Jornal da Praia

PUB

SILVESTRE RIBEIRO, A 2º CAÍDA DA PRAIA E A ESTÁTUA NO JARDIM MUNICIPAL

Segunda, 31 de Dezembro de 2018 em Opinião 1181 visualizações Partilhar

SILVESTRE RIBEIRO, A 2º CAÍDA DA PRAIA E A ESTÁTUA NO JARDIM MUNICIPAL

Há exatos 139 anos, a 31 de dezembro de 1879, era inaugurada a estátua do Conselheiro Silvestre Ribeiro, na Praia da Vitória, em pleno Jardim Municipal, em homenagem pelo seu papel na reconstrução do concelho praiense após a 2ª Caída da Praia (junho de 1841).

A Praia da Vitória, que se reconstruíra da 1ª Caída, assistiu, a partir de 12 de junho de 1841, a uma crise sísmica. No dia 13, esta ganhou força, com alguns danos em várias moradias do Ramo Grande, mas particularmente na Praia da Vitória. A população começou a refugiar-se em zonas seguras. Os Praienses estavam assustados e desorientados. Assim, na madrugada de dia 14 de junho, a crise sísmica aumentou de intensidade. O medo entre os habitantes locais gerou pânico e estes começaram a procurar lugares seguros. Já no dia 15, pelas 03h25, um violento sismo arrasou completamente a Praia da Vitória. Era possível ver, então, uma enorme fissura no centro da ainda Vila. A terra tremera e fizera os seus estragos.

Com a 2ª Caída da Praia, grande parte do Ramo Grande foi destruído, com centenas de casas danificadas. A Praia iniciara uma fase de desenvolvimento, pois pouco tempo antes sofrera com as lutas liberais, onde desempenhara um papel de destaque. Por todo o papel simbólico que a Terceira teve como baluarte do Liberalismo, Angra tornou-se do Heroísmo e a Praia da Vitória. Mal saíra de uma luta, a Praia da Vitória entrou noutra, a de sua reconstrução.

No meio do sismo, um homem surgiu e desempenhou um papel de destaque, José Silvestre Ribeiro, o governador do novo distrito de Angra do Heroísmo. Desde o 1º dia, Silvestre Ribeiro seguiu os passos de Pombal e tratou de cuidar dos vivos. Numa política de grande compromisso com a população, ajudou-se os desfavorecidos e apostou-se na reconstrução do Ramo Grande. O Governador incentivou o desenvolvimento dos sectores da saúde, da assistência, mas sobretudo da educação. Empenhou-se, assim, no futuro do distrito.

Silvestre Ribeiro criou uma rede de Comissões de Socorros, com base em cada uma das freguesias afetadas. Conseguiu-se, então, não só a união da população em torno do socorro às vítimas, mas também na rápida reconstrução das habitações. Teve uma relação mais conflituosa com o Capitão terceirense João Borges Pamplona, próximo de D. Maria II. Este também conseguiu apoios para a reconstrução da Vila, mas sobretudo, que esta não perdesse o seu estatuto de Comarca, como muitos pretendiam. Embora não tivessem as melhores relações, ambos trabalharam para o desenvolvimento da Praia da Vitória.

O Governador Silvestre Ribeiro criou um verdadeiro plano arquitetónico e urbanístico para a reconstrução, o que permitiu a clara melhoria da qualidade das habitações e do traçado da Praia da Vitória e das freguesias afetadas. Surgiu, então, a chamada Arquitetura do Ramo Grande, hoje considerada como a de melhor qualidade estética e funcional nos Açores. Digamos que devemos reconhecer e divulgar este facto.

Uma das grandes obras de Silvestre Ribeiro foi a construção da Biblioteca Pública, numa clara política de incentivo à leitura. Mesmo com a mudança das instalações bibliotecárias para a Casa das Tias de Nemésio, esta continua a ostentar o nome de seu fundador, Biblioteca Municipal Silvestre Ribeiro. O Governador de Angra do Heroísmo procurou incentivar a educação no distrito e o desenvolvimento da cultura na Ilha.

O Ramo Grande estava, pouco tempo depois, reconstruído. Silvestre Ribeiro cessou funções em 1844, mas continuou ligado a grandes obras por onde passou, sendo um político de visão e de ação, procurando o desenvolvimento das regiões que governava. O povo praiense não se esqueceu do seu papel na 2ª Caída da Praia e homenageou-o, com uma estátua, no jardim municipal, inaugurada no último dia do ano de 1879. Era então Governador do Distrito de Angra do Heroísmo o 2º Conde da Praia da Vitória, Jácome de Ornelas Bruges, no seu quarto mandato (de 3 de junho de 1879 a 26 de março de 1881). Silvestre Ribeiro morreu em Lisboa, a 9 de março de 1891.

É importante darmos a conhecer não só a estátua de Silvestre Ribeiro, mas sobretudo a personalidade deste antigo Governador de Angra do Heroísmo, bem como todo o seu papel e trabalho na reconstrução da Praia da Vitória. Além dele, devemos estudar mais e divulgar a vida de grandes portugueses que nasceram ou viveram nesta Ilha Terceira e que muito contribuíram para o seu crescimento e desenvolvimento. Esta falta de interesse em dar a conhecer as estórias da História e as pessoas e acontecimentos que fizeram dos terceirenses o que são hoje, não pode continuar. Temos de manter viva a Memória do nosso passado para sabermos de onde viemos e para que a nossa Cultura permaneça viva.

Francisco Miguel Nogueira

NE: Texto originalmente publicado na edição impressa n.º 535 de 21 de dezembro de 2018.