (o que já era sintomático), o orientador, ao tomar a palavra, lamentou não poder expressar-se em catalão “porque seria a língua em que em termos afectivos melhor podia expressar a sua admiração pelo candidato e pelo trabalho apresentado”; mas iria falar em espanhol, “porque um dos membros do júri não falava catalão”. Numa outra ocasião, assisti a uma discussão, que por pouco não acabou mal, em que, perante um espanhol nascido na Estremadura mas a viver em Madrid, um catalão defendia veementemente que na Catalunha não devia ser obrigatório ensinar espanhol nas escolas. Se olharmos hoje para o que se passa na Catalunha, estamos muito longe destes meros sinais; com o andar do tempo, veio à superfície a luta intensa dos independentistas como nos tem mostrado a comunicação social e é evidente na estória que passo a contar.

Uns dias antes do Natal, recebi um mail de um amigo catalão a desejar as Boas Festas e a informar-me de que, a partir do fim do ano, ele e a família passariam a ter nova residência, porque iriam emigrar. Escrevi-lhe a desejar as maiores felicidades e a mostrar a minha surpresa pela decisão de deixarem a Catalunha. Na resposta, ele esclareceu-me: “cansámo-nos de viver na Catalunha, onde o clima político, social e cultural é irrespirável em consequência do movimento independentista que é extremamente intolerante e desrespeitoso do Estado de Direito. Em Maio chegou-me uma proposta de uma universidade […] com que colaboro há muitos anos, e aceitei”

Este amigo de há muitos anos não é um espanholista. Lembro-me de muitas conversas em que mostrava a sua paixão pela Catalunha. Só a título de exemplo, uma vez, quando tentávamos agendar uma reunião do grupo em Madrid, alguém sugeriu 11 de Setembro; ele imediatamente reagiu dizendo: “esse é o dia da Catalunha, não posso sair de Barcelona”.

A história do meu amigo mostra que o independentismo catalão está a atingir um radicalismo inimaginável. Aliás, um familiar meu, que tem estado muito ligado ao intercâmbio entre escolas secundárias e, por isso, tem ido bastante à Catalunha, dizia-me há uns tempos que os independentistas catalães votam um verdadeiro ódio aos “não independentistas”. Isto é, a paixão política exacerbada cria situações que só têm semelhança com as geradas pelo fundamentalismo religioso, que sempre pensei serem inimagináveis na Europa, mas que hoje são vividas na Catalunha.

Silveira de Brito

NE: Texto originalmente publicado na edição impressa n.º 538, de 08 de fevereiro de 2019.