Jornal da Praia

PUB

PROTECÇÃO DOS BEZERROS

Sexta, 08 de Fevereiro de 2019 em Opinião 136 visualizações Partilhar

PROTECÇÃO DOS BEZERROS

Parece não haver dúvidas que os bezerros jovens precisam desde tenra idade da melhor protecção de forma a não serem afectados negativamente ao nível da sua saúde, a par de disporem do acesso controlado ao leite, ração e água. Neste sentido as casotas representadas na fotografia parecem constituir uma boa solução para se atingir esse objectivo, à semelhança do que se deve fazer com o nosso lar, especificamente quando existem crianças, e que deve constituir um ninho de amor, em que possa haver brincadeira, segurança, protecção, carinho e cuidado.

Possivelmente ninguém se lembra de no antigamente se ver nesta terra algo de semelhante, o que retrata uma evolução positiva. Entretanto e cingindo-nos ao stress que desde tenra idade nos afecta, cada vez mais se sente a necessidade de tomar as melhores medidas para o enfrentar, e lidar com as dificuldades do seu percurso na vida, entre as quais se destacam: (1) alteração da forma de pensar; (2) mudança de comportamento; e (3) aumento a confiança.

Mas a resolução dos problemas não é fácil visto existirem sinais adicionais de stress, em nós e nos outros, que são difíceis de reconhecer, nomeadamente porque podem estar ocultos. Isto reforça a ideia da importância do empenho e ajuda de todos para se garantir a sua ultrapassagem. Aliás muitos desses sinais são o resultado de estratégias e até de formas prejudiciais que muitas pessoas tomam para o enfrentar e as dificuldades levantadas.

Vejamos alguns desses sinais: (a) abuso de álcool, o que é um perigo para o próprio e para os outros; (b) uso e abuso de drogas, o que cria um mundo irreal; (c) fumar constantemente, e irritação, em caso da sua proibição face às circunstâncias; (d) comer e beber inadequadamente, o que pode conduzir à fraqueza e desidratação; (e) descontrolo ou excitabilidade emocional súbito ou por etapas; (f) atitudes negativas e negativismo face às situações; (g) incapacidade de relaxar; e (h) procura de perigo desnecessário, ou descuidos face ao perigo.

E ainda: (i) comportamento impulsivo, com esquecimento das consequências das acções; (j) ideias fixas, traduzidas na fala ou em acções repetidas ou de verificação; (k) tremores nas mãos, nos pés, ou mesmo em todo o corpo, dificultando as acções; (l) reacções regressivas, ou sejam, falhas em agir de acordo com a idade, ou incapacidade para lidar construtivamente com a realidade; e (m) perturbação da fala, que se torna acelerada ou vagarosa, com frases não completas ou sem sentido, ou só murmúrios.

Eleutério, C. (2018) já referido anteriormente salienta ainda os seguintes sinais: (1) permanecer muitas horas em frente à televisão ou computador; (2) afastar-se dos amigos, família e actividades de lazer; (3) dormir em excesso; e (4) procrastinação, ou seja adiar constantemente as tarefas que se necessita de realizar. E embora seja sublinhe a importância do empenho pessoal de cada um na recorrência a diferentes técnicas e estratégias para lidar com o stress, de forma a escolher a que a pessoa se sinta mais confortável, e melhor se adapte a si própria, aproveita-se para enunciar quatro formas, dir-se-ia básicas, que se pode recorrer para atingir esse objectivo: evitar o stressor, ou seja o estimulador ou a origem das dificuldades, alterá-lo, adaptar-se ao mesmo ou ainda aceitá-lo.

Antes de se prosseguir realce-se que importa não nos enredarmos pelos comportamentos, emoções e estratégias que dão origem a estes sinais adicionais de stress, porque não é um bom caminho a seguir. Veja-se porquê, através de um exemplo, tirado do blogAuriMartini (2018), «a história de bêbado que é abordado pela polícia, às três da manhã, ao qual este pergunta: aonde vai a esta hora? O bêbado responde: vou a uma palestra sobre o abuso de álcool, e seus efeitos letais sobre o organismo, o mau exemplo para os filhos, as consequências nefastas para a família, bem como o problema que causa na economia familiar, além de ser uma irresponsabilidade absoluta. O polícia surpreso questiona: sério? E quem vai dar esta palestra a esta hora da madrugada? A minha mulher, assim que chegar a casa».

Referências:
Eleutério, C. (2018). Salvado em 19 Mai. de Fonte: Portal S. Francisco. Tema: Saúde / Stress. Website: http://www.portalsaofrancisco.com.br/saude/stress.
Martini, A. (2018). Salvado em 30 Jun. de Fonte: blogAuriMartini. Tema: Variedades. Website: http://wwwblogtche-auri.blogspot.com/2016/01/50-piadas-para-postar-noface %20face%20 book%20html?m=1.

NE: Texto originalmente publicado na edição impressa n.º 537, de 25 de janeiro de 2019.