Jornal da Praia

PUB

PRESIDÊNCIA ABERTA ÀS FREGUESIAS DO CONCELHO DA PRAIA DA VITÓRIA “TEM SERVIDO DE POUCO”, ACUSAM OS VEREADORES DO PSD

Sábado, 02 de Fevereiro de 2019 em No Concelho 58 visualizações Partilhar

PRESIDÊNCIA ABERTA ÀS FREGUESIAS DO CONCELHO DA PRAIA DA VITÓRIA “TEM SERVIDO DE POUCO”, ACUSAM OS VEREADORES DO PSD

A Câmara Municipal da Praia da Vitória (CMPV), iniciou na passada segunda-feira, 28 de janeiro, a iniciativa 2019 da “Presidência Aberta” nas freguesias, rumando até à Agualva, onde reuniu o executivo camarário e recebeu diversos munícipes e instituições da localidade, na esteira do périplo realizado no ano passado e que percorreu as 10 freguesias e vila do concelho.

Para Cláudia Martins e Rui Espínola, vereadores do Partido Social Democrata na CMPV, estas presidências abertas “tem apresentado resultados muito parcos, face ao que seria expetável”, já que e, sustentam, passado um ano, o executivo “continua a ser confrontado com os mesmos problemas, pois foi incapaz de os resolver nesse espaço de tempo”.

Segundo explica Rui Espínola em declarações aos jornalistas, as referidas visitas “têm gorado as expetativas”, com o nível de participação e de envolvência das pessoas e instituições de cada freguesia a ser “extremamente baixo”, e adianta, “Um ano depois, os problemas apresentados são os mesmos e as juntas de freguesia não vêm alcançadas as suas pretensões”. explica. “São apenas apresentadas respostas vãs, sem compromissos, e sem a assunção da sua resolução num prazo minimamente aceitável”, acusa o vereador do PSD.

Referindo-se à reunião pública camarária que ocorre pela ocasião, Rui Espínola afirma, “a assistência resume-se ao gabinete da presidência e respetiva assessoria, não havendo qualquer envolvência e participação por parte da população. Ou seja, apenas muda o local da reunião dos Paços do Concelho para uma Casa do Povo”.

Para Rui Espínola, está-se perante “o falhanço absoluto deste modelo”, mesmo considerando que a presença do executivo municipal nas freguesias “é extremamente importante”, mas só se houver “uma resolução efetiva dos problemas, anseios e dificuldades das pessoas e instituições”.

Os sociais-democratas avançam que é necessário dotar a iniciativa de maior dinamismo, como “a inclusão de visitas aos locais, permitindo um maior conhecimento da realidade e das problemáticas, bem como uma maior divulgação junto da comunidade”, rematam.

JP