Jornal da Praia

PUB

VOTAR EM QUEM?

Sexta, 22 de Fevereiro de 2019 em Opinião 316 visualizações Partilhar

VOTAR EM QUEM?

A leitura de um artigo do grande pensador que foi Manuel Antunes devia ser frequentemente recomendada, sobretudo nos momentos que antecedem os atos eleitorais. A profunda análise que faz sobre as diversas posturas de cada candidato ao exercício do poder é um excelente guia para fundamentar as escolhas dos eleitores.

Que impele tantos homens a entrar na política? É essa a pergunta que o professor M. Antunes formula.

O artigo Reflexões sobre o Poder surgiu na revista Brotéria de abril de 1976. Já tem, portanto, uma veneranda idade, e foi escrito nas vésperas do ato eleitoral que haveria de eleger o primeiro presidente da República depois de 1974. É claramente um texto pedagógico destinado a esclarecer o impreparado eleitorado português em face ao exercício do seu direito e dever de cidadão.

Este ano de 2019 oferece aos eleitores portugueses residentes na Região Autónoma dos Açores duas ocasiões para o exercício do direito e dever de votar: em 26 de maio, eleição dos deputados ao Parlamento Europeu, e em 6 de outubro, eleição da Assembleia da República.

Temos, portanto, que votar. Mas votar em quem? Eis a importância das reflexões do professor Antunes, pois que enumera e caracteriza uma meia dúzia de motivações do poder.

Vem em primeiro lugar

  • o candidato movido pelo desejo de glória e imortalidade,
  • a que se segue aquele que busca, ao deter o poder, um meio de se sentir acompanhado e seguro;
  • a caracterização prossegue para o candidato que procura a compensação para os seus fracassos, falhanços e frustrações;
  • a consciência de uma missão a cumprir também pode motivar algum candidato ao poder;
  • há muitos candidatos motivados pela simples necessidade de ter um emprego na vida;
  • certo tipo de candidato que gosta de jogar na política, fazendo e desfazendo combinações... passando e voltando a passar por todas as câmaras e ante-câmaras do poder;
  • também é possível encontrar um candidato movido apenas pelo desejo desinteressado de servir.

Todas estas manifestações, porém, nem sempre se encontram em estado puro. Ao revés. Com frequência elas se misturam e se combinam, chegando a produzir estranhos resultados: de astúcia, de delírio, de exibicionismo, ou, pelo contrário, de equilíbrio, de sensatez, de heroísmo saudável. De facto se há os doentes do poder, muito mais perigosos que os doentes do futebol ou da droga, há também os sãos do poder, aqueles que, conhecendo-se na estreiteza dos próprios limites e, porventura, em certa impureza das próprias motivações, assumem o poder como função social de serviço à comunidade, como dever, nem sempre grato, a cumprir, como tarefa necessária que alguém terá de exercer.

Estas reflexões só podem ser úteis se os cidadãos eleitores se interessarem e acompanharem o dia a dia político da nação e da localidade onde residam, dedicando-se a observar o perfil dos vários candidatos com vista a procurar soluções e a debater propostas.

Lamentável é que, na maior parte das situações, os candidatos são propostos pelos diretórios dos partidos com base em critérios duvidosos. Seja como for, a responsabilidade primária do resultado das eleições é sempre de cada eleitor, quer pela via ativa – votando – quer pela passiva – abstendo-se.

João O. do Rego

NE: Texto originalmente publicado na edição impressa n.º 537, de 25 de janeiro de 2019.