Jornal da Praia

PUB

A dignidade duma pessoa

Terça, 09 de Abril de 2013 em Opinião 958 visualizações Partilhar

A dignidade duma pessoa

Nas recentes semanas, o mundo ocidental foi especialmente sensível a um acontecimento típico da Igreja Católica: a eleição do Papa Francisco. É um facto que as eleições de Papas são situações que ocorrem com relativa frequência e se tornam notáveis. Na realidade um Papa é uma personalidade que tem significado em primeiro lugar para o mundo católico, mas que acaba por projetar-se largamente no mundo ocidental. E também no resto do mundo que lhe não é totalmente alheio.

Porém a eleição do Papa Francisco revestiu-se de dimensões não conhecidas em outras eleições. A razão está na personalidade “única” que apareceu repentinamente perante as consciências ocidentais, que não só na Igreja Católica.

E parece que não é necessário dizer-se por quê…. Os factos tornaram-se intensamente presentes às mentalidades individuais e colectivas… Num repente, e sem qualquer propaganda, aquela personalidade brilhou como uma luz inesperada e impressionante. Foi um facto que parece não poder explicar-se segundo as leis normais da psicologia e da sociologia…

A causa esteve na notável, simples e “natural” verdade e na humildade daquele homem único. Elas revelaram-se repentinamente numa profunda capacidade para lidar com toda a gente e em todas as circunstâncias das suas acções. Tudo aconteceu em conjuntos de procedimentos e cerimónias, marcadas por um impressionante teor natural, simples e “verdadeiro”… Não era “representação”. Estas atitudes caíram em cheio nas consciências individuais e sociais, religiosas e não religiosas, do Ocidente. E também há indícios de terem caído bem, noutros ambientes do nosso tempo.

É que, este nosso mundo é intensamente marcado por afirmações, mas também por exageros e falsas revelações de alguma coisa a que chamamos “dignidade” da pessoa humana. Em muitos casos ela é vivida e respeitada, mas em muitos outros não é…Com verdade, e sem ela, se fazem muitos esforços para desenvolver o seu reconhecimento e respeito. E há muitas pessoas e grupos que a procuram sem a conseguirem.

Mas também é verdade que, em paralelo com muitas “cerimónias” que a implicam, se vivem impressionantes atmosferas de orgulho e de sobranceria. Isto a começar dentro dos casais e das famílias, e a espalhar-se nas mais variadas situações individuais, familiares, comunitárias e sociais. E estendendo-se a uma tremenda sobranceria perante Deus, o divino e o espiritual. Estes são negados ou ignorados, ou ao menos afastados de muitas consciências e vidas.

Porém, a necessidade profunda de verdade e humildade é um facto sentido nas consciências e nos ambientes. Assim, a humildade e a “verdade” do Papa Francisco, são uma luz radicalmente sincera e forte, que repentinamente apareceu a brilhar nas atmosferas mais variadas das nossas almas e do nosso mundo.

 

Texto/ Caetano Tomás

Foto/ Jacob Vasconcelos