Jornal da Praia

PUB

A EMOCIONALIDADE

Terça, 04 de Dezembro de 2018 em Opinião 42 visualizações Partilhar

A EMOCIONALIDADE

A emocionalidade, ou seja, a forma como cada indivíduo reage aos sentimentos e emoções que o afecta assemelha-se ao colorido das barras e portadas das casas, na medida em que há uma variedade de cores e tons. Mas isso não acarreta problemas às pessoas se as emoções, quer positivas ou negativas, não tivessem nos seus antecedentes certas discrepâncias ou conflitos entre o estado do mundo e as expectativas que o indivíduo traz para a situação. As emoções envolvem elementos experimentais, comportamentais e fisiológicos, através dos quais o indivíduo tenta lidar com acontecimentos ou assuntos que lhe são pessoalmente significativos (VandenBos, 2007), e isto exige conhecimentos e vontade.

Ou seja, nem sempre, é possível pensar abstracta e logicamente, o que nos poderia conduzir de forma livre no bom caminho. Existem mudanças das situações e consequentemente nas nossas percepções, que se repercutem em alterações nas emoções e comportamentos. As emoções encontram-se associadas a múltiplas situações, de que se apresentam alguns exemplos, retirados do dicionário acabado de citar: (1) abuso emocional, envolvendo atrevimento verbal, humilhação, controlo ou retirada da afeição ou do apoio financeiro; (2) conhecimento emocional, a capacidade para reconhecer e interpretar as emoções dos outros, através de pistas como expressão facial e tom de voz; (3) conflito emocional, um estado de falta de harmonia entre emoções intensas incompatíveis, como o amor, o ódio, o desejo de sucesso, e o medo de falhar susceptíveis de criar problemas de saúde.

Continuando com os exemplos assinalam-se: (4) controlo emocional, ou seja, auto-regulação da influência que as próprias emoções exercem nos pensamentos e comportamentos; (5) desenvolvimento emocional, que tem a ver com a gradual capacidade de experimentar, exprimir e interpretar a gama completa das emoções; (6) desânimo emocional, perturbação de aprendizagem ou comportamental, que se baseia nos medos e ansiedades que impedem uma criança de funcionar social ou academicamente num ambiente regular de sala de aula; (7) inteligência emocional, que consiste num tipo de inteligência que envolve a capacidade para processar informação emocional, e utilizá-la em actividades cognitivas, de raciocínio; e (8) resposta emocional, que diz respeito a uma reacção emocional, de felicidade, tristeza ou medo, desencadeada por determinado estímulo.

Com estes exemplos procura-se sensibilizar as pessoas para a importância na construção da sua vida desta área e garantir o melhor bem-estar. Acresce que muitos de nós, e até mesmo as pessoas que têm a vida aparentemente regulada, e que possuem trabalho estável podem necessitar de aconselhamento psicológico, quando inesperadamente se deixam arrastar por aspectos emocionais que os levam a (Reddy, 1987): (a) não estarem a mobilizar as suas energias; (b) não resolverem os problemas, embora possuem recursos para isso; (c) os seus pensamentos apresentarem-se confusos; (d) não tomarem as decisões necessárias; (e) não responderem aos motivadores habituais; (f) envolverem-se em comportamentos auto-destrutivos; (g) comportarem-se de forma perturbada, tensa ou ansiosa; (h) poder ter ocorrido uma mudança sensível nos seus comportamentos; e (i) parecerem não ter consciência das consequências dos seus actos.

Referiu Antunes (1982) «não pode haver alegria sem tristeza, prazer sem dor», porque, como exemplifica, «é só quando dói um dente que avaliamos o prazer de nos sentirmos bem …». E acrescenta que «se a gente não compreende esta antinomia acaba por haver uma cristalização burocrática das emoções e sentimentos.» Também não é por acaso que os psicólogos recomendam a importância de se aprender, desde tenra idade, a ser capaz de lidar e controlar as emoções. Mas isto é difícil de conseguir na sociedade moderna, com pais e professores impreparados nesta área e desligados desta responsabilidade.

As emoções ocorrem, e podem-se desenvolver e controlar ao longo de toda a vida. Mas como referimos no parágrafo anterior os primeiros anos de vida, a infância e a adolescência, também fazem parte desse desenvolvimento, em proveito das situações que acima se mencionou, e de muitos outros aspectos significativos relacionados com a emoção e estados de humor. Por isso muitos intelectuais defendem a importância do treino de pais, a que se deveria juntar o treino de professores, coisa que actualmente pouco se valoriza.

Referências:
Antunes, A. L. (1982). Salvado em 30 Abr. de Fonte: Citador. Tema: Citações –Autores. Website: http://www.citador.pt/frases/citacoes/a/antonio-lobo-antunes.
Reddy, M. (1987). The manager`s guide to counseling at work. London and New York:The British Psychological Society.
VandenBos, G. H. (2007). APA dictionary of psychology: Emotion. Washington DC. American Psychological Association.

Aurélio Pamplona

NE: Texto originalmente publicado na edição impressa n.º 532 de 02 de novembro de 2018.