Jornal da Praia

PUB

UM PERCURSO PELA HISTÓRIA DA PRAÇAS DE TOIROS DA ILHA TERCEIRA – ALGUNS APONTAMENTOS

Sábado, 17 de Novembro de 2018 em Opinião 1624 visualizações Partilhar

UM PERCURSO PELA HISTÓRIA DA PRAÇAS DE TOIROS DA ILHA TERCEIRA – ALGUNS APONTAMENTOS

O crescimento das touradas à praça na Ilha, primeiramente como um espetáculo de diversão virado para a Nobreza e para a Burguesia, depois com a rendição do Povo a esta tradição, levou a que a apresentação taurina se tornasse um espetáculo para toda a sociedade terceirense. Assim, na Praça Velha surgiu uma verdadeira praça em madeira, conhecida como a “Praça da Inveja”, a primeira com segurança que a cidade de Angra conheceu. Depois com o tempo, foram surgindo outras, até à atual, que está para completar, em breve, 35 anos.

Nestes anos, a festa brava na Praça Velha ainda era demasiado aristocrática, embora com a envolvência do povo. Assim, nos anos 40 do século XIX, um grupo de pequenos proprietários, funcionários públicos e pequenos e médios comerciantes, com fortes interesses na criação de gado bravo e de toiros, começou a falar da necessidade da construção de uma praça fixa na Terceira, que aproximasse mais a festa brava de todos. Com esta construção pretendia-se, também, diminuir o número de problemas de segurança que a praça desmontável da Praça Velha apresentava, uma real preocupação das entidades públicas da época. Conseguia-se, deste modo, haver uma maior regulamentação sobre a atividade tauromáquica. A construção de uma praça fixa iria permitir igualmente uma maior aproximação das touradas ao povo. Assim começou-se a debater a hipótese da construção de uma Praça.

A nova praça foi construída em meio ano, sendo que o contrato para a sua construção foi assinado a 31 de dezembro de 1849. A obra foi iniciada junto à antiga cerca do Mosteiro das Capuchas, extinto a 17 de maio de 1832. Na construção o empresário José Bernardo Mateus apostou em boas varandas e camarotes, em madeira. A chamada “Praça da Inveja” foi inaugurada a 9 de junho de 1850, com uma corrida de toiros. Na semana seguinte, nova corrida mas sem o impacto que se pretendia, portanto apostou-se na diminuição dos preços. Queria-se atrair mais pessoas. A 3ª corrida da “Praça da Inveja” aconteceu em pleno São João, com 12 toiros, tentando-se dinamizar e captar o povo para a festa brava.

Durante 12 anos, até 1862, a “Praça da Inveja” funcionou, até ser posteriormente demolida. Neste local foi instalada a feira de gados, apelidada de “Praça dos Porcos”. Depois de um tempo sem Praça, a 19 de agosto de 1866 era inaugurada a 2ª Praça fechada da Ilha Terceira, a do Barreiro. A sua 1ª corrida contou com toiros do 1º conde da Praia da Vitória, D. Teotónio de Ornelas Bruges Paim da Câmara, e dos Corvelos. Segundo Pedro de Merelim, foram vendidos mais bilhetes do que a lotação permitia, o que mostra-nos o gosto local por toiros de Praça.

Durantes este ano construiu-se fora da cidade de Angra do Heroísmo, praças fechadas, com cariz obviamente temporário, falamos de uma em Santa Bárbara, com alvará de 23 de junho de 1866, que ocorreu a 1 de julho, outra na Praia da Vitória, para corridas a 8 e 9 de julho e uma terceira, a 10 de setembro, na Serreta, muito provavelmente em plena época de devoção à Nossa Senhora dos Milagres. Assim, este ano de 1866 foi forte em toiros de praça, o que evidencia que, após uns anos sem corridas de toiros, os terceirenses queriam de novo voltar à Praça.

Uma das praças construídas fora da cidade foi na Vila de S. Sebastião, a de Santana, em 1882, com vários anos de corridas de toiros. Contudo, a Praça mais conhecida foi a de Santo António, no Porto dos Biscoitos, ainda existente, a 1ª praça oficial de toiros do país, com o 1º alvará conhecido, datado de 21 de setembro de 1885, assinado pelo Conde Sieuve de Meneses, Secretário do Governador Civil de Angra do Heroísmo. A praça de Santo António foi inaugurada a 6 de setembro de 1885, em um terreiro quadrangular delimitado por uma muralha com paramentos em alvenaria de pedra e enchimento de terra.

Depois da Praça de Touros na Canada do Barreiro, edificou-se a do Espírito Santo na Miragaia (na Rua do Pereira), a 3 de maio de 1894 (também de madeira, destruída por um incêndio na noite de 23 de agosto de 1900). A construção da Praça seguinte foi com um material mais resistente, deixando de ser de madeira e, por isso, mais segura, surgia assim uma Praça de Toiros de alvenaria de pedra, a de São João, onde hoje se situa o Centro Cultural e de Congressos de Angra do Heroísmo, onde os lugares eram vendidos a uns poucos de centos de réis. Hoje a Monumental Praça Toiros da Ilha Terceira, inaugurada em 1984, é a única existente na região.

No Verão de 1978, a Praia da Vitória organizou as suas primeiras festas concelhias, mas ligadas às de Angra do Heroísmo e chamadas também de Sanjoaninas. Assim, no Paúl, foi construída uma praça de toiros desmontável, com 43 000 lugares. A praça esteve quase sempre lotada. Os nomes que mais marcaram as corridas de toiros praienses foram o do cavaleiro Luiz Miguel da Veiga e o do “matador” Armando Soares.

Ao fazer esta História pelas Praças de Toiros na Ilha Terceira, percebemos como a defesa da tradição e dos valores do passado estão bem enraizados nos terceirenses. Concorde-se ou não com as touradas, goste-se ou não delas, há que respeitar o ADN bravo dos terceirenses. Só precisamos que haja mais deste ADN pela defesa do património e da memória em termos histórico-culturais. Não devemos esquecer de preservar o que os nossos egrégios avós deixaram para nós.

Francisco Miguel Nogueira

NE: Texto publicado originalmente na edição impressa n.º 531 de 19 de outubro de 2018.