Jornal da Praia

PUB

FREI JOSÉ POLICARPO DE SANTA GERTRUDES – O EDUCADOR

Sábado, 26 de Janeiro de 2019 em Opinião 1418 visualizações Partilhar

FREI JOSÉ POLICARPO DE SANTA GERTRUDES – O EDUCADOR

Há exatos 239 anos, a 26 de janeiro de 1780, nascia o terceirense Frei José Policarpo de Santa Gertrudes. Monge beneditino, Frei de Santa Gertrudes foi também um homem da cultura. Foram os seus ensinamentos de Filosofia e a sua preocupação com a Educação, que marcariam a geração de Brasileiros surgidos após o nascimento do novo país, o Império do Brasil.

Frei José Policarpo nasceu na Ilha Terceira. Desde pequeno mostrou a vocação para a vida religiosa. Acabou por ir para o Brasil. A 21 de outubro de 1800, com 20 anos, ingressou no claustro do mosteiro de São Bento, no Rio de Janeiro. Provavelmente aí acrescentou ao seu nome o de Santa Gertrudes, também ele beneditina como ele. Surgia assim o Frei José Policarpo de Santa Gertrudes, o nome pelo qual iria entrar para a História.

No Mosteiro de São Bento, Frei José Policarpo de Santa Gertrudes vai aprimorar a sua educação e mostrar que era um homem de ajuda ao próximo. Além disso, começou a exercer a cadeira de Filosofia nos seminário de São José, o primeiro do Brasil, construído no sopé do Morro do Castelo, o de São Joaquim e no seu próprio mosteiro. A sua preocupação com a Educação dos que o rodeavam era forte. Frei José de Santa Gertrudes chegou ao Brasil antes da convulsão que levará a família real portuguesa a transferir-se para o Brasil.

A 29 de novembro de 1807, com Junot, a mando de Napoleão, às portas de Lisboa, a frota da corte portuguesa partia de Belém para o Brasil, escoltada por navios ingleses e, no dia seguinte, os franceses chegavam à capital. Junot e as suas tropas dirigiram-se ainda ao Forte de S. Julião da Barra e dispararam sobre a frota, mas sem sucesso, por isso, ficariam a “ver navios”, expressão que ainda hoje se utiliza. A frota portuguesa era comandada por Manuel da Cunha Sotto-Maior e compunha-se de 8 naus, 3 brigues, 1 escuna e 1 charrua, com cerca de 15 000 pessoas. Para salvaguarda da integridade da família real e da linhagem, em caso de ataque, os seus membros foram embarcados em diferentes naus. A população portuguesa só teve conhecimento da saída da família real através de um documento do príncipe Regente D. João (futuro D. João VI), no qual, decretara que na ausência do monarca, o país seria governado por um Conselho de Regência, presidido por D. Pedro de Lancastre da Silveira Castelo Branco Sá e Meneses, Marquês de Abrantes.

A família real levou consigo um espólio de riquezas incalculável, entre elas, uma pepita de ouro, que as tropas francesas tinham ordens para saquear, mas que, felizmente, estava protegida, no camarote de D. João. Apesar disso, muitos bens, ficaram no cais de Belém, sendo roubados, mas os cerca de 60 000 volumes, encaixotados, da Biblioteca Real da Ajuda, que ficaram em terra, seriam posteriormente enviados para o Brasil. Após o reconhecimento da Independência do Brasil, em 1825, a Biblioteca passou a fazer parte da Biblioteca do Império brasileiro, reconhecida pela Convenção Adicional ao Tratado de Amizade e Aliança firmado entre os dois países. Portugal, por esta perda, foi indemnizado em oitocentos contos de réis, mas a enorme riqueza cultural portuguesa ficou para sempre no Brasil.

A corte portuguesa viajou por cerca de 2 meses, enfrentando as refeições racionadas, as condições sanitárias precárias e o calor que se fazia na zona dos trópicos. O escorbuto (falta de vitamina C) e outras doenças típicas das viagens longas de mar ceifaram a vida de muitas pessoas. A frota chegou à Baía a 22 de janeiro de 1808 e, no dia seguinte, desembarcaram em terras brasileiras. No final da viagem, uma enorme infestação de piolhos obrigou a todos a raspar a cabeça, por isso, aquando do desembarque, Carlota Joaquina, esposa de D. João, e suas filhas tinham turbantes rústicos enrolados na cabeça para disfarçar. As damas da sociedade baiana pensaram ser uma moda europeia e aderiram com tal entusiasmo, que até hoje as baianas usam o turbante no seu figurino.

