Jornal da Praia

PUB

O QUE IMPORTA É O SENTIMENTO DE PERTENÇA

Sexta, 18 de Janeiro de 2019 em Opinião 61 visualizações Partilhar

O QUE IMPORTA É O SENTIMENTO DE PERTENÇA

O futebol no campeonato regional não era aprazível à vista de ninguém, mas os 3 amigos não perdiam um jogo que fosse, pelo amor que nutriam ao Vilanovense. Aquela equipa gerava-lhes um prazer incalculável, só de verem as camisas alvinegras e os jogadores a beijar o emblema, depois de um golo. Os pais dos 3 amigos não gostavam de ir ao campo da freguesia porque detestavam futebol mal jogado e o desastre tático que as equipas patenteavam. Preferiam ficar no sofá, em casa, a assistir aos grandes jogos dos campeonatos internacionais. Os outros jovens marginalizavam os 3 amigos por estes não serem de nenhum clube grande de Portugal. Nem se preocupavam com a classificação da Primeira Liga. Na escola, enquanto os outros falavam na estrela do Benfica ou no frango do guarda-redes do Sporting, os 3 amigos preparavam a tarja para levar ao campo de jogos do Vilanovense no próximo domingo. Era um amor, que aos olhos do mundo globalizado, parecia estúpido e tonto. Para quê gostar de meia dúzia de jogadores, que bebem cerveja antes dos jogos e se embebedam ainda mais depois? Para quê gostar de uma equipa sem grandes ambições, para além da disputa do campeonato regional? Os 3 amigos costumavam dizer que o Vilanovense era um clube histórico, com uma sala cheia de títulos. Tudo aquilo que era alcançável ao clube, ele já tinha ganho ou iria ganhar. Na mente dos 3 amigos, o Vilanovense era o melhor clube do mundo e não havia comentário desrespeitoso que pudesse inverter esse pensamento. Uma equipa de freguesia, sem grandes apoios financeiros, com o campo muitas vezes despido de adeptos, mas sempre com os 3 amigos a apoiar do primeiro ao último minuto. Tinha sido uma verdadeira união sem paralelo, aquela que os jovens tinham estabelecido, para demonstrar face ao todo que se prostituía perante os grandes nacionais. Para eles o futebol não devia ser ganhar ou ter prazer em vencer mais do que o outro, devia ser nutrir prazer pela instituição, amor à camisola e sentir-se na disposição de aprovar as maiores tristezas, sem criticar ou julgar. Não era uma questão de triunfos vazios de essência, era uma questão de pertença. De se sentirem parte de algo e não um mero número nas estatísticas dos grandes. Para os 3 amigos ser do Vilanovense era ser mais terceirense do que o normal, e por consequência, sentir os Açores nas veias como pouca gente podia sentir. Era deste modo que os amigos aceitavam ser adeptos de uma equipa fraca, mas fiéis ao seu amor e sentimento de pertença. De que valia ser de um clube nacional, se raramente estávamos lá a ver o jogo e a sentir-se parte da atmosfera? A distância a que o Continente estava da freguesia da Vila Nova permitia o esquecimento dos clubes nacionais face à existência de adeptos naquilo que consideravam ser uma região ultraperiférica. Os pais dos 3 amigos ainda tentaram convencer os filhos de que podiam ser adeptos do Vilanovense e terem um clube nacional, para que no final de Maio, pudessem comemorar nas ruas da ilha, a vitória do campeonato principal ou de uma taça. Não havia pensamento mais previsível do que este. Para os amigos isso era desvirtuar os princípios, pelos quais se tinham afeiçoado ao clube local. Era ficar dividido na escolha e não amar o suficiente um apenas, para poder sentir no íntimo uma alegria passageira de um título que não era deles. Acreditavam que o sentimento de pertença à ilha e à freguesia dependia também da equipa pelo qual torciam. Eram, segundo eles, fiéis ao lugar onde tinham nascido. No último jogo do ano, se o Vilanovense ganhasse, subiria de divisão. Um jogo absolutamente decisivo. As bancadas apresentavam uma boa moldura humana. O jogo era às 15h. Talvez fosse por isso que havia imensa gente a assistir ao jogo, visto que às 20h o Benfica entrava em campo, em busca do título nacional. O Vilanovense entrou em campo, com intuito de fazer história, mesmo que a equipa não festejasse o feito. Os 3 amigos tinham a certeza de que se a sua equipa ganhasse iriam festejar sozinhos o título. As atenções não estavam naquele jogo. Estavam sim na televisão, às 20h, para assistir ao jogo do Benfica. A equipa ganhou por 2-1, num jogo terrível. Mal jogado, com 2 expulsões e com o banco da equipa adversária a ter apenas 2 jogadores para substituir. Logo que acabou, a equipa soltou um grito digno dos campeões, mas apressaram-se para o balneário. As bancadas ficaram despidas num ápice, permanecendo apenas os 3 jovens. A taça estava no meio do relvado, à espera de quem fizesse jus à sua existência. Ouviam-se os carros dos jogadores a abandonar o campo de jogos porque já estava perto da hora do jogo do Benfica. Até os próprios jogadores tinham ignorado os seus méritos em nome da grandeza alheia, pondo de parte aquilo que devia ser um sentimento de inegável pertença a algo maior do que a própria freguesia. Podiam ter sido do tamanho da ilha, mas acabaram subjugados à imponência do país. Os 3 amigos não se deixaram chocar com aquela forma inútil de viver a vida. Sabiam que dentro de uma semana, todos os adeptos do Benfica da freguesia, mesmo que fossem campeões, deixariam de sentir o que quer que fosse, pois, toda a esfera de emoções não passava de um grito passageiro da arrogância dos vencedores face aos vencidos. Eram uma das poucas formas que tinham para, na escola, no trabalho ou nas redes sociais, evidenciar uma superioridade, que a necessidade de grandeza criava. Já os 3 amigos sabiam que não iriam perder aquela memória em vão. Todos os dias, ao acordar e ao adormecer, sentiriam no peito que aquela vitória era única. Tinham vivido aquela experiência de perto. Tinham sentido a nobreza do triunfo. Perante a necessidade das pessoas em se aproximarem ao comum e ao vulgar, os 3 amigos preferiam a diferença. Preferiam mostrá-la. Preferiam não ganhar mais nenhum título na vida, mas viviam cientes de que a vitória que tinham alcançado naquela tarde simbolizava o triunfo de algo mais do que o futebol e a disputa em campo. Simbolizava a vitória da sua zona de conforto e a vitória da ilha sobre o país. A vitória dos pequenos face aos grandes. Mesmo que o alcance fosse apenas a mente de 3 jovens, a magia já estava espalhada. Havia esperança. Havia esperança de que algum dia, os próprios ilhéus iriam amar mais as pequenas coisas da sua terra, do que aquilo que era distante e perdia brilho pela passagem do tempo. Havia esperança de que algum dia se iria aceitar e priorizar aquilo que os identificava, mesmo que isso não fosse visível aos olhos de ninguém.

Emanuel Areias

NE: Texto originalmente publicado na edição impressa n.º 535, de 21 de dezembro de 2018.