Jornal da Praia

PUB

GENERAL DE DIVISÃO FRANCISCO MARIA DA CUNHA – O 104º GOVERNADOR DA ÍNDIA PORTUGUESA

Domingo, 13 de Janeiro de 2019 em Opinião 2716 visualizações Partilhar

GENERAL DE DIVISÃO FRANCISCO MARIA DA CUNHA – O 104º GOVERNADOR DA ÍNDIA PORTUGUESA

Há exatos 110 anos, a 13 de janeiro de 1909, morria o terceirense Francisco Maria da Cunha. Militar, político e governador-geral português com reconhecimento além-fronteiras, o General de Divisão Francisco Maria da Cunha foi um homem que deixou marcas em todos as funções que desempenhou, sendo um homem de ação.

Francisco Maria da Cunha nasceu a 22 de dezembro de 1832, no Castelo de São João Batista, em Angra do Heroísmo. Era filho do depois General de Brigada Francisco Jacques da Cunha e de D. Maria Cândida de França e Horta. O pai, um liberal, vindo do Algarve, encontrava-se aquartelado no Castelo de São João Batista, quando D. Pedro (D. Pedro IV de Portugal e I do Brasil), após um périplo pela Europa em busca de apoios à causa liberal, veio para a Terceira, a 3 de março de 1832, com o objetivo de preparar a ofensiva aos miguelistas. Foi pelo Nordeste que os liberais vindos da Terceira atacaram S. Miguel, dominando Ponta Delgada e, consequentemente, a Ilha. Aos poucos, todo o arquipélago foi aderindo ao Liberalismo. Foi organizado então um exército de 7 500 homens, os Bravos do Mindelo, liderados por D. Pedro, que desembarcaram no continente português e recuperaram a coroa para D. Maria II. Francisco Jacques da Cunha foi um dos Bravos do Mindelo.

Foi neste contexto de lutas liberais que o futuro General de Divisão Francisco Maria da Cunha nasceu, em plena Guerra Civil (1832/1834). Com poucos meses, voltou para o Continente. Entre 1842 e 1848, durante o reinado de D. Maria II, frequentou o Colégio Militar, em Lisboa. Aos 16 anos, assentou praça como voluntário no Exército português. Passou depois pelo curso da Escola Politécnica de Lisboa e depois pela Escola do Exército (atual Academia Militar). Entre 1863 e 1872, foi eleito deputado pelo Partido Progressista, do qual se tornou uma figura proeminente.

A 11 de outubro de 1865, Francisco Maria da Cunha no reinado de D. Luís I, perto de completar os seus 33 anos, foi promovido a Alferes, tendo então iniciado a sua carreira como Oficial de Infantaria. Como oficial do Exército nacional serviu no Ultramar, em África e no Extremo Oriente. O futuro General de Divisão foi nomeado então, em 1869, comandante do Batalhão português de Macau. Oito anos depois, em 1877, exerceu, em nome do Rei D. Luís I, o seu 1º cargo como Governador-Geral, neste caso, de Moçambique. Durante o seu governo de 3 anos (que durou até 1880), conseguiu terminar com uma rebelião na Zambézia (província situada na região centro de Moçambique). Conseguiu dominar ainda e tomar posse da Ilha de Inhaca (situada à entrada da baía de Maputo, no sul de Moçambique), sendo a sua ação militar muito elogiada pelo Governo Português e até pelo Governo britânico, começando a ser reconhecido internacionalmente. Foi sucedido por Augusto César Rodrigues Sarmento. Em 1881, provavelmente em virtude de toda a sua ação, foi eleito Par do Reino.

