Jornal da Praia

PUB

NATAL / NATAIS

Quinta, 31 de Janeiro de 2019 em Opinião 92 visualizações Partilhar

NATAL / NATAIS

Estamos no mês do Natal. O primeiro Domingo do Advento, data em que os cristãos começam a preparação para a vinda do Menino, foi no dia 2 de Dezembro. Quando eu vivia na Praia da Vitória, este era o primeiro sinal de que havia que pensar no presépio. Naquele tempo, era frequente ver-se junto às janelas, ao Sol, pires com trigo a germinar em água, “As searas dos Menino”, como lhe chamam no Algarve. Nos escuteiros começava a montagem de um grande presépio que ocupava todo o palco da sede, tarefa de que se encarregava o senhor Manuel Amaro. Do ponto de vista religioso, a grande preparação tinha o seu auge na novena do Natal que, como o nome indica, tinha lugar nas últimas nove noites que antecediam o 25 de Dezembro, em que, como acontecia, suponho, em inúmeras paróquias açorianas, os fieis se juntavam na Igreja para rezar o terço, receber a bênção do Santíssimo e cantar os típicos cânticos da quadra.

Desse tempo tenho uma recordação inesquecível. Em 1954, D. Guilherme Augusto Inácio da Cunha Guimarães, bispo de Angra, colocou na Praia o Padre Edmundo Machado Oliveira, cumprindo, assim, uma promessa, feita há bastante tempo, de nomear para a paróquia um sacerdote músico.  Os praienses, mais ou menos chegados à igreja, apreciaram imenso o novo pároco e foram-se aproximando dos actos de culto, o que logo se notou na preparação do Natal desse ano. Nas novenas, terminada a devoção, o Padre Edmundo aproveitava para ensaiar os cânticos e, curiosamente, ficava toda a gente na Igreja, ninguém arredava pé. Ele começou por ensaiar todo o povo presente, embora se percebesse que os homens ficavam mais para ouvir do que para cantar. Até que um dia, terminadas as orações, o Padre Edmundo disse que as senhoras podiam ir-se embora, porque o ensaio daquela noite era só para os homens. O curioso foi que as senhoras foram saindo, mas os homens ficaram e dali a pouco todos cantavam entusiasmadíssimos, como seria de esperar dos praienses, sempre apreciadores de música. Até que o Padre Edmundo foi enviado para Roma, por Dom Manuel Afonso de Carvalho, para completar a sua formação musical e regressar ao Seminário de Angra para criar um coro de enorme qualidade que, com a colaboração da Orquestra Filarmónica de Angra, deu concertos de altíssimo nível. Em termos musicais, a Praia da Vitória esmoreceu com a saída do padre músico.

Nem só os escuteiros tinham um presépio; em cada casa havia um, mais simples ou mais grandiosos, mas todos centrados na gruta com as imagens tradicionais: o Menino na manjedoura, ladeado por Nossa Senhora e São José; mais atrás, a vaquinha e o burrinho. Mas o típico presépio dos praienses dos inícios dos anos 50 do século passado tinha uma novidade, trazida pelos americanos, a árvore do Natal, normalmente uma criptoméria, com a sua forma conífera, enfeitada, entre outras coisas, com tangerinas.

Hoje, tanto no país como por todo o mundo, há este Natal cristão, mas também outros natais, geralmente todos eles marcados por um consumismo tão desenfreado que, muitas vezes, leva ao esquecimento de tudo o resto. A pressão para comprar é avassaladora e começa cada vez mais cedo. Há não muitos anos as referências ao Natal feitas na publicidade limitavam-se ao mês de Dezembro. Foram, depois, aparecendo cada vez mais cedo e hoje em dia, depois da importação do Halloween americano celebrado a 31 de Outubro, logo no início de Novembro começam a aparecer decorações alusivas à quadra natalícia e publicidade convidando à compra das prendas. Quem tiver perto de casa ou frequentar lojas de comerciantes chineses, apercebe-se de imediato disso: nas semanas que antecedem o Halloween há escaparates com artigos alusivos à festa de origem americana; poucos dias depois, o espaço começa a ser invadido com artigos próprios do Natal

Com a secularização e o abandono, por parte de muitos, da prática religiosa, a quadra natalícia, embora culturalmente marcada pelo cristianismo, passou a centrar-se para muitas pessoas noutros motivos que não o Nascimento do Menino Deus. Assim, para muitos, o Natal é a festa das crianças, da família, da paz, da solidariedade… elementos que também o cristianismo associa ao Natal, mas abandonam e mesmo esquecem a marca cristã da festa, o que é absolutamente compreensível numa sociedade secular e pluralista, cujas manifestações, nas suas diferenças, merecem, contudo, ser tidas em conta e respeitadas nas suas vivências e propostas.

Braga, Dezembro de 2018

José Henrique Silveira de Brito

NE: Texto publicado originalmente na edição impressa n.º 536 de 11 de janeiro de 2019