Jornal da Praia

PUB

CASELOS NO AR

Terça, 29 de Janeiro de 2019 em Opinião 125 visualizações Partilhar

CASELOS NO AR

É fácil concluir que a construção de um castelo como o que se vê na fotografia é uma tarefa ardilosa e a necessitar a boa vontade e colaboração de um conjunto elevado de pessoas. No entanto não é preciso ir até à França para apresentarmos um exemplo de cidadela que encha os olhos, visto que também temos entre nós, nomeadamente nesta Ilha de Jesus Cristo. Precisamente devido às dificuldades referidas muitos optam por, em vez de se esforçarem por tudo aquilo que são capazes de construir em proveito das suas vidas, se dedicarem a fazer castelos no ar, a se empenharem em projectos utópicos e irrealizáveis, sem consideração por si ou mesmo pelos outros.

Em vez destas fantasias e desvios, recomenda-se que se tome ao longo da vida medidas para termos os pés assentes no chão, ou seja, na nossa realidade, naquilo que construímos em cada momento que passa, e naquilo que possuímos, a começar pelo corpo. Ou seja, existem também frequentemente sinais de stress no nosso corpo que necessitamos de controlar como: (1) irritação ou agressão consigo próprio, ou com os outros; (2) ansiedade ou medo, mesmo que não haja ameaça específica ou imediata; (3) apatia, ao ponto de não se importar com nada, nem mesmo de proteger-se do perigo; (4) depressão, tristeza, desesperança e desvalorização, em relação ao presente e ao futuro; (5) descontrolos gastrointestinais frequentes; (6) boca seca, como se estivesse cheia de algodão, e dificuldade em engolir; (7) sensações de fadiga e de aborrecimentos injustificados; (8) esquecimentos de ordens e de procedimentos de rotina; (9) tensão ou congelamentos musculares, impeditivos do movimento das pernas, mãos e braços; (10) frustração, quando ocorre a negação de qualquer coisa desejada ou necessária (11) culpa, mesmo por coisas que não da sua responsabilidade.

E ainda: (12) dores de cabeça; (13) sensações alternadas de calor e frio, independentes da temperatura do ar; (14) incapacidade de concentração; (15) sensação de isolamento, em relação à família, e aos companheiros e amigos; (16) baixa auto-estima, e falta de confiança no que ser faz; (17) mau humor, e desejo de não falar, ou de tomar parte em actividades de grupo; (18) sensações de náuseas; (19) nervosismo; (20) maus sonhos nocturnos; (21) entorpecimentos, tremores de partes do corpo, abitualmente das mãos, dedos e pés; (22) deficiências de respiração e batimentos do coração, mesmo sem ameaças de perigo; (23) racionalizações e atribuição responsabilidades, por não se atingir os objectivos desejados; (24) suores injustificados, que começam nas palmas da mão e atingem a face ou o corpo; (25) sensações de tensão, antes da partida para a acção ou para o esforço; e (26) enurese ou urinação frequente.

Esclareça-se que frequentemente existem dúvidas entre as similitudes e diferenças do que se entende pelos termos stress e ansiedade, mas isto é inteligível, visto que se trata de dois aspectos da mesma realidade. Se por um lado através do stress é possível perder o controlo de uma situação, e a pessoa se sentir frustrada, medrosa, zangada ou nervosa, por outro, o stress pode acabar espontaneamente, ou até levar a pessoa em empenhar-se a dar a volta por cima das dificuldades que a atormentam.

Se não soubermos lidar com as sensações que nos invadem, se não formos capazes de as ultrapassar, o resultado fará aumentar o nível de ansiedade, com consequências que podem atingir um nível de gravidade e de dificuldade extrema, ou até de impossibilidade de conseguir o seu domínio. Daqui a importância de se reduzir a nossa excitação fisiológica, e de aumentar a focalização, o centro da atenção e actividade nos nossos pensamentos e comportamentos, tornando-nos mais criativos, inclusivos, flexíveis e integrativos, no fundo mais resilientes.

Isto é possível, se enfrentarmos as dificuldades com optimismo através da (Southwick, & Charney, 2012): (a) ampliação da nossa atenção, (b) aumento da capacidade positiva de reavaliar as situações que inicialmente apareceram como negativas; (c) tendência a lidar com o stress com emprego activo de estratégias de resolução dos problemas; e (d) valorização da vida como algo altamente significativa.

Referências:
Southwick, S. M. & Charney, D. S. (2012).
Resilience: The science of mastering life´s greatest challenges. New York: Cambridge University Press.

Aurélio Pamplona

NE: Texto originalmente publicado na edição impressa n.º 536 de 11 de janeiro de 2019.