Jornal da Praia

PUB

VICISSITUDES

Quinta, 03 de Janeiro de 2019 em Opinião 111 visualizações Partilhar

VICISSITUDES

Basta olhar para a fotografia tirada numa zona de Itália para se compreender que, se nada for feito acontecerão derrocadas, nomeadamente devido a tempestades, chuvas ventos, acções do ambiente que poderão ocorrer quando menos se espera. Percebe-se entretanto que, quanto mais deixarmos passar o tempo, mais difícil se torna garantir o não colapso da estrutura e de alguns dos edifícios degradados.

Passa-se algo de semelhante com as pessoas que, embora possam ter passado por imensas vicissitudes, necessitam em cada momento de saber controlar e lidar com o stress, e de reconhecer os seus sinais, não só na própria pessoa, mas também na família, nos outros, no emprego e na comunidade de que fazem parte. Se esses sinais de stress não forem reconhecidos a tempo, o individuo pode ultrapassar o estágio de alarme (a primeira reacção ao stress) e até o de resistência ao stress, e ser acometido pelo que se chama o estágio de exaustão ou de stress extremo. Neste estágio já tudo é mais difícil, porque pode ocorrer também o colapso do mecanismo de adaptação, e surgirem reacções ou indisposições inesperadas, comportamento irracional, esgotamento, depressão, doença…

Há muito do a fazer para lidar com o stress. Para começar, sublinhe-se, que o sentir pressão positiva ou negativa depende largamente da forma como respondemos psicologicamente à situação, ou seja, da maneira como interagimos com o meio. Embora possamos dizer que algumas situações são stressantes para a maioria das pessoas, sublinhe-se, que o não o são para os poucos que optam por se manter felizes ao longo da vida. Especificamente, a forma como reagimos ao stress depende de uma gama elevada de factores que Brewer (1999) sintetiza nos seguintes: (1) circunstâncias pessoais, i. e., vida amorosa, finanças, forma como a carreira está a decorrer; (2) talentos naturais, i. e., aptidões de comunicação, inteligência, capacidade cognitiva; (3) expectativas e experiência prévias, particularmente as experiências correntes com as situações stressantes; (4) capacidade para reconhecer que está stressado e para rapidamente fazer algo acerca disso.

Mas não só, segundo o mesmo autor, Provém também: (5) da auto-estima e perceção de como se está em condições de lidar com as circunstâncias (6) da dieta e de como, até certo ponto, se é saudável; (7) da aptidão física e actividade praticada; (8) da capacidade de relaxamento; (9) da utilização de terapias alternativas; (10) das aptidões organizacionais e empenho no manejo de tempo; (11) dos traços de personalidade. Enfim, se o stress depende de todas estas situações, isto significa, em primeiro lugar, que há muito a fazer para sermos capazes de lidar com as condições que nos afligem. E em segundo, que compete a cada um tomar medidas para o enfrentar, a começar pela recorrência a pequenos truques ao nosso alcance.

Uma vez que todos estamos sujeitos ao stress, e reagimos às situações stressantes, importa manter o estado de alerta para os sinais que sobressaem das nossas reacções, tanto mais que mesmo os indivíduos mais fortes podem ser afectados. E uma vez detectados esses sinais convém lançar mão dos nossos recursos, e à utilização de técnicas de lidar, que mais não seja para diminuir a sua intensidade. Vejamos esses sinais, a começar pela própria responsabilidade, que diz respeito àqueles que apresentam “montes” de dúvidas sobre si próprio.

Primeiro: (1) em vez de apregoar que não merece ser amado diga que merece o amor, ser amado; (2) em contraposição ao que se sente como pessoa má esclareça que é bom; (3) em lugar de anunciar que é um inútil vaticine que é valoroso, relevante; (4) em contraste com aquele que defende que não é digno de ser amado, porque é antipático, caracterize-se como uma pessoa honrada, que merece o amor; (5) em oposição a quem se ache feio, com um corpo odioso, apregoe-se como bonito e amável; (6) contrariamente a dizer que não se vale nada alegue-se que se merece tudo o que se tem; e (7) substitua o ser estúpido, pouco inteligente com que se avalia pelo ser esperto e possuidor de capacidade de aprender.

Referências:
Brewer, S. (1999). Good housekeeping the ultimate stress buster: A complete guide to help you to relax and enjoy life to the full. London: Ebury Press.

NE: Texto publicado na edição impressa n.º 534 de 07 de dezembro de 2018.