Jornal da Praia

PUB

INTENSIFICAR O INTERCÂMBIO INSULAR

Quarta, 20 de Fevereiro de 2019 em Opinião 148 visualizações Partilhar

INTENSIFICAR O INTERCÂMBIO INSULAR

O intercâmbio cultural é a melhor forma de convivência e de respeito pelo valor e diferença dos outros. Só teremos uma verdadeira região quando a comunidade de interesses estiver acima e além de egoísmos mesquinhos e estéreis que entravam e comprometem um autêntico desenvolvimento.

Desde algum tempo, que vimos observando significativas mutações naquilo a que se convencionou designar por intercâmbio ou troca de conceitos, valores e tradições. Tais alterações do nosso tecido social derivam da assunção de princípios éticos e políticos, privilegiando cada vez mais a abertura aos outros criando a empatia como era concebida por Karl Rogers. Felizmente, o sentirmo-nos na pele do outro já não é considerado tão utópico como há duas décadas, mas ainda existem muitos escolhos a dificultar o avanço para o diálogo de igual para igual.

No caso das nossas ilhas, esse diálogo com a consequente troca de experiências, realizações, maneiras de viver e sentir continua a ser um imperativo que urge concretizar nas mais diversas vertentes. A nossa realidade atlântica levanta problemas específicos, cuja resolução só será viável no reconhecimento e respeito do pluralismo multifacetado e caleidoscópico, caracterizador de uma realidade arquipelágica como a açoriana.

Felizmente, este espírito de solidariedade tem vindo a ser implementado aos mais diversos níveis, económico, artístico-cultural, desportivo, mediático e turístico. E quanto a este último, parece-me oportuna e pertinente uma alusão especial ao que se vem fazendo em relação aos forasteiros que visitam o arquipélago, distribuindo-os pelas várias ilhas, mas não esquecendo os açorianos cá de dentro, muitos dos quais nunca saíram da sua ilha de origem.

Quantos conhecem as nove ilhas dos Açores ou pelo menos metade delas? Quantos foram às Flores, a mais bela das nossas pérolas ou a Santa Maria, onde começamos a nossa epopeia de povo ilhéu, tantas vezes sacudidos pelas inclemências do tempo, pelos sismos, pelas vagas ameaçadoras, rebentando fragorosamente contra os rochedos. Mas há outras facetas agradáveis, sobretudo no verão, as viagens inesquecíveis que o mar nos proporciona.

Paradoxalmente, continua-se a saltitar de avião, de ilha para ilha, a preços incomportáveis para as populações aqui residentes, não viabilizando as viagens marítimas que muitas memórias despertaram no passado, sobretudo nos meses estivais. Numa região onde os transportes de passageiros são escassos e com barcos frequentemente avariados, como se poderá estreitar o intercâmbio entre os habitantes dos Açores e fazer turismo a sério ou de qualidade? Quem quererá visitar um arquipélago de avião depois de ter feito um voo de várias centenas de milhas, a partir de plataformas continentais?

Em vez de se intensificar as trocas de mercadorias e de passageiros com o uso de um transporte mais barato e adequado à nossa idiossincrasia geográfica, teimosa e absurdamente recusamos o barco a favor do pássaro de aço. E mais grave ainda, com tarifas interilhas que, em vez de facilitarem o transporte das pessoas e bens, provocam, ao invés, maior isolamento, fechando-se cada ilha sobre si própria. Ir de uma ilha a outra ainda custa quase tanto como ir a Lisboa na TAP ou noutra companhia, apesar das distâncias serem pequenas, quando comparadas com as que nos separam do Continente.

As pessoas, actualmente, sentem cada vez mais necessidade de saírem do local onde vivem todo o ano, apesar da proliferação das plataformas de comunicação digital existentes hoje. A nível de projectos e realizações, é de sublinhar o que se está a passar entre vários municípios da mesma ilha ou de ilhas diferentes. Um dos casos paradigmáticos mais interessantes é o chamado triângulo São Jorge- Pico- Faial.

Os concelhos destas três parcelas do arquipélago estão a estabelecer um intercâmbio benéfico e estimulante, um verdadeiro grito de morte ao isolamento e ao bairrismo no que eles têm de mais negativo para a vida das populações e o desenvolvimento harmónico dos Açores. Contudo, não nos podemos restringir a três ilhas, é preciso que as trocas se possam realizar noutros territórios insulares, para que os Açores sejam, «de jure» e «de facto» uma Região autêntica, unida pelo mar, isto é, um traço de união e não uma barreira de separação.

Mais importante do que a oratória dos discursos é a vontade e a disponibilização dos meios para a concretização do intercâmbio insular. E para que este seja forte e enriquecedor tem de alicerçar-se, primeiramente, na cultura e no que ela contém de mais genuíno e profundo, sem preconceitos de superioridade ou tutelas sobre os outros. O intercâmbio só se consegue com cedências e reciprocidades. Ele é bilateral ou multilateral, não havendo lugar para autoritarismos, dogmatismos, facciosismos, nem obscurantismos, todos eles filhos da ignorância ou da má-fé.

Será que passados quarenta e dois anos de regime autonómico, iremos continuar a ser roídos por particularismo, invejas, e pela mesquinhez bairrista, como tem sucedido, a pretexto de um qualquer acontecimento ou inauguração.

Quando é que essas ervas daninhas irão desaparecer das nossas comunidades e começaremos a olhar para as nossas ilhas, acima de tudo, em termos de complementaridade e não como se vem observando com a malfadada competição, meramente com intuitos divisionistas de maior ou menor pendor capitalista com laivos colonialistas? Para quando a supressão de expressões insistentes como as referentes a” Ponta Delgada,” a maior cidade, ou o maior concelho açoriano, o que geograficamente até está errado, ou a São Miguel a ilha mais populosa, inflacionando sempre o número dos seus habitantes. Para quê tantos lugares comuns e bagatelas que estilisticamente só empobrecem o estilo da comunicação e nada acrescentam ao carácter informativo da mesma!

António Neves Leal

NE: Texto originalmente publicado na edição impressa n.º 537, de 25 de janeiro de 2019.