Jornal da Praia

PUB

UMA SUGESTÃO … PORQUE NÃO?

Segunda, 07 de Janeiro de 2019 em Opinião 134 visualizações Partilhar

UMA SUGESTÃO … PORQUE NÃO?

PSPA – “Policia de Segurança Pública Açoriana” Porque não, a sua institucionalização como instituição de “gene” açórica”? Seria a solução para o fim de um serviço que dito de responsabilidade do estado português, tem sido bem como outros serviços da República, um brinquedo de “faz de conta” utilizado como engodo para o ingénuo cidadão que continua a acreditar no “Pai Natal”.

Jogos de construção “lego” que, facilmente e com imaginação fértil se constroem, mas também com a mesma facilidade se destroem. Oferta aliciadora para uma criança, como início de um entretimento que, no futuro vai pesar na carteira dos progenitores caso se torne numa colecção de construções ditas de didácticas.

Temos vindo a assistir não de agora, mas já de há muito. À “maneje” do presente envenenado e à manobra de diversão política dos DDT, (achamos piada à sigla) em relação aos serviços da República instalados por estas “bandas” as “ilhas” como gostam de nos adjectivar.

Eles são, palacetes para “mordomo-mor” imposição de tropas e afins, são promessas orçamentais anunciadas com “foguetório festivaleiro", e aplausos partidários, dos seus mais que queridos compadres e amigos. São viagens com estadia paga para justificarem na Justiça, as promessas de cadeias novas, casas de autonomia, e afins. Na Administração Interna, obras nas Esquadras existentes e, construção de outras. O reforço de efectivos humanos em déficit nos serviços de policiamento e segurança pública. No que diz respeito à referência desse ministério, o da Administração Interna, a ex-ministra Maria Constança Dias Urbano de Sousa Já por cá também andou numa romaria de promessas não cumpridas e que continuam na agenda do seu sucessor Eduardo Arménio do Nascimento Cabrita que trilha o mesmo percurso senão de maneira pior pelo menos muito parecida.

Assistimos pasmados às denúncias dos sindicatos da Polícia e já são 16, dizerem que é "uma vergonha" o que se passa na polícia. Por cá, o porta-voz de um deles também se pronúncia com diversas questões na qualidade de serviços e na solução dos mesmos, desde irregularidades na carreira, falta de efectivos e, material.

No que diz respeito a material, nomeadamente viaturas, existe um “pronto socorro” o GRA que, pelo seu Presidente, de vez em vez, faz uma entrega de uns carrinhos. Ainda agora vão mais 8 (oito) e, temos a certeza que são em chapa, movidos a combustível e com sirene activada. (nada que seja construção “lego”). No que respeita às “Esquadras” valha-lhes a disponibilidade das Câmaras Municipais com cedência de terrenos, edifícios e, ou beneficiação dos mesmos como agora recente o protocolado entre o Presidente da Câmara de Ponta Delgada e o Comandante da PSP nos Açores (desculpem a negação do Regional entre o comandante e a PSP pois, como serviço da República nada tem a ver com a Região).

Mas… a notícia corre “Devido ao número insuficiente de agentes, a PSP já suspendeu o Programa “Escola Segura” no concelho de Ponta Delgada e estará a equacionar o encerramento nocturno das esquadras da Ribeira Grande, Vila Franca do Campo, Furnas, Maia e Capelas.

Timidamente e com “paninhos de água quente” assistimos a uma intervenção da deputada na Assembleia da República, Berta Cabral que considera, “que o Orçamento do Estado (OE) para 2019 "não resolve" os problemas nos Açores, nomeadamente a nível da segurança e de efectivos policiais na ilha de São Miguel” e, a uma recomendação da Assembleia Legislativa dos Açores ao Governo da República para o reforço dos efectivos da PSP no arquipélago.

Muito pouco… muito pouco, quando estamos perante um engano constante por parte do Estado, no não cumprimento do constitucionalmente estabelecido quanto ao desempenho dos Serviços da República nos Açores.

Urge, da parte dos poderes Legislativo e Governativo dos Açores porem um cobro aos desmandos da República neste, e noutros sectores da nossa Administração. Tenham coragem e já agora ponham a “CEVERA” à luz do dia a ver…” que rato irá parir a montanha”

Por nossa parte, sugerimos que seja criada uma “ESCOLA DE POLÍCIA” nos Açores onde, a formação de mancebos naturais, poderiam trazer um “escol” de polícia conhecedora e identificada com o nosso comportamento social e cívico.

Não é difícil. Haja vontade e coragem política. Formadores temo-los (nossos) nos quadros da PSP nacional. Candidatos à carreira policial estamos certos não faltarão.

José Ventura (*)
(*) Por opção, o autor não respeita o acordo ortográfico