Jornal da Praia

PUB

ÁUREA DE ESPERANÇA CHEGA PELO MAR E ENVOLVE A PRAIA DA VITÓRIA

Quinta, 25 de Outubro de 2018 em Atualidade 379 visualizações Partilhar

ÁUREA DE ESPERANÇA CHEGA PELO MAR E ENVOLVE A PRAIA DA VITÓRIA

A exuberância do navio-escola “NRP Sagres” exibiu-se no passado dia 18 de agosto, na magnífica baía da cidade da Praia da Vitória, onde permaneceu até 22. Vinte e um dias depois da largada da Colômbia, cruzando o Mar das Caraíbas e rasgando o Oceânico Atlântico, o veleiro aportava na Praia da Vitória, primeiro porto português, no regresso da “Grande Viajem 2018”, que largou da Base Naval de Lisboa a 27 de abril de 2018. Comandado pelo capitão-de-fragata António Manuel Maurício Camilo, com uma guarnição de 127 militares, aos quais acresce os cadetes em viagem de instrução, a bordo vinham pequenos sonhos, envolvendo a Praia da Vitória numa áurea de esperança vencida à dor – são os “Marinheiros da Esperança”.

O projeto “Marinheiros da Esperança” nasceu inspirado nas comemorações dos 700 anos da Marinha portuguesa e conta com a colaboração dos serviços de pediatria do Serviço Nacional de Saúde (SNS), numa iniciativa que partiu dos voluntários Ana Maria Príncipe, Emília Dias da Costa, Francisco Espregueira Mendes e Miguel Marques, sob a coordenação do Centro Hospitalar de São João do Porto. No âmbito do projeto, as crianças hospitalizadas foram convidadas a revisitar a história de Portugal e a sua secular e extraordinária relação com o mar, mergulhando na riqueza do nosso mar profundo, libertando ventos de sonhos em desenhos de uma fértil imaginação de esperança soprada na briza deste imenso mar que nos une. Foram momentos de criatividade e alegria a atenuar a dor da doença e o sofrimento causado pelo seu tratamento. Dos trabalhos nasceu um livro ilustrado, já publicado e acessível neste endereço: https://www.marinha.pt/conteudos_externos/marinheirosdaesperanca/mobile/index.html.

E a semente da esperança germinou, cresceu e emancipou-se. Embarcou no “NRP Sagres” e com a pujança deste seu renovado fôlego fez acreditar por este mundo fora. No horizonte deste imenso azul mar que nos separa, há um porto que sempre nos abriga e liga. Há que descobrir e desenhar as novidades de todos estes novos abrigos, procurando na memória ancestral dos nossos antepassados o que sempre lhes foi conhecido. Foi por acreditar, que os nossos marinheiros deram novos mundos ao velho mundo, e é por acreditar, que o projeto “Marinheiros da Esperança” faz a diferença para todas estas crianças, jovens e suas famílias.

A “Grande Viagem 2018” fez-se ao mar e traçou rota. No rasgar das ondas levava os “Painéis da Esperança” e, a cada ancoragem, desenhava-se sonhos, expetativas e desejos sobre lugares de todo desconhecidos.

Saiu de Lisboa (27.04.2018) e rumou ao Funchal. Zarpou para Philhadelphia, depois para Newark, mais adiante navegou até Newport e por ocasião do 10 de junho – Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas – estava em Boston, para a receção oficial ao mais alto magistrado da nação, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, que havia viajado diretamente para os Estados Unidos da América a partir do aeroporto João Paulo II, na cidade de Ponta Delgada, que este ano acolheu as comemorações oficiais em terras lusitanas do “Dia de Portugal”. A “Grande Viagem” continuou, desta feita, em direção a Halifax, no Canadá. Voltou aos Estados Unidos, nomeadamente a Fort Lauderdal, Miami, onde de seguida, iniciou a viagem de regresso a águas territoriais portuguesas. Depois de aportar em Willemstad (ilha do Curaçao, antigas Antilhas holandesas) e Cartagena, na Colômbia, foi tempo de navegar em direção aos simpáticos golfinhos do mar dos Açores rumo aos aromas de liberalismo de uma Praia feita de Vitória.

Como em todos os portos anteriores, nesta magnífica jornada de esperança, os criativos e arrojados marinheiros deste estranho submarino fictício que acompanhou o “NRP Sagres” ao longo de todo este percurso, observou a praia que Nemésio pisou e sobre ela, desenhou.

