Jornal da Praia

PUB

VITORINO NEMÉSIO AS FIBRAS DO MORMAÇO (II)

Quinta, 15 de Novembro de 2018 em Opinião 89 visualizações Partilhar

VITORINO NEMÉSIO AS FIBRAS DO MORMAÇO (II)

O catálogo da exposição, muito bem organizado e bastante abrangente, dá-nos uma completa panorâmica da obra eclética de Nemésio. Ele constitui uma ferramenta importante não apenas para os estudiosos, mas igualmente para todos quantos desejem conhecer a fundo este notável vulto da cultura portuguesa do século XX, mormente professores e alunos do nosso sistema escolar.

Pelas suas 119 páginas do livro encontramos os eventos marcantes da biografia pessoal e da bibliografia deste incansável autor. Cláudia Cardoso, no seu prefácio destaca as efemérides, que ocorrem neste 40º aniversário, comemorativo do desaparecimento de «um dos maiores vultos da literatura portuguesa contemporânea». Assim, neste ano de 2018, celebra-se o cinquentenário da 1ª edição de «Violão de Morro e de Caatinga e Terra Caída: Viagens no Nordeste e no Amazonas» (Brasil).

Assinala-se, também, o 60º aniversário da publicação de «Conhecimento de Poesia» e de «O Retrato do Semeador», este último em dois volumes, onde estão as crónicas de V. Nemésio, escritas na imprensa e as proferidas na rádio (Ondas Médias) e os oitenta anos de «O Bicho Harmonioso».

Outra obra dada à estampa, em 1938, e em efeméride octogenária, é «Études Portugaises», contendo as conferências feitas em universidades francesas (ensaio e biografia). Neste ano, passam ainda os 90 anos sobre a vinda a público de «O Açoriano e os Açores», conferência proferida em Coimbra (1928), cidade onde está sepultado.

Vale a pena observar os manuscritos, as capas dos livros, as dedicatórias de nomes cimeiros das letras nacionais e internacionais, as fotos, as anotações a lápis sobre os livros que lia, os sublinhados, o seu ex-libris aposto nas suas obras, e que provam o seu labor e o prestígio de que gozava entre os seus pares.

INTERVENÇÃO DO SECRETÁRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA

O Professor Doutor Avelino Meneses, interveio para justificar a realização da iniciativa da secretaria de que é responsável e para apresentar o orador convidado, o antigo Reitor da Universidade dos Açores, Professor Doutor António Machado Pires.

Começando por enumerar as várias facetas da personalidade do ilustre filho da Praia da Vitória, de cujo concelho ambos são naturais, o governante afirmou: Vitorino Nemésio «é dono de uma obra muito variada, mas invulgarmente coesa e una que até culmina no tratamento poético e original da ciência e das linguagens do rigor», considerando-o um dos vultos mais importantes da contemporaneidade. (Foi o 5º condecorado com o prestigioso Prémio Montaigne em 1974). Naquilo que mais directamente nos respeita, V.Nemésio é o melhor hino dos Açores. «Aliás a obra de V. Nemésio é uma das expressões máximas da açorianidade» e o remate de toda a idiossincrasia açoriana, citando José Martins Garcia. E mais adiante referiu: «E, como dizia David Mourão Ferreira, é um livro (Mau Tempo no Canal) onde os Açores estão todos. E, curiosamente, os Açores todos estão no livro, que aparentemente só trata de uma parte do arquipélago, a saber, o triângulo Faial, Pico, São Jorge, mais um pouco desta cidade de Angra, donde a proximidade das ilhas e dos lugares confere talvez maior evidência à açorianidade.

«É com honra que a Secretaria Regional da Cultura, Direcção Regional da Cultura, através da Biblioteca Pública e Arquivo Regional Luís da Silva Ribeiro, organiza esta comemoração dos 40 anos do passamento de Vitorino Nemésio. Aliás, a recordação dele é sempre um acto de justiça. Durante a vida, pela independência do espírito, esquivou-se à sujeição das correntes literárias. Foi por isso que à data de publicação de muitas das suas obras, teve falta de encómios justos que, noutros casos, transformam em bajulações estéreis. Contudo, a sucessão do tempo que provoca o esquecimento dos medíocres, no caso dele converteu-se em reconhecimento de qualidade. Faz portanto o percurso de todos os grandes. Com o exemplo de Fernando Pessoa foi também assim».

E concluiu a sua alocução Avelino Meneses, referindo-se ao palestrante convidado nos seguintes termos:

«Para evocar estes 40 anos da morte de V. Nemésio, a BPARLSR acertou em pleno na escolha do Professor Doutor António Machado Pires. Recordo que há 40 anos, precisamente, no dia 20 de Fevereiro de 1978, ao chegar à Universidade para frequentar a primeira aula da manhã, sendo eu então um estudante do primeiro ano, o nosso professor, na circunstância era o Doutor Fernando Aires, comunicou-me e aos demais colegas, e o Bruno também deve estar por aqui, que Vitorino Nemésio havia morrido. Mas disse mais, disse que na altura nos deveríamos abeirar do seu antigo assistente, o Doutor Machado Pires, por já ser o melhor conhecedor da obra literária do poeta da Praia, também o é da Terceira, dos Açores, de Portugal e do Mundo.

Hoje, a mais de quatro décadas de distância, e após ter sido Reitor da Universidade dos Açores desde 1983 e 1985, a cujo Reitorado devemos uma parte do nosso melhor tesouro, isto é, do capital de credibilidade que, na Universidade, intentamos quotidianamente sempre preservar, o Professor Machado Pires permanece o principal conhecedor da obra de Vitorino Nemésio. Por isso vou-me calar e vamos escutá-lo. Muito obrigado».

Nota: Dado o interesse e a grande extensão da palestra do Professor Doutor António Manuel Machado Pires, não foi possível incluir a apreciação sobre a sua muito interessante exposição. A esta não faltou erudição, humor e arte de representar, que foram do agrado geral da assistência. Esperamos publicá-la na próxima edição do «Jornal da Praia», quinzenário da terra de Nemésio.

António Neves Leal

NE: Texto originalmente publicado na edição impressa n.º 531 de 19 de outubro de 2018.