Jornal da Praia

PUB

HOMENS DA MÚSICA DA PRAIA

Segunda, 25 de Fevereiro de 2019 em Opinião 296 visualizações Partilhar

HOMENS DA MÚSICA DA PRAIA

Vitorino Nemésio Mendes Pinheiro da Silva, nascido na Praia da Vitória, em 19 de dezembro de 1901 e falecido em Lisboa, em 20 de fevereiro de 1978, que tinha bom ouvido, mas tocava mal, tivesse sido dotado de dotes musicais iguais aos literários que bem explorou teria, certamente, produzido melodias para onde verteria muita da sua poesia. Então, o também praiense Luís Gil Mendes Bettencourt, nascido no dia 26 de junho de 1956 não teria tido razões nem motivos para produzir o trabalho recentemente publicado em CD, de Vitorino Nemésio SUAS PALAVRAS. SUA VIOLA.

Não se trata de uma primeira abordagem musical de Luís Mendes Bettencourt à poesia de Vitorino Mendes da Silva (algum parentesco?), mas a circunstância de ocorrer o 40º aniversário da morte deste talvez o tenha animado a voo mais alto. Daí que tenha pensado em fazer-se acompanhar pelo próprio violão com que Nemésio se apresentava em convívios entre familiares e amigos que condescendiam em aplaudi-lo simpatica e cortezmente pois que os seus dotes musicais eram fraquinhos, coisa de que estava bem ciente.

Os seis poemas escolhidos que L. Bettencourt musicou apresentam dificuldades variadas quanto à métrica a ser respeitada ou resolvida em termos musicais. Mas o músico anda na música há muito ano e sabe como fazê-lo. Atente-se na solução encontrada para o poema Violada. Outra faceta a destacar neste trabalho discográfico é o uso, (intencional?), de um 'sotaque' que pode sugerir a voz do próprio Nemésio a cantarolar com voz rouca, talvez mais notório na faixa 4.

Há vários exemplos de ilhéu que deixa a ilha e no entanto a ilha não o deixa. Vitorino Nemésio é um deles. Passou uns escassos vinte anos da sua vida nos Açores e ainda que se some os dias de visita breve ou de férias mais prolongadas não se atinge um número muito maior. Por variadas vezes manifestou a sua 'açorianidade' onde quer que estivesse. Muito embora tenha deixado ao critério de Deus onde haveria de morrer, segundo o Tenho uma Saudade tão Braba, acabou por desejar ser enterrado em Coimbra.

Luís Bettencourt, que conta mais anos vividos na Praia da Vitória do que Nemésio é, por vezes, apelidado de excêntrico. E acertadamente. É um elogio que lhe fazem, pois que ele é um artista e só quem consegue escapar ao 'centro' é capaz de produzir arte. Amália Rodrigues foi considerada excêntrica quando se 'atreveu' a cantar Camões. Outros exemplos há de semelhantes excentricidades que acabaram por dar cabo de velhos preconceitos asfixiantes.

O presente trabalho discográfico é fruto da incombustível excentricidade de L. Bettencourt, sempre em erupção e vai, certamente, ser tido em conta junto dos professores da escola secundária nos trabalhos de comemoração do seu patrono ou nos de exposição e abordagem à sua obra poética. Não será de surpreender, por outro lado, que outros cantores ou conjuntos musicais venham a querer divulgar, nas suas atuações, algumas desta melodias tão carregadinhas de açorianidade.

Um foi da música da Praia, a modos de herança familiar, e até lhe dedicou uma décima; o outro ainda mexe e faz mexer a velha instituição cultural. É de crer que Vitorino Nemésio, tendo em conta a sua maneira de ser, viesse a gostar deste trabalho e, tal como se abeirou do mestre Laureano C. dos Reis para lhe ensinar como acompanhar as nossas modas regionais, não deixasse de pedir ao autor que lhe indicasse os acordes necessários para executar estas bonitas melodias.

João O. do Rego

NE: Texto originalmente publicado na edição impressa n.º 537, de 25 de janeiro de 2019