Jornal da Praia

PUB

PEIXE DO MEU QUINTAL: A LUA DE 2019

Quarta, 02 de Janeiro de 2019 em Opinião 60 visualizações Partilhar

PEIXE DO MEU QUINTAL: A LUA DE 2019

Aqui vamos nós a caminho de mais um ano.

Sem fazer qualquer balanço dispensável do que foi 2018, vamos no entanto entrar num ano de expetativas, sobressaltos, mas novamente de esperança.

Vamos desejar que a Coreia do Norte amance as suas ambições bélicas destrutivas e acate a ordem internacional das nações, com a reposição dos Direitos Humanos e as Liberdades fundamentais dos seus cidadãos e, até esperar que uma reunificação das duas Coreias aconteça.

Vamos desejar que o Brasil continue na senda de uma deminuição das desigualdades sociais e consiga reduzir, pela legalidade democrática, a criminalidade, fruto da enorme pobreza ainda persistente no contraste com a grande riqueza do país.

Vamos desejar que a Venezuela possa mudar de uma liderança atípica e obsoleta nos tempos que correm, para um progresso próprio de uma nação das mais ricas da Terra, fornecendo o bem estar a um povo que já sofreu demais.

Vamos desejar que os Estados Unidos acatem o seu lugar de pacificador, em vez de provocador de guerras, no intuito ganancioso do desenvolvimento da industria de vendas de armas ao resto do mundo.

Vamos desejar que a Palestina conheça a Justiça Internacional, ao adquirir o seu estatuto de existência entre as nações, terminando as perseguições religiosas e as mortes de há décadas.

Vamos desejar que os criminosos não se possam esconder atrás do manto do poder, ordenando impunemente a morte àqueles que têm a coragem de os afrontar.

Vamos desejar que toda a Comunicação Social no Mundo, possa continuar a dar voz aos povos, vítimas de bárbaros e atrozes atos de violência, desumanidade e injustiças de toda a ordem, denunciando todos os déspotas que por aí pululam.

Vamos desejar que as Nações Unidas (ONU), seja mais corajosa nas sanções e na Justiça para com todos os dissidentes da Ordem Internacional e seja igualmente aquilo para que foi criada: Manter a Paz entre os seus membros, evitando vergonhosos conflitos que são afrontas à razão humana.

Vamos desejar que os povos não tenham de se tornar refugiados da Fome, perdendo a vida em fugas traficadas por grupos nada escrupulosos e em naufrágios coletivos.

Vamos desejar que nos Açores, esta Paz e Harmonia que nos caraterizam, continue a ser o nosso maior Bem e sirva de inspiração ao mundo que cada vez mais nos visita, pois embora não sejamos de grande dimensão geográfica, a nossa pequenez é contudo virtuosa.

Olhando para um luar esplendoroso, que reflete os seus raios prateados num mar noturno, calmo e espelhado, espraio o corpo na areia e vejo o Universo à espreita, numa vigilância planetária e infinita, desejando – ele também – que esta humanidade de micróbios suicidas repensem a sua forma de estar e de viver, num planeta que morre aos poucos e com ele todos os que o habitam.

José Soares