Jornal da Praia

PUB

DÁDIVA DA NATUREZA

Terça, 06 de Novembro de 2018 em Opinião 58 visualizações Partilhar

DÁDIVA DA NATUREZA

Apesar do que se referiu no último Cantinho não chega preocuparmo-nos só com a consciência. Para sermos capazes de aproveitar os benefícios e dádivas que a natureza nos oferece há que fazer mais pela vida. É necessário por exemplo, no bom sentido, ir à luta, i. e., ser activo, com corpo, alma e acção responsável. Não fazer como o Chico que até gostava de ir até à estação, mas só para ver passar os comboios. E porque as coisas não caem do céu, importa ser bom profissional.

Para além da formação e experiência o bom profissional deve ter um desempenho correcto, baseado na ética e na boa educação (Bobone, 2004). Como esclarece esta autora «é através da profissão que muitas pessoas evoluem socialmente e ganham prestígio». E por isso o civismo, e as boas maneiras devem completar os seus perfis, porque o mundo do trabalho não é, nem pode ser uma selva. Enfim, se bem interpretadas estas considerações facilitam a pessoa a não se deixar levar pela última distorção de pensamento referida, a Super-generalização, também conhecida por Hiper-generalização ou só por Generalização.

Cury (2008) fala-nos do código da autocrítica que nos obriga a construir estratégias de amor e admiração, através (a): (1) do elogio antes de crítica ou de apontar um erro; (2) da manifestação de reacções amorosas ou surpreendentes; (3) da contenção da fala e empenho no aumento na acção; (4) da humanização, que diz respeito àquele que é capaz de falar e ouvir com sentido, partilha e abertura; (5) do interesse pelo outro, nomeadamente pelos seus gostos, conhecimento das dificuldades ou preocupação; e (6) da auto-imposição de mais tolerância, respeito, paz, hábitos sustentáveis, amor e união.

E acrescenta que as atitudes agravam a nossa imagem quando não pensamos no impacto que os actos desajustados vão ter na mente dos outros, nomeadamente nos nossos filhos. Enfim, após todas estas considerações é altura para alertar para a oitava distorção do pensamento, o Raciocínio ou Argumentação Emocional. Basta pensar um pouco para perceber que as emoções nos podem arrastar para atitudes, comportamentos e acções inconvenientes, ou até impensáveis, que não seríamos capazes de adoptar na ausência dessas perturbações.

E disse-se perturbações porque as emoções na idade adulta, quando exageradas, nos podem levar ao medo, à ansiedade, à depressão e até a psicopatologia mais grave. Mas também nos podem conduzir no sentido oposto, ou seja, tomarmos decisões, e nos empenharmos em acções que nos proporcionam agradáveis sensações de bem-estar ou mesmo a felicidade. Mas isto só ocorre quando somos capazes de tomar consciência dessas emoções, quando as consideramos, e as utilizamos em nosso favor, de um modo saudável e controlado. Seja exemplo aquele que gritou numa repartição pública dizendo que não admitia que duvidassem da sua palavra, dado que não era aldrabão, mas que em seguida, imediata e inteligentemente, rectificou a sua posição, pedindo desculpa pelo seu desplante, e ajuda para a resolução do problema.

Aqueles que se deixam levar pelo raciocínio emocional acreditam que as emoções reflectem as coisas como elas são, que o que sentimos em cada momento traduz o que se passa na realidade. Mas o que sentimos não é sempre o mais certo, ou ajustado à natureza humana e à realidade da vida. E a emoção, embora importante, não nos pode guiar em tudo o que fazemos, porque a vida é feita de muitas outras componentes, que merecem também a nossa consideração. Não podemos só atender aos significados carregados de pontos de vista pessoais emocionais, e frequentemente ilógicos, que nos ocorrem face às mais variadas situações e acontecimentos.

Mas temos meios de corrigir muitos dos nossos desvios de pensamento. Como escreveu um psicólogo famoso, De Bono (2009): «pense, antes que seja demasiado tarde». E esclarece que, pensar bem não significa ser levado só pela lógica, visto que esta não muda nunca as emoções e o comportamento: E esclarece que tentar persuadir as pessoas só pela lógica, para mudar as emoções é inútil na prática. São as percepções que controlam as emoções e estas controlam o comportamento.

Referências:
Bobone, P. (2004). Dicionário de etiquetas de A a Z.: A arte de ser elegante e ter boas maneiras – Vol. II. Lisboa: DCM- Desenvolvimento, Criação e Marketing.
Cury, A. (2008). O código da Inteligência: A formação de mentes brilhantes e a busca da excelência emocional e profissional. Lisboa: Pergaminho.
De Bono, E. (2009): Think! Before it`s too late. London: Vermilion.

Aurélio Pamplona

NE: Texto originalmente publicado na edição impressa n.º 531 de 19 de outubro de 2018