Jornal da Praia

PUB

PSD/TERCEIRA PREOCUPADO COM ÍNDICE DE ENVELHICIMENTO DA POPULAÇÃO

Terça, 05 de Fevereiro de 2019 em Atualidade 160 visualizações Partilhar

PSD/TERCEIRA PREOCUPADO COM ÍNDICE DE ENVELHICIMENTO DA POPULAÇÃO

O PSD/Terceira alertou para os indicadores demográficos da ilha, sublinhando que “há cerca de dez anos que a nossa ilha apresenta o maior saldo natural negativo populacional do arquipélago, ou seja, ocorrem anualmente na Terceira muitos mais óbitos do que nascimentos”, refere o vice-presidente da estrutura, Rui Espínola.

“São dados do Serviço Regional de Estatística, e revelam uma situação que tem vindo a acentuar-se, e que contribui decisivamente para o envelhecimento da população e para o não rejuvenescimento geracional”, explica o dirigente.

Rui Espínola avança, a título de exemplo, que “entre 2016 e 2017 houve menos 11% de nascimentos, e a tendência é efetivamente verificada na última década”.

Também o índice de envelhecimento da população é bastante acentuado na Terceira, “numa média de 4 a 5 pontos percentuais anuais, cifrando-se em 2017 nos 90,1% para os homens e 126,8% para as mulheres. Um aumento de cerca de 30% desde 2009”, adianta o social-democrata.

“A população da nossa ilha está cada vez mais envelhecida. E aquilo que era um problema tendencial das ilhas mais pequenas também está a atingir de forma intensiva a Terceira, exigindo uma intervenção dos responsáveis governamentais”, defende.

O índice de dependência demográfica cifra-se nos 43%, com uma taxa de fecundidade de 35,9%, – isto, dados de 2016 -: “Ou seja, cada vez mais os casais têm menos filhos, e na ilha Terceira isso está a acontecer de forma muito objetiva e acentuada”, diz Rui Espínola.

O vice-presidente do PSD local afirma que “este é também o resultado de políticas económicas falhadas, e que colocam a ilha Terceira e os Açores nos piores rankings dos indicadores sociais”.

“Temos 11,6 % de pessoas a usufruir do RSI, quando a média nacional é de 3,2%, e a nossa taxa de desemprego está nos 8,7%. Essa instabilidade e essa precariedade é sentida pelos nossos jovens no mercado de trabalho, por via dos estágios e dos programas ocupacionais”, acrescenta.

Rui Espínola reforça que “essas dificuldades levam a que os nossos jovens que vão estudar para o exterior, não regressem por falta de oportunidades, numa marca socialista na Terceira que afeta negativamente o nosso futuro geracional”, lamenta.

Assim, entende o PSD/Terceira que o Governo Regional “tem de dar respostas efetivas a estes problemas, por via da criação de condições que permitam uma melhoria da atividade económica e maior investimento privado”.

“É urgente um aumento do emprego e da melhoria das condições de vida dos terceirenses”, assim como são necessárias a implementação “de medidas de apoio à natalidade, que incentivem o seu aumento uma inversão da taxa de crescimento natural negativa da última década”, conclui Rui Espínola.

GC-PSD/JP