Jornal da Praia

PUB

ACUSA BE: SOLUÇÃO PARA OS MORADORES DE SANTA RITA É ENCENAÇÃO

Sexta, 16 de Novembro de 2018 em No Concelho 168 visualizações Partilhar

ACUSA BE: SOLUÇÃO PARA OS MORADORES DE SANTA RITA É ENCENAÇÃO

O Bloco de Esquerda (BE) acusa o presidente da autarquia da Praia da Vitória, Tibério Dinis, de ter encenado o anúncio de um acordo oficial entre os proprietários e os moradores do Bairro de Santa Rita, quando na realidade, afirmam, “existe penas um acordo de cavalheiros”

A acusação surge na sequência da reunião de hoje da Assembleia Municipal da Praia da Vitória, onde assistiu e interveio, no período destinado à intervenção do público, o deputado bloquista Paulo Mendes. Na sua intervenção Paulo Mendes questionou o edil praiense sobre os meandros do acordo anunciado em setembro, na Horta, na sede do Parlamento Açoriano, ao lado da secretária regional da Solidariedade Social, Andreia Cardoso.

“O que o presidente da Câmara Municipal da Praia da Vitória fez, em setembro, na sede do parlamento foi um mero espetáculo mediático para garantir protagonismo, porque, afinal, na prática, só existe um acordo de cavalheiros”, sustenta Paulo Mendes depois de ouvir a resposta do chefe do executivo camarário praiense.

Na intervenção, Paulo Mendes confrontou o presidente da autarquia sobre ainda várias questões que preocupam os moradores, nomeadamente, como será apurado o valor a pagar pelos moradores para adquirir o terreno sob o qual cada casa está construída.

Paulo Mendes lamenta que a resposta do Governo dos Açores ao requerimento apresentado pelo grupo parlamentar do BE, não cumpra com a proposta de resolução aprovada na sessão legislativa de setembro da Assembleia Legislativa dos Açores.

“O facto de, há dias, o Governo ter assumido – em resposta a requerimento do Grupo Parlamentar do BE – que não era parte envolvida no acordo mediado pela autarquia entre proprietários e moradores – foi confirmado hoje pelo presidente da câmara da Praia da Vitória, e significa que, ao contrário do que está previsto na resolução aprovada no parlamento por unanimidade, a Assembleia Legislativa dos Açores não será informada de todas as diligências efetuadas, dada a ausência do Governo Regional na resolução deste problema”.

Paulo Mendes alerta que se a autarquia da Praia da Vitória vier a funcionar apenas como um intermediário entre proprietários e moradores, sem participação ativa de outras entidades públicas regionais na aquisição dos terrenos, os valores serão incomportáveis para os moradores.

“Não é expetável esperar dos moradores a capacidade financeira para adquirir os terrenos ao preço alegadamente acordado verbalmente entre a autarquia e os proprietários”, adverte o deputado do BE.

GI-BE/JP