Jornal da Praia

PUB

CID TELES, A CIGARRA DO TRISTE FADO

Sexta, 16 de Novembro de 2018 em Opinião 92 visualizações Partilhar

CID TELES, A CIGARRA DO TRISTE FADO

O poeta Manuel Cid Teles nasceu em 8 de Março de 1911, em Tábua, e faleceu em Oliveira do Hospital (distrito de Coimbra), em 25 de Abril de 2009, com 98 anos. Quando regressava dos Açores, ia, habitualmente, visitá-lo ao lar da Fundação Aurélio Amaro Diniz.

O modo como sempre me recebeu no seu quarto emprestado continua ainda hoje a comover-me profundamente. Quase sempre de pé, ao lado da cama, sem recorrer a qualquer registo escrito, declamou-me um sem número de poemas, uns da sua pena, outros de Florbela Espanca (1894-1930). Abrindo as gavetas, confiou-me os intermináveis (e mais estranhos) papéis, nos quais ia incessantemente rabiscando os mais recentes versos, tocou no piano improvisado, declamou efusivamente e voltou a declamar poemas, que a poesia e a música corriam-lhe no sangue quase tão naturalmente como o oxigénio que respirava. Tudo isto e muito mais, como se me conhecesse há longos anos e nos unisse uma profunda amizade.

Apesar de ter nascido em Tábua, em 1911, e de durante vários anos ter acompanhado os pais nas suas deambulações profissionais por várias regiões do país (Grândola, Santiago do Cacém, Montijo, Viseu, Lamego, Porto e Matosinhos), foi em Oliveira do Hospital que Cid Teles acabou por radicar-se, por volta dos anos 40 ou 50 do século passado. Nesta (actual) cidade passou cerca de seis décadas, tornando-se mesmo uma das figuras mais icónicas, pelo menos, da sede do concelho.

Ao longo da vida, teria desempenhado, sobretudo, funções relacionadas com as suas vocações artísticas: compôs letras musicais, peças de teatro, contracenou com vultos nacionais dos palcos (v.g., Manuel Lereno, 1909-1976), dinamizou vários programas radiofónicos, nomeadamente na Rádio Boa Nova e na Emissora Nacional.

Estreou-se aos 21 anos, com a obra As minhas quadras, contando com o apadrinhamento literário de Fausto Guedes de Teixeira (1871-1940), poeta de Lamego que enviou a Cid Teles um soneto da sua autoria, para figurar na obra de estreia.

Pianista, pintor autodidacta, ensaiador de grupos de teatro e de ranchos folclóricos de várias regiões do concelho oliveirense, Cid Teles, apesar de ter cultivado uma vida algo solitária, nem por isso deixou de consagrar a vida aos outros e, em particular, à cultura do concelho.

Várias das suas quadras e sonetos foram editados, pela primeira vez, em jornais locais, caso da Comarca de Arganil. Aprendeu a tocar piano com a mãe (Alzira de Matos Cid Teles), depois ele próprio ensinou, durante algum tempo, música no Colégio Brás Garcia de Mascarenhas e deu lições de canto coral.

Vista no seu conjunto, a obra de Cid Teles é multifacetada, pese embora o facto de as áreas temáticas serem relativamente reduzidas e até mesmo atravessadas pela repetição de algumas ideias nucleares. Por detrás de uma aparente simplicidade (o difícil na vida é ser simples), esconde-se uma filosofia de vida ancorada num percurso solitário, instrospectivo e com certo pendor existencialista.

Cid Teles preferiu desde muito cedo o contacto com os mais idosos. Durante a infância e grande parte da adolescência, as dificuldades em criar relacionamentos interpessoais com os seus pares, em virtude das constantes deambulações profissionais do pai, tê-lo-iam levado a passar muitas horas sozinho e, nessa sequência, a adquirir uma maturidade invulgar para a sua idade, bem como o gosto pela poesia. A sua facilidade em versejar era tal que o pai, autor do Livro do coração (ao qual António Nobre – 1867-1900 –, o autor do “livro mais triste que há em Portugal”, teria dedicado a “Carta a Manuel”) teria mesmo afirmado: “Tu fazes versos com uma pá velha”. Uma curiosa expressão beirã, que apenas me lembro de ler nas obras do notável romancista e novelista beirão Aquilino Ribeiro (1885-1963). O contacto com a poetisa alentejana Florbela Espanca, em Matosinhos, bem como a leitura da sua obra, marcou-o profundamente.

Mas Cid Teles, além do poeta do “Triste Fado”, também foi a cigarra, que levou alegria a tantos habitantes do concelho de Oliveira, durante anos a fio. Qual palhaço que sobe à cena e, nesses instantes, se esquece dos dramas da existência individual, Cid Teles foi um homem da cultura, do palco e do público.

Aqui deixo, por conseguinte, a homenagem possível a um poeta, que me marcou profundamente. Uma homenagem a uma cigarra que, ao contrário do que é socialmente expectável e devido às circunstâncias favoráveis de que beneficiou do ponto de vista financeiro, não dedicou a vida a uma profissão propriamente dita (o seu feitio seria, de resto, pouco atreito a horários rígidos e a rotinas). Ainda assim, viveu em função de uma vocação artístico-literária e, malgré tout, conheceu a consagração local.

Despeço-me, invocando aquele que talvez represente um dos sonetos mais icónicos de toda a sua vida, dos percursos de um cidadão incontornável na História do concelho de Oliveira do Hospital, cuja obra bem merecia ser mais divulgada:

SOU COMO SOU

Sou como sou, e não me importo nada
Que este ou aquele não goste do que eu sou.
Sei o que quero, e aonde quero vou,
A passo firme e fronte levantada!

Amo essa mão estranha, ignorada,
Que do destino as linhas me traçou,
E dos outros diverso me tornou,
Dando-me esta alma inquieta de nortada!

Louco! Poeta! E que me importa a mim?
Tantos falando porque eu sou assim,
Tantos dizendo o que eu devia ser…

Sou como sou! E sinto até vaidade,
Quando posso gritar esta verdade:
Sou como sou, e assim hei-de morrer!

Renato Nunes

NE: Texto originalmente publicado na edição impressa n.º 531 de 19 de outubro de 2018.