Jornal da Praia

PUB

INVERTER O DECLÍNIO DA ILHA TERCEIRA

Sexta, 01 de Fevereiro de 2019 em Opinião 170 visualizações Partilhar

INVERTER O DECLÍNIO DA ILHA TERCEIRA

Com votos de bom ano para todos os leitores, começo por desejar que todos, ou pelo menos, a grande maioria dos açorianos das nove ilhas sejam contemplados com a justiça dos benefícios e na obtenção do que foi aprovado no orçamento regional. Oxalá, as verbas aprovadas sejam distribuídas, com equidade e elevada percentagem na execução dos investimentos, e não como tem acontecido, bastas vezes, em anos anteriores.

Tratando-se de ano eleitoral, a sociedade civil deve estar atenta para não ser ludibriada e sujeita a manigâncias, querelas, nem acatar ataques pessoais, ou manobras de caciques locais sem pejo. Tudo isto é intolerável e contrário à democracia. No caso da Terceira, a segunda ilha mais populosa, os investimentos têm sido inadequados às necessidades do seu povo. Há, muitas vezes, práticas eivadas de ressabiado bairrismo. É preciso estarmos vigilantes e dizermos abertamente o que queremos e como somos.

Não é novidade para ninguém que a nossa ilha, desde há vários anos vem trilhando um rumo muito preocupante e perigoso. E isso não é só por causa da redução da presença militar norte-americana nas Lajes da Terceira, mas antes pela forma discricionária como ela tem sido tratada em sucessivos orçamentos e por desinteresse de muitos terceirenses.

Se analisarmos os doze maiores investimentos para a Terceira, nos quarenta e dois anos de autonomia, vemos que os prazos de execução rondam, em média, quase 10 (dez) anos para cada um deles. Noutros casos, nem foram executadas as obras, para as quais havia verbas inscritas, durante anos, mas sem nada se fazer.

Os grandes projectos, aprovados para a ilha, perdem-se nos corredores tortuosos da burocracia e nos atrasos sistemáticos da sua concretização e entrega ao dono da obra. Neste caso, o dono da obra é o dito Governo Regional, implicando tais procedimentos pagamentos de sobrecustos consideráveis para o erário público, isto é, para todos os contribuintes. Isto tem sido bem evidente, neste capítulo dos empreendimentos fundamentais para o progresso da Terceira. A lista é longa, e seria fastidioso enumerar aqui e agora. O que se pretende é preparar o futuro e inverter o declínio da Terceira.

Isto devia preocupar o Conselho de Ilha que se reúne raramente e, pelos vistos, tudo decorre às-mil-maravilhas, ou então, os seus membros vivem em ilhas virtuais, distraídos dos problemas das suas populações. Um caso paradigmático é a tão falada rampa ro-ro para o Porto das Pipas. Mas o mais insólito é a aprovação de uma proposta socialista pela Assembleia Municipal de Angra em 1987, e cito, «que a Câmara diligencie junto das entidades competentes, a construção de um terminal-abrigo para passageiros no Porto de Pipas» (Boletim Municipal, nº 24, Comunicado, pág.7). Note-se que isto foi há 31 anos. A um ritmo semelhante a este, como se poderá prever e falar em progressos da Terceira!

E já agora, veja-se também como se processam, actualmente, os movimentos de passageiros, durante o Verão, no Porto da Praia da Vitória, pomposamente designado de “Porto Oceânico”. São centenas e centenas de pessoas amontoadas num espaço acanhado. As demoras dos navios e o peso dos sacos e das mochilas, fazem sufocar os passageiros, e se chover é o caos. Há apenas umas escassas cadeiras para tanta gente se sentar, dando-se assim uma imagem de subdesenvolvimento terceiro-mundista. Será desta forma que se vai aumentar o turismo e deixar um postal agradável aos que nos visitam?

Nós sabemos que a dança do cais de cruzeiros para a Terceira já leva 10 (dez) anos de espera da sociedade civil. Por fim, o Sr. Carlos César, convicto, decidiu que ele ficaria em Angra, ponto final. O seu partido ia ganhar mais votos na ilha. Na altura, alguns alertaram para essa decisão, que era uma manobra de diversão para distrair os terceirenses. Tudo isso resultou em mero “velório” e nada se construiu para o progresso da ilha. E a dança continua…, agora vai ser na Praia, à boleia do antigo porto americano desactivado.

Recorde-se que o fungagá bairrista, sob a batuta do P.S., está a recordar e a despertar velhos divisionismos entre ilhas e entre concelhos da mesma ilha, ao serviço de um feroz e insaciável centralismo ilhéu como nunca se viu, até hoje, no nosso regime democrático.

Mas o maior embuste foi, sem dúvida nenhuma, o Porto da Praia. Tanto que se prometeu e veja-se a imagem actual, decepcionante, daquela infraestrutura. Era para ter tido tantos empreendimentos, como estaleiros para reparação e construção naval, entrepostos de combustíveis, e para distribuição de cargas, um hub (a última moda), esperando-se que a montanha possa parir alguma coisa, mas não um rato. Apenas se concretizou o Porto de Pescas, arrancado a ferros, salvando-se “in extremis” a honra do convento.

Até equipamentos imprescindíveis, num qualquer porto, foram também tirados a ferros. Quem não se lembra do triste episódio do rebocador e mais perto de nós, da grua (guindaste) para as operações de carga e descarga dos navios, inúmeras vezes avariada, prejudicando fortemente a estiva e a economia da ilha, com os atrasos daí decorrentes.

Recorde-se que a construção de um porto artificial na Terceira, a única ilha capital de distrito que não o tinha, devia ter sido uma prioridade para o intercâmbio e o desenvolvimento das ilhas centrais do arquipélago. Tal não foi considerado, sendo antes um mero pretexto, ou melhor, um estratagema para viabilizar o prolongamento e alargamento da pista micaelense, e outras infraestruturas posteriores.

Essa realização já fora reivindicada e tida como prioritária, no tempo de Salazar, antes de 1949, como se pode ler na conclusão da informação do Ministério da Marinha de 25 de Fevereiro. Após enunciar as condições naturais da baía da Praia da Vitória, a informação do Ministério da Marinha de 25 de Fevereiro conclui:

«Cremos que se faria um porto à altura da importância estratégica da ilha e de todo o arquipélago na baía da Praia da Vitória e talvez sobrasse algum dinheiro para reforçar verbas previstas para as obras a realizar nos outros portos». (citada por Cândido Pamplona Forjaz, in Memórias, 1984, pág.185).

António Neves Leal

NE: Texto originalmente publicado na edição impressa n.º 536 de 11 de janeiro de 2019.