Jornal da Praia

PUB

PARA OS AÇORES DE 2018 PARA 2019 DO MELHOR

Terça, 19 de Fevereiro de 2019 em Opinião 225 visualizações Partilhar

PARA OS AÇORES  DE 2018 PARA 2019 DO MELHOR

Caros leitores, passados que são 209.800 segundos entrados no ano de 2019, (são dez horas do dia 3) e, esperando que nos perdoem o atraso, deixai que vos desejemos “Feliz Ano Novo” para todos sem exclusão de raça, de credo ou de ideologia política.

Perguntamo-nos se será que este formulado desejo, estará consentâneo com o título escolhido. Pensamos que sim. Nada impede que, o que desejamos para nós, para as nossas famílias, não o partilhemos com o próximo.

Assim aprendemos e, ao pormo-nos ao serviço de um ideal, de uma cultura, e de um povo, é cumprir a doutrina onde impera a defesa dos direitos humanos, encaixando-se assim perfeitamente, a “fórmula” dos votos de “Feliz Ano Novo “, expressos no parágrafo de abertura da presente redacção.

Falar ou escrever, sobre o agora findo 2018 depois de tanto já se ter lido e, escutado através dos órgãos de comunicação social, não será mais do que confirmar o que, de todos os atentos cidadãos é conhecido. Um ano mundialmente atingido por catástrofes naturais, atentados terroristas, uma paz apregoada, mas mascarada de hipocrisia. A mentira personalizada nas declarações dos senhores que através das organizações mundiais tal apresentadores circenses, histericamente vão apresentando um triste espectáculo apenas aplaudido pelos seus obedientes súbditos. Nem as próprias instituições religiosas escaparam aos seus “particulares”.

Do país, (Portugal) assistimos a uma onda de demagogia aperfeiçoada na "arte ou poder de conduzir o povo". no claro interesse em manipulando a massa popular servir aqueles que teimamos em apelidar por os “DDT” desde a Justiça (chamada de poder independente) passando pela Saúde, Ensino, Administração Pública e outras Valências do poder, envolvendo instituições como as Forças Armadas e de Segurança Pública, como foram os casos de “Tancos” e das Glock da “PSP” a tudo assistimos “pasmos e quedos”. Igualmente ficamos “pasmos e quedos” aos escândalos políticos sucedidos na AR onde exaltadas vozes se fizeram ouvir na defesa dos mesmos.

Por cá, por estas bandas, também não tivemos muito do melhor a festejar em referência ao ano que nos deixou há 209.800 segundos, como referido no paragrafo introdutório acima. Também fomos atingidos pela mãe natureza que entendeu castigar-nos, com alguns “açoites” felizmente não muito severos em relação aos que por este mundo fora se assistiu. Assuntos polémicos e relacionados com a gestão política, foram alguns. Também tivemos o nosso “circo” no qual se distinguiu o um desfile de “Pinóquios” nos “sketches” refentes à Saúde, ao Emprego > Desempego, à telenovela “SATA”, a uma dança de cadeiras “ora agora eu ora agora tu”, entre outros episódios de conhecimento público e que têm tido a atenção de alguns cidadãos mais interessados na situação social e político-económica nos Açores.

Por favor “Senhores da Política” nos Açores, não façam “mais do mesmo” em referência ao ano 2018 e do que acaba de começar.

Entenda-se que o termo “Senhores da Política” nos Açores não só se destina aos nado e criados cá, mas também, aos que de Portugal gostam de por palavra em nome dos açorianos, Líderes partidários com sucursais nos Açores, Embaixador com o titulatura de Representante da República, membros da AR e do Governo Centralista Português, nomeadamente dos ministérios da Justiça, da Administração Interna, dos Negócios Estrangeiro, do Mar, da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior e do Ambiente os mais notórios, bem assim as Chefias das Instituições Militares sediadas por estas ilhas.

São bastantes as ofensas protocolares e o respeito pela constitucionalidade, de algo que se intitula por Autonomia, como o desrespeito pelos seus Órgãos eleitos Assembleia Legislativa, Governo Açoriano e dos seus símbolos Hino e Bandeira, devidamente institucionalizados.

Bofetada sem mão que não gostaríamos vêr repetida e sentida no nosso Ego Açórico, foi a que S.Exa. o Presidente da República, defensor da Liberdade e da Democracia que diz sentir, estar em perigo na Europa e no mundo, deu com a comemoração do dia 10 de Junho de 2018, encabeçando na sua qualidade de Comandante Supremo das Forças Armadas, uma aparatosa invasão de tropas e equipamento de guerra como afirmação de poder bélico perante um Povo ordeiro e acolhedor dos que o visitam. Não bastasse o show tão bem encenado pelos seus assessores, ignorou completamente os símbolos dos Açores numa limpeza estratégica e maliciosa.

Desde o 25 de Abril (em regime dito democrático e livre, do respeito pelos Direitos do Homem) embora por várias vezes os Açores e os Açorianos fossem ostracizados como Território e como Povo, sofremos tal ofensa.

Salazar em 1941 perante a incerteza das intenções dos EUA na utilização dos Açores no conflito mundial, chamado de II Guerra (Segunda Guerra 1939 a 1945), pediu ao Presidente Carmona para se deslocar aos Açores de modo afirmar a soberania portuguesa sobre o arquipélago, perante os aliados e os inimigos. Carmona durante a visita profere a célebre frase "Aqui é Portugal", claramente indicativa da linha política nacional que tem vindo a orientar o centralismo e o colonialismo de Lisboa.

Depois de 77 anos vem Marcelo Rebelo de Sousa reafirmar não ao mundo em guerra, mas sim ao Povo açoriano que “aqui é Portugal” e se deixem de ideias sobre a alteração da Constituição e do consequente sentido da nossa Autodeterminação.

Açorianos, “Todos os dias precisamos reerguer-nos e reinventar-nos para as pessoas que pensam que estamos acabados ou mortos. Necessitamos dar a resposta com o nosso ânimo, determinação e coragem, para que eles vejam que a covardia não faz parte da nossa vida.”

Que 2019 traga do melhor para todos nós, irmanados na Fé e no Amor pela nossa Terra.

José Ventura(*)
(*) Por opção, o autor não respeita o acordo ortográfico.

NE: Texto originalmente publicado na edição impressa n.º 537, de 25 de janeiro de 2019.