Entre 1888 e 1890, Francisco Maria da Cunha foi Presidente da Sociedade de Geografia de Lisboa, recebendo imensos elogios pelo seu trabalho em prol do Conhecimento, da Ciência e da Cultura. Entre 1882 e 1890 (alguns documentos apontam outras datas, entre 1883 e 1891), foi diretor do Colégio Militar, sendo substituído pelo Tenente-Coronel Emílio Henrique Xavier Nogueira. Depois da morte do rei D. Luís e a subida ao trono de seu filho D. Carlos I, Francisco Maria da Cunha foi nomeado, em 1891, pela 2ª vez, Governador-Geral, desta vez da Índia Portuguesa, sendo o 104º governante português daquele território no Índico. Exerceu o cargo durante vários meses, desempenhando sempre a sua função com louvor.

No ano de 1893, Francisco Maria da Cunha foi eleito comandante geral da Artilharia. Em 1895, a 10 de janeiro, foi promovido a General de Divisão. Entre 1895 e 1902, foi 1º Ajudante de Campo do Rei D. Carlos I, sendo também nomeado Comandante da Escola do Exército (entre 1895 e 1896). José Luciano de Castro convidou o General de Divisão Francisco Maria da Cunha para Ministro da Guerra do 48º governo da Monarquia Constitucional. Exerceu as funções entre 7 de fevereiro de 1897 e 18 de agosto de 1898. Sendo também o 1.º Secretário do Presidente do Conselho de MInistro. Entre 1898 e 1900 voltou a exercer pela 2ª vez as funções de Comandante da Escola do Exército.

Francisco Maria da Cunha foi, em 1899, nomeado Comandante do Conselho Superior de Disciplina do Exército. Neste mesmo ano voltou à Terceira, à terra que o viu nascer, para uma visita à Ilha. Uns tempos depois, nos inícios de julho de 1901, os reis D. Carlos e D. Amélia visitaram a Madeira e os Açores, numa visita envolta em pompa e circunstância. Em Angra do Heroísmo, D. Carlos relembrou que a cidade fora capital da Regência no tempo dos seus Avós, agradecendo o papel que a Ilha teve na defesa do Liberalismo e ressaltando a forma calorosa com que fora recebido. As senhoras de Angra do Heroísmo, entusiasmadas pela visita daquela que seria a última rainha de Portugal, prepararam-lhe uma surpresa, criaram uma receita nova de queijadas, as Donas Amélias, hoje uma das iguarias mais apreciadas da Ilha. Realizou-se ainda uma feira agropecuária no Paul, na Praia da Vitória, onde os Reis estiveram presentes, juntamente com 30 000 pessoas. Os Reis participaram numa tourada à corda, em São João de Deus, em Angra do Heroísmo.

Regressando a Francisco Maria da Cunha, este foi Presidente do Montepio Geral e exerceu ainda as funções de Presidente da Cruz Vermelha Portuguesa entre 1905 e 1909. Foi agraciado com o grau de comendador da Ordem da Torre e Espada e recebeu a Grã-Cruz da Ordem de Avis. Foi condecorado pelo Sultão de Zanzibar com a Ordem da Estrela Brilhante do país. Morreu a 13 de janeiro de 1909, em Lisboa. Uns meses antes, a 1 de fevereiro de 1908, o Rei D. Carlos I, de quem fora próximo, chegando até a ser seu Chefe da Casa Militar e membro do seu Conselho, e o príncipe herdeiro D. Luís Filipe foram assassinados (Regicídio) em pleno Terreiro do Paço.

A vida e ação tão abrangentes de Francisco Maria da Cunha mostra-nos a importância de lutarmos o máximo pela nossa história. A vida cheia de afazeres, de peripécias, de nomeações e feitos em áreas tão diferentes deste Grande Português são o exemplo vivo que não devemos ter medo de arriscar. Ser-se ousado e fazer-se algo que se gosta é o melhor caminho para se ser feliz. Não devemos “jogar sempre pelo seguro” porque “quem não arrisca, não petisca”, por isso, é bom sabermos o que queremos e apostarmos em fazer o nosso caminho, mesmo cheio de curvas e obstáculos, rumo à Felicidade.

Francisco Miguel Nogueira

NE: Texto originalmente publicado na edição n.º 536 de 11 de janeiro de 2019