Jornal da Praia

PUB

OLHAR INTELIGENTE

Sexta, 22 de Fevereiro de 2019 em Opinião 269 visualizações Partilhar

OLHAR INTELIGENTE

A anedota do bêbado, referida no último Cantinho, retrata bem algumas das dificuldades porque as pessoas podem passar, quando recorrem a expedientes desajustados para enfrentar o stress, como é o caso do abuso do álcool. Mas podíamos contar uma infinidade de casos de vidas mal paradas, respeitantes a todos aqueles que apresentam alguns dos sinais adicionais de stress, a que chamámos ocultos. Possivelmente, se olhássemos para a nossa vida com o Olhar Inteligente com que a gueixa enfrenta o fotógrafo, reagiríamos de forma mais adequada e aqueles sinais ocultos não apareceriam.

Reflectindo agora sobre o segundo sinal oculto referido sublinhe-se, de acordo com alguns investigadores (Fernandes, Moura, Araújo Et al., 1981), que para os usuários de drogas, as possibilidades do seu futuro são ameaçadas por autodestruição, afastamento da família, incluindo dos filhos, e forte probabilidade de ligações ao mundo do crime. O abuso de drogas, bem como o seu tráfico ilícito, estão entre os problemas mais graves que o mundo atravessa. E a curto prazo, se existem quem até possa louvar alguns dos benefícios da sua utilização pontual, a longo prazo, os efeitos do abuso são sempre imprevisíveis e destruidores, porque causam deterioração psicológica, tornando as pessoas mais vulneráveis às situações perigosas.

Ninguém pode esquecer que a dependência das drogas atinge três das principais dimensões do indivíduo, que também devem ser consideradas no tratamento, e que são (Weisberg, 2012): (1) a dimensão física e mental, que exige tratamento da dependência psicológica e das doenças mentais associadas ao consumo; (2) a dimensão física e somática, a requerer a cura das respectivas doenças; e a (3) dimensão social, que obriga à ressocialização e reinserção do indivíduo na sociedade. A ultrapassagem destas três dimensões pode durar alguns meses, até vários anos, ou mesmo toda vida.

Entretanto não se julgando oportuno continuar a sublinhar as possíveis consequências dos sinais adicionais de stress, que são como se disse consequências de estratégias, e até de formas prejudiciais de enfrentar precisamente as dificuldades, esclareça-se só que, de acordo com a Organização Mundial de Saúde, como resultado do terceiro sinal adicional de stress, que diz respeito ao consumo de tabaco, e possível irritação quando ocorre a sua proibição, o nº de mortes em todo o mundo, devido a esta causa atinge os sete milhões, sendo em Portugal a sua primeira causa.

Enfim, quem “quiser ir desta vida para melhor” mais cedo do que estava previsto no seu destino, e relacionado com o desgaste sucessivo atribuído à acumulação de episódios de stress, e que se aplica a todos, ligue-se ao tabaco, ou persista com o seu consumo. Mas não se esqueça que esta via não é de progresso, é de retrocesso e de aniquilamento, e portanto não é um bom caminho para ninguém, nem para a sociedade. Entretanto assinale-se que, mesmo não se sendo fumador, dificilmente é possível libertarmo-nos desta “praga”, devido ao tabagismo passivo, a 3ª maior causa de morte evitável do mundo, que até as crianças afecta imenso.

Voltando ao tema stress registe-se que, quem participou em missões de paz ou humanitárias compreende facilmente quais são as características susceptíveis de se repercutir no desencadeamento daquela condição, até porque muitas se aproximam de situações da vida autêntica. Vejamos algumas: (a) incerteza quanto à situação real e condições de vida difíceis; (b) dificuldade na obtenção de notícias; (c) aparecimento das primeiras baixas; (d) privação severa do sono; (e) contacto com fogos reais, actos de violência, explosões, raptos, acções de atiradores furtivos, e ameaças à vida e segurança pessoais; (g) incapacidade em ajudar os que sofrem ou de deter a violência; e (h) confronto com culturas diferentes em termos de língua, tradições, religião e convenções sociais.

O controlo do stress é uma tarefa de todos. A experiência diz que o controlo de stress é mais fácil quando se verificam diversas condições, algumas das quais não constam dos manuais clássicos de instrução militar, nem das regras da sociedade. No entanto, a inexistência dessas condições não justifica a pessoa deixar-se influenciar negativamente. Veremos no Cantinho seguinte quais são essas condições.

Aurélio Pamplona

Referências:
Fernandes M. A. Moura F.M.J.P de, Araújo M. P. de et al. (1981). Retirado em 02 Jul. 2018 de Fonte: Revista de Enfermagem. Tema: O significado do uso e abuso de drogas ilícitas para presidiárias. Website: Rev Enferm UFPE on line., Recife, 9 (Supl. 9):9957-63, Nov., 2015.
Weisberg, V. (2012). 100 Perguntas e respostas: álcool, drogas e tabaco. Lisboa: Pactor – Edições de Ciências Sociais e Política Contemporânea.

NE: Texto originalmente publicado na edição impressa n.º 538, de 08 de fevereiro de 2019.