Jornal da Praia

PUB

O Cantinho do Psicólogo: AMOR À VIDA

Segunda, 15 de Abril de 2013 em Opinião 1415 visualizações Partilhar

O Cantinho do Psicólogo: AMOR À VIDA

Insistimos que independentemente da forma que possa assumir, o luto é uma reacção natural, inevitável e emocional à dor, ao sofrimento e à perda, caracterizado por um vasto leque de emoções, experiências, mudanças e condições. Inicia-se com uma ou mais ausências, por faltas que se mantêm presentes, e por abandonos, como se a jangada da vida partisse, e a gente ficasse em terra. No entanto como afirmou um autor famoso, Huxley (2010), no luto, na despedida, no sentido do pecado, e no medo da morte de que os poetas têm falado, há agonias confessáveis, há sofrimentos de que nos podemos positivamente orgulhar, porque comandam a simpatia do mundo.

O luto é agravado frequentemente porque as pessoas subestimam a extensão em que são vulneráveis às tragédias como os acidentes e doenças, e paralelamente sobrestimam a probabilidade da ocorrência de acontecimentos positivos. Investigadores concluíram que frequentemente agimos com uma ilusão de invulnerabilidade, como se as coisas más só atingissem os outros, e não também a nós. A ilusão de invulnerabilidade dificulta o enfrentar dos problemas quando a vulnerabilidade nos bate à porta. Falta-nos um pouco do espírito estóico de antigamente, esquecendo-nos de ir «buscar a coragem ao nosso próprio desespero» (Séneca, 4 a. C. - 65)a), visto que «a vida não é feita de desistências», e «a cavalo dado não se olha os dentes».

Como afirmou um psicólogo famoso, Frankl (1967), por pior que seja o sofrimento de uma pessoa, em face do desespero, mesmo que não possa mudar uma situação que lhe é imposta pelas circunstâncias, pode entretanto mudar o seu modo de encarar essa situação, mediante o sentido da responsabilidade que deve possuir perante si mesma, perante as outras pessoas, e perante a própria vida. No dizer de Morin (1986), um sociólogo, uma das tábuas de salvação pode ser mesmo o amor, visto que através dele é possível não só suportar o destino, como amar a vida. E amar a vida, dar-lhe sentido, significa muita coisa, como aliás temos vindo a demonstrar ao longo deste Cantinho.

Wong (1998) enumerou 102 características duma vida idealmente significativa. Não sendo possível enumerá-las todas não resistimos a mencionar algumas: (1) fazer o melhor uso das oportunidades que lhe aparecem; (2) cooperar com os outros; (3) envolver-se em trabalho criativo; (4) lutar por conseguir os próprios objectivos; (5) procurar actualizar os próprios potenciais; (6) relacionar-se bem com os outros, (7) ter uma boa autodisciplina; (8) procurar os mais elevados valores que sejam susceptíveis de transcender os interesses particulares; (9) aceitar as próprias limitações; e (10) manter um sentido de humor mesmo quando as coisas não lhe correm a favor. Mais do que um fim a ser atingido a felicidade é uma consequência das nossas realizações, embora se inicie e possa ser encontrada no esforço responsável de realização pessoal, que tenha em consideração o bem da sociedade em que nos inserimos.

Ou seja, todas estas citações não são dicas para embelezar o texto, mas sim sugestões para sensibilizar para a luta, a luta por uma vida significativa, porque, se lutar por ela, vai sentir-se outro. Vá em frente, e determine em que é que aposta para tornar essa vida significativa. Para lá chegar há passos a dar, como seja, estabelecer novos objectivos quando os antigos foram alcançados, e ligar os acontecimentos negativos aos estados de realização positivos futuros.110 Note que estes alvos, como bem afirmaram Sommer e Baumeister (1998) podem ser tanto objectivos, de que é exemplo as metas que se deseja atingir, como subjectivos, a maior apreciação pelo esforço que faz da sua vida, ou a reflexão das próprias realizações do passado110. Mais, ao ver um resultado negativo como precursor de algo positivo, podemos melhor lutar com a tragédia, e manter a racionalidade e objectividade.