Com a família real já no Rio de Janeiro, a Academia Real das Guardas-Marinhas inauguraria, no Brasil, os estudos superiores. No seu 1º ano letivo, em 1808, o próprio Frei de Santa Gertrudes vai matricular-se, procurando saber mais. O querer ensinar não o ofuscava da crescente necessidade de saber mais, que cada tutor devia ter sempre em mente. Nestes anos, vai conseguir o reconhecimento da Coroa e das pessoas perante o seu trabalho educativo e de caridade. O Frei sustentava muitas famílias com aquilo que conseguia arranjar. Além disso, Frei José Policarpo de Santa Gertrudes acabou nomeado pelo Rei D. João VI como pregador régio. Mesmo com o regresso do Rei a Portugal, vai continuar no Brasil e tornar-se-á o pregador imperial do filho de D. João VI, o Imperador D. Pedro I do Brasil, depois D, Pedro IV de Portugal. O reconhecimento e a capacidade oratória de Frei José de Santa Gertrudes eram cada vez mais elogiadas.

A 3 de fevereiro de 1825, Frei José de Santa Gertrudes proferiu o “Discurso pronunciado em presença de Suas Majestades Imperais” (perante D. Pedro e D, Leopoldina) por ocasião da abertura da aula de filosofia no Imperial Colégio de São Joaquim. O discurso foi depois mandado publicar pelo próprio Imperador que apreciou o trabalho e as suas palavras. Com o apoio do Delegado Apostólico Fabbrini, em 1832, falou da necessidade de obras na Congregação que liderava, não se calando com os assuntos que o preocupavam.

O Presidente da Província do Rio de Janeiro vai encarregar Frei José Policarpo de Santa Gertrudes para dirigir a instrução primária da recém-criada escola do Brasil, tornando-se o Diretor das escolas primárias da Província do Rio de Janeiro. Contudo, o que o fascinava não eram estes cargos de liderança, mas o ensinar, o estar perto do outro e transmitir conhecimentos. De entre os muitos alunos que vai ter ao longo dos anos, ajudando a criar as novas gerações de brasileiros “independentes”, um nome ressalta-nos do papel, o do pintor, caricaturista, arquiteto, professor, escritor do romantismo e patrono das artes, Manuel de Araújo Porto-alegre, o primeiro e único barão de Santo Ângelo.

Membro da Academia das Ciências de Lisboa, Frei José de Santa Gertrudes tornou-se Abade do mosteiro onde viveu grande parte da sua vida. Os livros “Elementos de geographia para uso das escolas da instrução primária da província do Rio de Janeiro” (1840) e o “Relatório do Diretor das aulas da instrução primária da província do Rio de Janeiro em 1840” são de sua autoria, mostrando a sua preocupação em ter materiais para poder ensinar as gerações mais jovens. Frei José Policarpo de Santa Gertrudes pregou nas exéquias do Imperador D. Pedro I do Brasil, D. Pedro IV de Portugal.

Nas palavras de Gervásio Lima, Frei de Santa Gertrudes foi um sacerdote “virtuoso e sábio que encheu de glória o nome açoriano e contribuiu grandemente para a educação da mocidade brasileira”. Morreu no Rio de Janeiro a 12 de janeiro de 1841.

A preocupação de Frei José Policarpo de Santa Gertrudes com a educação, é uma evidência da necessidade dos nossos governantes olharem para os mais novos e procurarem dar ferramentas às escolas e aos professores para o ensino ser criativo, fazendo o aluno investigar e pesquisar, ter mais capacidades de estudo, apostando-se em visitas de estudo e em aproximar o nacional do local. Os mais novos necessitam de ter uma noção de pertença e essa é dada quando se consegue explicar o papel do local onde estão inseridos para o desenrolar da História e da Cultura do todo, que é Portugal.

Francisco Miguel Nogueira

NE: Texto originalmente publicado na edição impressa n.º 537, de 25 de janeiro de 2019