Jornal da Praia

PUB

PADRE JOAQUIM ESTEVES LOURENÇO: NO 25º ANIVERSÁRIO DA SUA MORTE

Quinta, 17 de Janeiro de 2019 em Opinião 175 visualizações Partilhar

PADRE JOAQUIM ESTEVES LOURENÇO: NO 25º ANIVERSÁRIO DA SUA MORTE

Nasceu nos Altares, Ilha Terceira, a 22 de Junho de 1908, ordenou-se presbítero, em 19 de Fevereiro de 1933, e faleceu em Tulare, Los Angeles, Califórnia, no dia 12 de Novembro de 1993, isto é, há um quarto de século precisamente.

Conheci o antigo pároco de S. Sebastião, ainda eu era criança, mas o seu dinamismo, carisma, desvelo e coragem foram facetas que fui descobrindo até à sua partida para os EUA, em 1952. Das quatro, foram o dinamismo e a coragem as que mais me marcaram. Sobretudo, a última, bem patente quando foi vítima de uma cabala que terminaria em grave e vergonhosa desfeita, com o objectivo de o desanimar e levá-lo ao abandono do seu múnus sacerdotal na histórica Vila, onde teve notável influência social, sobretudo nos anos quarenta, durante os quais se efectuaram as maiores obras no desenvolvimento da terra que ele adoptou, como sua para viver.

Lembro-me, ainda, das lamentações e comentários ouvidos em casa dos meus pais e na boca de outras pessoas da vizinhança, verberando a humilhação feita ao respeitado Padre Joaquim. Lá em casa, era grande a revolta do meu pai contra os mercenários que, a mando de cobardes invejosos e desejosos de colocarem na Vila outro padre, lhe pediram para lá deixar os foguetes para as festas de Sant’Ana, os quais, depois do “bodo de leite”, foram inesperadamente disparados sobre o pomar do Pico das Cruzes, onde o ilustre e culto sacerdote se recolhia, habitualmente, em dias de Verão, para retemperar energias na casita que lá possuía.

No começo dos anos sessenta, eram frequentes as minhas idas ao posto da baleia, onde lá trabalhava o Manuel do Pico, para dar largas à imaginação, ouvir estações de rádio e ver cachalotes, navios e aviões pelos binóculos. Para lá chegar, eu passava muito perto do pomar do Pe. Joaquim, no qual trabalhava um seu familiar, de nome Firmino, com quem me cruzava amiúde na Canada da Forca. Ele era parente do sacerdote, e seu representante, estando encarregado de vigiar a propriedade, fazer alguns trabalhos agrícolas indispensáveis, e apanhar as saborosas maçãs e os pêssegos lindos e bem cheirosos, grandes como punhos. Cestos deles foram vendidos, a muito bom preço, aos americanos da Base das Lajes.

Das nossas conversas deduzia-se que ele, como procurador do Pe. Joaquim, não estava muito contente, e falava-me, de vez em quando, na hipótese de ter de vender o pomar, porque dificilmente o seu familiar regressaria da América e vir novamente para os Açores.

Chegamos a falar em preços. Ele dizia-me que gostava que o comprador fosse uma pessoa que estimasse aquela propriedade, a menina dos olhos do padre Joaquim, e também dele. Interpelou-me, algumas vezes, para indagar se eu estaria interessado na compra. Faria um preço especial, no caso de eu estar interessado. Eu confessava-lhe que adorava ter um pomar como aquele, mas com a continuação dos estudos em Lisboa tal não seria viável. Só nos anos oitenta do século XX, eu viria a possuir um pomar, plantado por mim, e hoje a servir, ainda, do refúgio que não dispenso.

E ao evocar o pomar do Pe. Joaquim vem-me à mente as suas leituras do breviário, (obrigatórias para os padres), as obras literárias em poesia e prosa, os livros de cariz histórico e as publicações regionais (revistas como “Prelúdios” e jornais, como “A União”, onde deixou colaboração).

Nas horas de maior enlevo, do alto do Pico das Cruzes, e espraiando a vista sobre o Arrabalde da Vila, avistava a ponta das Contendas para o lado sul, e o Porto Martim para leste, depois lá puxava do caderno de apontamentos. Nele anotava assuntos diversos: as homilias, os discursos cívicos, alguns deles brilhantes, e dando também asas à inspiração poética que nele vinha despontando desde o Seminário, como se vê no poema, o “Trigo do Natal”, datado de 1930.

Foi por estes factos supra- referidos que em 1998, convidei o Pe. Júlio da Rosa para escrever o prefácio e fazer apresentação do meu primeiro livro, em Junho de 1999, por saber que ele privara algum tempo com o seu colega e amigo nos EUA. No ano 2000, aquando da trasladação dos restos mortais de Maria Vieira para a Vila, foi a vez ouvir outro colega do Pe. Joaquim Esteves, o Pe. José Carlos Simplício, que convivera largos anos com o antigo Vigário sebastianense na América. Veio proferir uma conferência integrada na sessão evocativa e homenagem ao director espiritual de Maria Vieira.

Tentei que idêntica sessão tivesse lugar, mais tarde, nos Altares, o que não foi acatado para não ferir susceptibilidades na freguesia, dado que lá tinham nascido outros padres. Com tal justificação não se falou mais do assunto, mas estranhei a desculpa. Semelhante reacção tivera, em 1994, o Pe. Rocha Melo, pela omissão do nome do Pe. Joaquim Esteves Lourenço, na lista das figuras homenageadas na supracitada freguesia. (in A União, nº 29306, pág. 4, ed. 1984).

Em 2012, ao invés, eu viria a ser convidado a fazer um trabalho sobre o Padre Joaquim Esteves Lourenço, para a comemoração dos 150 anos do Seminário Episcopal de Angra, o qual, após ter sido concluído foi remetido à comissão organizadora do livro a publicar. Tudo em conformidade com as exigências feitas, mas à última da hora e por ordem de um censor inquisitorial, chegado em foguetão à Terceira, decide-se retirar o meu trabalho, com argumentos inaceitáveis, e afirmando-me que estava combinada a sua futura publicação, na “Revista Atlântida”, com o director do Instituto Açoriano de Cultura.

Tudo isto cheirava-me a esturro e levou-me a fazer conjecturas de eventuais intrigas ou cabalas neste processo. Para tentar desmontar este imbróglio, que se vem arrastando há seis anos, em breve serão eventualmente divulgados alguns documentos, em minha posse, com vista ao esclarecimento da situação e apuramento da verdade.

António Neves Leal

NE: Texto publicado na edição impressa n.º 535, de 21 de dezembro de 2018.