Jornal da Praia

PUB

SENSIBILIDADES

Sábado, 05 de Janeiro de 2019 em Opinião 77 visualizações Partilhar

SENSIBILIDADES

Com o andar do tempo a sensibilidade com que reagimos aos acontecimentos e às pessoas vai mudando sem que, muitas vezes, nos apercebamos; frequentemente só passado bastante tempo caímos na conta da mudança. É natural que isso nos aconteça e é precisamente porque a mudança é natural que pessoas e grupos procuram intervir, procurando orientá-la em determinado sentido tido por correcto ou mais consentâneo com os interesses de quem a pretende orientar. Muitas vezes só damos pelas alterações perante novos comportamentos que chocam a nossa sensibilidade. Não há muito tempo fui a um casamento em que me apercebi de mudanças que me chocaram e são a prova provada de que a sociedade portuguesa está bastante diferente.

Era um casamento católico. Cheguei com alguma antecedência, como é meu costume. Cumprimentei familiares e conhecidos e, como a hora marcada para a celebração se aproximava, entrei na igreja e procurei lugar nos bancos; sentei-me e tentei concentrar-me, mas era impossível. As pessoas conversavam com o à vontade de quem está numa esplanada a tomar um copo. Dei por mim a ouvir as conversas à minha volta; umas senhoras comentavam as bonitas toaletes das jovens e menos jovens que aguardavam o início da cerimónia; outros conversavam sobre as notícias da véspera; outros, ainda, porque não se encontravam há muito, tentavam pôr a conversa em dia.

Estávamos num templo, num lugar sagrado destinado a actos de culto, mas isso parecia não ser percetível para a grande maioria dos presentes. Dir-me-ão que hoje grande parte dos portugueses, mesmo os que se dizem católicos, não tem prática religiosa e perdeu a sensibilidade ao sagrado. Até concordo com a explicação, mas essa perda, em meu entender, não justifica o à-vontade como as pessoas se comportavam. Admito que a sensibilidade delas não lhes tenha permitido captar o sagrado do lugar, mas penso que todas elas sabiam que há espaços criados com uma dimensão especial para os crentes, isto é, espaços sagrados, que devem merecer respeito, porque esse respeito pelo lugar é o respeito pelas pessoas crentes que estavam no templo. Contrariamente ao que assisti uma vez, nenhum responsável pela igreja se atreveu a ir ao micro lembrar que estávamos num espaço consagrado à oração, pelo que pedia silêncio. Só com a entrada da noiva se fez um pouco de ordem na assembleia e a cerimónia desenrolou-se sem grandes desassossegos, a não ser no chamado “abraço da paz”.

Terminada a cerimónia, e como é hoje comum, todos se dirigiram para uma quinta, para continuar a festa. Como é habitual, o copo de água estendeu-se por largar horas: chegada dos noivos, entradas e aperitivos servidos de pé, consulta da composição das mesas e procura dos respectivos lugares, entrada solene dos noivos na sala, etc. Como é longo o tempo que costuma mediar entre os diversos pratos, as pessoas cirandavam pela sala e não só, algumas iam ao bar tomar um café ou um digestivo. Também em determinada altura resolvi levantar-me e dirigi-me à zona de bar. Estavam bastantes jovens à conversa, a fumar e a tomar alguma bebida. Reparei num primo meu que estava sentado ali perto e resolvi dirigir-me a ele. Mal dei o primeiro passo, ouvi uma jovem muito bem vestida mimoseando um dos presentes com esta invectiva no mais puro vernáculo: “oh meu filho daquela pura senhora!”, mas a direito, sem mais aquelas. Embora viva no Norte há mais de 50 anos, ainda não me habituei a esta terminologia, principalmente na boca de uma jovem ou senhora; tive a sensação que me arranhava os ouvidos. Cheguei junto do meu primo e perguntei-lhe: “ouviste?” Não tinha ouvido, porque estava distraído. Quando lhe repeti a invectiva, confessou: “eh Pá, sou nortenho, como sabes, mas este linguajar incomoda-me, nunca me habituei a ele!”; já eramos dois com a mesma sensibilidade.

Eu bem sei que muita desta linguagem não é utilizada com intenção, é um hábito inveterado. Até admito que seja por pobreza vocabular que muitos jovens e menos jovens recorrem ao palavrão; hoje lê-se pouco, os estudantes não são incentivados a enriquecer o seu discurso, e faltam-lhes instrumentos linguísticos para expressarem o que sentem. Como quer que seja, o uso deste “vernáculo” é lamentável; à-vontade e boa educação são fáceis de conjugar e nunca fizeram mal a ninguém. Uma sociedade evoluída não deve atender apenas aos trajos que veste, às viagens que faz e à tecnologia que usa, mas, também, ao discurso que utiliza e ao ambiente que com ele cria; um ambiente em que o palavrão é corrente, descai para uma boçalidade inaceitável e que devia escandalizar.

Silveira de Brito

NE: Texto publicado originalmente na edição impressa n.º 534, de 07 de dezembro.