Jornal da Praia

PUB

A MENSAGEM DE BOAS FESTAS DO PRIMEIRO-MINISTRO

Quinta, 03 de Janeiro de 2019 em Opinião 130 visualizações Partilhar

A MENSAGEM DE BOAS FESTAS DO PRIMEIRO-MINISTRO

A arte da política e o bom governo dos povos implica fazer escolhas. Quem, ao mesmo tempo, diz querer tudo e o seu contrário, pode enganar todos por algum tempo, ou enganar alguns por todo o tempo, mas não pode enganar todos durante todo o tempo.

Vem isto a propósito da melada mensagem de Natal do primeiro-ministro em que tudo e o seu contrário é apresentado com o sereno sorriso de quem sabe que é Natal e ninguém leva a mal. Na essência, a mensagem é uma vénia vergonhosa aos ditames financeiros de Berlim e de Bruxelas e uma garantia dada além-fronteiras e à direita portuguesa de que o humilde bom aluno, prestativo e solícito, continuará a manter o país amarrado ao garrote da finança internacional, enquanto o povo divaga no meio do colapso dos serviços públicos. São as verdadeiras opções que se tomam! É que prometer “continuar a investir na qualidade dos serviços públicos, no Serviço Nacional de Saúde e nos Transportes” é acenar com uma cruel miragem, porque na verdade a opção tomada é a de cativar verbas inscritas nos orçamentos, assistindo o primeiro-ministro com serenidade ao colapso dos serviços públicos de saúde, cada vez mais limitados em meios, recursos e instalações.

António Costa faz, afinal, um hábil discurso da desejada esperança, em que o seu compromisso com a verdade se esgota na obsessão pelo deficit, na ortodoxia das contas públicas e no controle da dívida. O resto - os amanhãs, as bondades suspiradas, as promessas, as aspirações que tanto adoçam a sua mensagem de Natal -  está dependente do modelo governativo que o PS defende: a ditadura financeira de Bruxelas, que esmifra o país e asfixia a esperança.

Numa coisa o primeiro-ministro foi muito claro: foi uma mensagem destinada a sossegar a direita. Basta recordar que o objetivo de Costa e Centeno passava por continuar a aplicar, no essencial, o programa executado com alegria por Passos Coelho na legislatura anterior.  Muitos dos ganhos que o primeiro-ministro, orgulhosamente apontou na sua mensagem, e muitas das proezas de que se gabou, impuseram-se pelo empenho, ousadia e inconformismo da esquerda, e pela ação do BE em particular, que, como já se disse, fez o que pôde com a força que o povo lhe deu.

Alexandra Manes
Coordenadora do BE/Terceira