Jornal da Praia

PUB

13ª. Edição do Outono Vivo

Sexta, 23 de Novembro de 2018 em Editorial 103 visualizações Partilhar

13ª. Edição do Outono Vivo

O Outono Vivo é um festival que marca uma importância relevante no espectro cultural açoriano de forma ímpar, e que ocorreu entre os dias 26 de Outubro e 11 de Novembro, na Academia da Juventude e Artes da Ilha Terceira, Auditório do Ramo Grande e Universidade Aberta, na cidade da Praia da Vitória.

A Praia da Vitória, cidade berço de Vitorino Nemésio, é a capital da cultura açoriana, e destaca-se pela sua beleza natural que a envolve desde o verde do Vale Farto, ao azul suave da sua grandiosa baia, ao receber o evento da feira do livro, com 20.000 títulos ou obras, feira essa que não só inclui a apresentação de livros, mas também há lugar de destaque para o teatro, a poesia, espectáculos musicais, cinema e conferências, etc.

Foi a cultura que jorrou nas veias citadinas da capital do Ramo Grande, naqueles dias a que a população acompanhou com interesse acentuado, pois como defendia Vitorino Nemésio, só há uma cultura, nunca a fracturou em erudita e popular.

A Praia, os Praienses, os Terceirenses devem orgulhar-se de acolher a maior feira do livro dos Açores, e “que acreditamos que o Outono Vivo pode e deve evoluir para ser também um atractivo turístico” sustentável na época baixa.

O Outono Vivo tornou-se numa oportunidade única para as escolas, as crianças e os jovens participarem em actividades culturais importantes para a sua formação, pois o futuro pertence às crianças e aos jovens, num mundo onde se assiste ao alastrar de ideais de ultradireita e fascistas em que ameaçam a democracia, que mesmo não sendo perfeita é sem duvida alguma de todos os sistemas políticos e governamentais o mais equilibrado e equitativo, sendo certo que a democracia “nunca está completa”, porque a democracia tem que evoluir constantemente, adaptar-se à transformação dos tempos, para não ser ultrapassada pelo desenvolvimento económico, social e cultural.

Num mundo onde paira a mentira (fake news), onde são lançadas intencionalmente especulações e confusões sobre os nobres valores e verdades universais pilares fundamentais da democracia, que regem os  povos e os seus governos, que se querem plurais e democráticos, a cultura e sua disseminação será uma arma eficaz no combate a tais atitudes maléficas, racistas, xenófobas e subversivas que põe termo à dignidade da pessoa humana.

As palavras do grande escritor russo do século XIX, Dostoiévski são actuais e devemos sobre elas reflectir para não cairmos nas ciladas do ultraliberalismo “o homem que escuta como certas as próprias mentiras chega a não puder discernir a verdade do que pensam dele e perde o respeito que deve a si mesmo e ao próximo. Com o respeito desaparece o amor, e então em nada poderá gozar a não ser que se deixe arrastar pelos mais grosseiros prazeres, que acabam por bestializá-lo completamente”.

Sebastião Lima
Diretor
diretor@jornaldapraia.com