Jornal da Praia

PUB

PARA RUY DE CARVALHO, ESPETÁCULO “TROVAS & CANÇÕES” É HOMENAGEM À LÍNGUA E LITERATURA PORTUGUESA

Terça, 30 de Outubro de 2018 em Entrevista 65 visualizações Partilhar

PARA RUY DE CARVALHO, ESPETÁCULO “TROVAS & CANÇÕES” É HOMENAGEM À LÍNGUA E LITERATURA PORTUGUESA

A 03 de novembro, inserido no festival literário e cultural “Outono Vivo” o Auditório do Ramo Grande exibe o espetáculo “TROVAS & CANCÕES – Atores, Poetas e Cantores”, centrado na figura de Ruy de Carvalho e segundo o ator, uma homenagem à língua e literatura portuguesa.

Para além do espetáculo, o ator que também é escritor, apresentará o seu mais recentre livro, “O Amor é Isto”.

Neste entrevista em exclusivo, o ator fala-nos do espetáculo, do livro e da sua envolvência em ações de solidariedade, revelando-se preocupado com uma sociedade que abandona os que mais precisam.

Jornal da Praia (JP) – Quando nasceu o projeto “TROVAS & CANÇÕES – Atores, Poetas e Cantores”, e quais os prossupostos que levaram à sua idealização?
Ruy de Carvalho (RC) – Este espetáculo nasceu em 2013 e a ideia surgiu de um recital de poesia que eu e o meu filho fizemos em Ovar, com acompanhamento ao piano. Falamos do assunto ao meu genro e à minha filha e eles construíram este guião, com base nas canções que todos temos na memória.

JP – Na sinopse lê-se que o espetáculo “vive do contraponto entre a récita e o canto”. O que vai o público encontrar?
RC – O público vai ver e ouvir e espero que cantar também, alguns dos mais belos momentos da nossa literatura e da nossa língua. É também uma homenagem a quem nos ouve. Por isso espero que vão até ao Ramo Grande com o coração e a voz bem afinados, para viajarem connosco e acima de tudo sonharem connosco.

JP – Este é um espetáculo inédito por reunir duas gerações de atores: pai e filho. Em termos pessoais como vive esta experiência intergeracional de cariz familiar?
RC – O espetáculo no início era composto pelos três atores da família, mas o meu neto foi para outros voos e por isso já só estamos pai e filho. Mas é muito agradável estar em palco com a família. A qualidade inegável do meu filho e a brilhante carreira que aguarda o meu neto são motivo de grande orgulho.

JP – Noutra dimensão, como vê as políticas públicas de terceira idade, numa sociedade muito preocupada em inovar a semântica – aos velhos chamamos agora idosos ou seniores – mas cada vez mais, os deixam esquecidos em lares, com um Estado ineficiente a fiscalizar e sem que haja uma salutar ligação intergeracional?
RC – Esse tema é-me muito querido. Ando há muito anos a dizer que estamos a abandonar aqueles que mais precisam do nosso apoio. Eu já faço parte desse grupo há muitos anos e não me posso queixar, mas vi e sei de muita coisa que é de bradar aos céus. Por parte de quem manda as políticas de apoio são insuficientes, por parte da família e da sociedade, em geral, são muitas vezes considerados um estorvo. Não é assim em todo a parte. Só por cá é que se afastam os cabelos brancos, mesmo quando eles são ainda uma enorme mais valia. As sociedades, no meu ponto de vista, devem ser construídas por todos. O nosso tempo é aquele que vivemos, não o passado. Os jovens e os menos jovens, e os que ainda estão na chamada idade ativa, devem, juntos, trabalhar para construir um futuro melhor. A energia dos mais jovens com a experiência e “sabedoria” dos mais velhos, faz o mundo evoluir.

JP – O Ruy envolve-se em vários projetos de solidariedade, ou relacionados com crianças ou em prol dos animais. Faz, por ser sua obrigação enquanto figura pública ou por entender ser o seu dever cívico?
RC – Faço, por que são assuntos que me dizem muito. Faria o mesmo se não fosse figura pública, ou o que me quiserem chamar. Acima de tudo sou um cidadão, com opinião e vontade própria.

JP – O Ruy vem à Praia da Vitória no âmbito do festival literário “Outono Vivo”. Já conhecia este evento? E como se processou a sua vinda?
RC – Já tinha ouvido falar, até por que sou um açoriano de coração. O convite surgiu da organização e cá estamos, mais uma vez, para vos apresentar um espetáculo que está perfeitamente integrado no Festival Literário “Outono Vivo”.

JP – No âmbito da feira do livro o Ruy apresentará o seu mais recente livro, “O Amor é Isto”, no qual compila 100 pensamentos que são uma verdadeira inspiração. Este livro é o reflexo da uma sabedoria nonagenária ou o espelho de um “espírito de luz”?
RC –  Talvez seja o reflexo de uma vida longa, com muitas experiências e vivências. Mas este livro é o resultado da vontade da minha editora e da ajuda do meu genro e da minha filha. A Editora achou que seria interessante pegar em alguns dos meus pensamentos e ideias, alguns já com muitos anos e cá temos o livro.

JP – Este é também um livro de fortes emoções. Como vê a sociedade contemporânea no campo das emoções e dos sentimentos?
RC – O que sinto, por vezes, é algum desequilíbrio nas pessoas. Andam confusas com o que as rodeia e muitas acabam por ser afetadas. Mas no geral, no que nos toca, os Portugueses ainda são pessoas afetivas, que estão atentas ao próximo. Tenho lidado com muitos jovens e sinto neles muito carinho e amizade para dar.

JP – Num desses pensamentos afirma: “A receita para o sucesso, meus amigos, para envelhecer de forma ativa e com sucesso... é PERDER O MEDO”. Quais foram os medos que ao longo da sua extraordinária vida foi vencendo e tornar-se na referência que é para todos nós?
RC –  Acho que o maior de todos é o que se ultrapassa quando percebemos que a vida é muito bela e deve ser vivida intensamente. Mas há também o medo de magoar alguém, com as nossas escolhas. Há medo de falhar. O medo de escolher o caminho errado na educação dos filhos, nas escolhas profissionais, enfim, tudo aquilo que sente qualquer pessoa que quer levar uma vida dita normal.

JP – Para finalizar, uma palavra ao público da Praia da Vitória e do “Outono Vivo”.
RC – Espero por vós. Tenho a certeza que vão adorar estar connosco. Eu sei que vou adorar estar mais uma vez na Ilha Terceira, terra que conheci quando tinha 10 anos e que ainda hoje adoro e visito sempre que posso. É uma grande ilha com gente excecional, em todos os sentidos.

NE: Entrevista publicada originalmente na edição impressa n.º 531 de 19 de outubro de 2018

JP