Referências: Frankl, V. F. (1967). Psychotherapy and existentialism. Lazarus, R. S. (1991). Emotion & adaptation. Séneca, L. A. (4 A. C.-65): a), salvado de Pensador; b) Dialogues; Letters from a stoic and three dialogues. Sommer, K. l. & Baumeister, R. F. (1998). The construction of meaning from life events:Empirical studies of personal narrative. Wong, P. T. P. (1998). Em The human quest for meaning. Winerman, L. (2011), Meditation, mindfulness and other tools can help us avoid unwanted thoughts.



110 Os seres humanos são capazes de dominar as exigências e acontecimentos críticos que empestam a sua vida, e que acarretam desafios, ameaças, prejuízos, perdas, ou mesmo benefícios para a pessoa. Lazarus (1991) chamou aos mecanismos de que se pode lançar mão para este esforço de domínio, mecanismos de lidar, ou de enfrentar. Entre esses mecanismos encontram-se, de acordo com Winerman (2011), a meditação e a concentração* que ao fortalecerem o controlo mental podem ajudar as pessoas a evitar pensamentos indesejados, motores dispensáveis que podem conduzir ao desespero.

Face a essas situações de pensamentos indesejados: (1) escolha um distractor absorvente e bem visível, e concentre-se nele em vez de visar o pensamento doloroso; (2) em cada dia tente, durante cerca de meia hora, adiar o pensamento indesejado (p. ex. repetir que até à sexta-feira que vem não vai pensar nisso); (3) divida, da frente para traz, as exigências que lhe podem pôr os pensamentos indesejados, como sejam os de morte, em tarefas múltiplas para ultrapassar, e tente alcança-las progressivamente; e finalmente (4) a técnica mais dolorosa, mas que pode ser necessária, a exposição - ao permitir-se pensar de forma controlada daquilo que quer evitar, provavelmente os seus pensamentos aparecerão cada vez com menos intensidade e frequência. E pense no que as afirmações de Séneca (4 a.C.-65)b) sugerem: (a) «o maior obstáculo para viver é a esperança, que depende do dia de amanhã», pelo que não a podemos desperdiçar em cada dia que passa; (2) se agimos como «mortais em tudo o que tememos,» porque nos comportamos como «imortais em tudo o que desejamos?»; (3) «a vida é suficientemente longa, e foi-nos dada com suficiente generosidade para as mais expressivas realizações, se formos capazes de investir bem», pelo que não devemos passar o tempo com queixas e lamentações, ou a viver em pleno, uma pequena parte da sua extensão.

110 Os seres humanos são capazes de dominar as exigências e acontecimentos críticos que empestam a sua vida, e que acarretam desafios, ameaças, prejuízos, perdas, ou mesmo benefícios para a pessoa. Lazarus (1991) chamou aos mecanismos de que se pode lançar mão para este esforço de domínio, mecanismos de lidar, ou de enfrentar. Entre esses mecanismos encontram-se, de acordo com Winerman (2011), a meditação e a concentração* que ao fortalecerem o controlo mental podem ajudar as pessoas a evitar pensamentos indesejados, motores dispensáveis que podem conduzir ao desespero.

Face a essas situações de pensamentos indesejados: (1) escolha um distractor absorvente e bem visível, e concentre-se nele em vez de visar o pensamento doloroso; (2) em cada dia tente, durante cerca de meia hora, adiar o pensamento indesejado (p. ex. repetir que até à sexta-feira que vem não vai pensar nisso); (3) divida, da frente para traz, as exigências que lhe podem pôr os pensamentos indesejados, como sejam os de morte, em tarefas múltiplas para ultrapassar, e tente alcança-las progressivamente; e finalmente (4) a técnica mais dolorosa, mas que pode ser necessária, a exposição - ao permitir-se pensar de forma controlada daquilo que quer evitar, provavelmente os seus pensamentos aparecerão cada vez com menos intensidade e frequência. E pense no que as afirmações de Séneca (4 a.C.-65)b) sugerem: (a) «o maior obstáculo para viver é a esperança, que depende do dia de amanhã», pelo que não a podemos desperdiçar em cada dia que passa; (2) se agimos como «mortais em tudo o que tememos,» porque nos comportamos como «imortais em tudo o que desejamos?»; (3) «a vida é suficientemente longa, e foi-nos dada com suficiente generosidade para as mais expressivas realizações, se formos capazes de investir bem», pelo que não devemos passar o tempo com queixas e lamentações, ou a viver em pleno, uma pequena parte da sua extensão.

Texto/ A. Pamplona | a.pamplona@sapo.pt

Foto/ X. Dourado