Jornal da Praia

PUB

A MALEITA DA POLÍTICA PORTUGUESA

Sábado, 19 de Janeiro de 2019 em Opinião 145 visualizações Partilhar

A MALEITA DA POLÍTICA PORTUGUESA

Conforme temos visto e ouvido, os jovens estão fartos e fora desta política. O Povo e especialmente os mais interessados nas coisas cívicas, também estão dececionados com o sistema político, cansado e caduco, que cada vez mais faz perigar os alicerces da Democracia.

Oito em cada dez jovens com idade entre os 18 e os trinta anos, diz-se desinteressado de qualquer participação partidária. Os dois que restam, vêm das juves partidárias e, portanto, já formatados com todos os defeitos e vícios das perspetivas partidárias do “politicamente correto”.

As estratégias nebulosas, as lutas fradicidas, as brigas prostituídas na casa da Democracia, as combinações interpartidárias sobre o que deve e, sobretudo, não deve ser dito em público, os jogos do gato e do rato, as conivências legistas parlamentares, os convenientes e sucessivos atropelos à transparência democrática, as já famosas “mão na boca” para falarem entre si, as bancadas vazias nos parlamentos, enfim, toda uma interminável lista negativa de procedimentos partidistas, levam a crença pública à exaustão sobre todo o sistema de regime político em Portugal.

Os partidos políticos são fundamentais em Democracia. O problema reside na sua genuína representatividade. Tal como estão, não representam os portugueses. Listas prefabricadas pelos partidos, preenchidas apenas por estes e por quem eles escolhem, para de seguida serem apresentadas hipocritamente ao plebiscito popular, não apenas é um atentado à inteligência social, como é hoje em dia, considerado um atentado às liberdades fundamentais das sociedades. Qualquer estudioso de Ciências Políticas encontra neste método visíveis indícios de maliciosa manobra constitucional para manipulação política da Democracia.

A lei eleitoral portuguesa, há muito que deveria ter sido revista e alterada, mas isto não interessa a nenhum partido político atual. É uma lei opaca, viciada e foi feita à luva para os partidos portugueses e à revelia da opinião pública que para o caso nunca foi ouvida.

Isto põe em causa o próprio Estado de Direito e, por consequência, provoca sérias dúvidas à própria Democracia.

Trata-se de uma questão puramente política, que só pode ser tratada no Parlamento português, cujos deputados, na generalidade, evitam sequer falar.

Este absurdo mal intencionado, esta manigância pluripartidária, continua a ser a principal causa do descrédito dos portugueses sobre os políticos. E o julgamento coletivo da sociedade não deixa de ser justo, dados os abusos de toda a ordem que o povo vê passar diante dos seus olhos. A abstenção em massa será, neste caso, a única arma democrática a ser usada.

José Soares

NE: Texto originalmente publicado na edição impressa n.º 535, de 21 de dezembro de 2018