Francisco, 12 anos, Centro Materno Infantil do Norte, realizou uma composição da Praia da Vitória utilizando materiais reciclados. Luana, pediatria do IPO Lisboa, pelas mãos da mãe, pintou a Praia da Vitória e Yara, 7 anos, Centro Materno Infantil do Norte, desenhou as ondas beijando uma praia a fervilhar de vida.

O “NRP Sagres” lançou âncoras a 18 de agosto e levantou-as a 21, com destino a Ponta Delgada. Durante a estadia na Praia da Vitória recebeu visitas do público e expôs os “Painéis da Esperança”, informação que o Jornal da Praia divulgou através das suas plataformas online, ilustrando-a com o desenho da pequena Yara.

A publicação foi imediatamente partilhada pela página de Facebook do projeto – “Marinheiros da Esperança”, com palavras de reconhecimento pelo nosso trabalho em prol de uma causa que a todos nós diz respeito e com a qual todos nós devemos estar comprometidos.

Entretanto cai na nossa “inbox” a seguinte mensagem: “Bom dia, chamo-me Lucília, sou a Mãe da Yara, uma menina de 7 anos a quem foi diagnosticada uma doença crónica de nome ‘Síndrome nefrótico’ (insuficiência renal). A Yara gosta muito de desenhar e pintar. Quando ouvimos falar do projeto ‘Marinheiros da Esperança’ fiquei a refletir. É uma grande iniciativa tanto para os pais como para as crianças pois vamos conhecendo sítios e coisas maravilhosas que jamais imaginamos. Assim foi-nos proposto fazer um desenho para o projeto, relacionado com a Marinha e Portugal. Depois de ver varias coisas a Yara escolheu a Rainha Filipa de Lencastre. De seguida foi-nos feita a proposta de um desenho sobre o que havia no fundo do mar, mas a Yara nunca foi ver o mar nem sabe o que isso é! E vem a minha ajuda, resolvemos desenhar a Paia da Vitória, sabendo nós, que os marinheiros iam estar, pois desde que soubemos dos Marinheiros da Esperança que temos seguido os seus passos neste caso as suas rotas. Fizemos o trabalho com muito gosto, foi engraçado vê-la desenhar a Praia da Vitória, pois ela nunca foi a uma praia e soube tudo o que existe numa praia de seguida foi enviado com muita alegria e qual é o meu espanto quando pego no meu telemóvel e vejo que o desenho da minha princesa foi o escolhido pelo Jornal da Praia! Dei a notícia à Yara até as lágrimas lhe vieram nos seus lindos olhos. Ficou super feliz, eu também, pois sabemos que são muitos os desenhos que recebem e foi escolhido o dela! Quem sabe se um dia nós visitamos a Praia da Vitoria! Fico muito grata por o terem escolhido o seu desenho. Mais uma vez muito obrigada”. Transcrição fidedigna da mensagem recebida.

E a objetividade jornalística virou areia de emoções, perante a inacreditável revelação de nos dias de hoje, por razões diversas a que a crueldade da doença não será alheia, haver crianças neste Portugal de marinheiros que nunca moldaram castelos de sonhos com a areia molhada que a próxima preia-mar levará.

Depois da Praia da Vitória, o “NRP Sagres” rumou até Ponta Delgada, sendo visitado pelo corpo clínico e utentes do Serviço de Pediatria do Hospital Divino Espírito Santo de Ponta Delgada (HDESPD). Se a Praia da Vitória foi o primeiro porto de abrigo em águas territoriais portuguesas, nesta “Grande Viagem”, o HDESPD foi o 1.º hospital público do SNS a entrar a bordo do navio para ver os desenhos dos nossos heróis marinheiros sobre a História de Portugal e da sua Marinha.

O “NRP Sagres” deixou Ponta Delgada rumo ao continente. No Algarve, participou nas comemorações do dia da cidade de Faro. A chegada a Lisboa, destino final da “Grande Viagem 2018” dos “Marinheiros da Esperança”, está prevista para a manhã do próximo domingo, 09 de setembro.

Chega assim ao fim a “Grande Viagem 2018”, mas as ondas dos “Marinheiros da Esperança” continuam a ondular e a rebentar nas costas e praias deste mundo, todos os dias. Que rebentem no coração de cada um de nós, pois por vezes, os nossos pequenos gestos são para alguém ENORMES!

NE: Reportagem originalmente publicada na edição impressa nº 528 de 07 de setembro de 2018

JP | Ilustração: Yara Andrade, 7 anos.