Jornal da Praia

PUB

VITORINO NEMÉSIO – AS FIBRAS DO MORMAÇO (I)

Quinta, 25 de Outubro de 2018 em Opinião 87 visualizações Partilhar

VITORINO NEMÉSIO – AS FIBRAS DO MORMAÇO (I)

Este foi o título escolhido para o catálogo e exposição sobre Vitorino Nemésio, 40 anos após a morte do mais ilustre filho da Praia da Vitória, cuja obra e o muito que se escreveu e disse acerca dela encontra-se à disposição de todos os que não deixarão de passar pela Biblioteca Pública e Arquivo Regional Luís da Silva Ribeiro (BPARLSR) de Angra do Heroísmo, nas próximas semanas.

Para a abertura da mostra, patente na sala da entrada principal, dirigiram-se várias dezenas de convidados (sessenta e oito segundo apurámos), contando-se entre eles, docentes, antigos alunos de Vitorino Nemésio e de António Machado Pires, seu assistente na Faculdade de Letras da Universidade Clássica de Lisboa e, actualmente, o mais profundo conhecedor do homenageado, que proferirá a conferência de abertura sobre a rica personalidade do insigne Mestre e da sua obra multiforme sem deixar de ser unívoca. A ela dedicaremos o devido espaço, no próximo número deste quinzenário.

À sessão solene assistiram os mais importantes responsáveis pela educação e cultura dos Açores: Secretário Regional Prof. Avelino Meneses, Director Regional da Educação e Cultura, Arquitecto Nuno Ribeiro Lopes, Directora da BPARLSR, a anfitriã, e o Conferencista convidado, Prof. António Machado Pires, antigo Reitor da Universidade dos Açores. Também esteve presente Carlos Armando Costa, Vereador da Cultura da Edilidade Praiense, a qual apoiou, o ano passado, a publicação do livro «Festa Redonda», editado pelo Instituto Açoriano de Cultura (I.A.C), e Francisco Ferreira, Provedor da Santa Casa da Misericórdia da Praia da Vitória, missionário-leigo e conhecido bibliófilo. Compareceram, ainda, outros cidadãos do concelho praiense e, naturalmente, vários funcionários da Biblioteca da cidade-património mundial.

O primeiro momento da cerimónia teve lugar na Sala de Exposição, onde estão os livros de Nemésio e de outros autores que lhe dedicaram obras autografadas, tendo a Dra. Cláudia Cardoso falado sobre as etapas do trabalho desenvolvido pela equipa de técnicos e funcionários da instituição, aos quais agradeceu, e dos critérios que presidiram à organização do certame, que estimulará o interesse pelas actividades culturais no tempo presente e no futuro.

Neste contexto, é justo dizer uma palavra de apreço e sublinhar a realização desta louvável iniciativa. Como também merece especial aplauso a sensibilização que vem sendo feita para a leitura, não só aqui dentro, mas igualmente em vários espaços fora do edifício, a lembrar o que outrora acontecia com as saudosas carrinhas da Fundação Gulbenkian quando visitavam as freguesias rurais das ilhas.

E, outrossim, merece ser realçada a recente presença de pequenas bibliotecas nas zonas balneares mais frequentadas da Terceira, disponibilizando livros aos amantes de cultura, o que é uma originalidade entre nós e um bom contributo para aumentar o nível e o gosto pela leitura, ambos muito preocupantes no arquipélago.

A exposição de 2018 é a terceira em que a Biblioteca de Angra celebra o talento e a vastíssima cultura de Nemésio, à semelhança do que lhe foi reconhecido nacional e internacionalmente em diversos países: França, Brasil, Espanha, Itália, Alemanha, Roménia, etc., tendo sido elogiado por muitos dos seus pares, como se pode observar pelos documentos do acervo exposto.

OUTRAS EXPOSIÇÕES ANTERIORES

A primeira foi em 1966, por ocasião dos 50 anos de vida literária de Vitorino Nemésio, da qual tive conhecimento no Centro de Estudos Filológicos, sediado na Avenida 5 de Outubro (Lisboa), onde frequentemente encontrava o Prof. Jacinto Prado Coelho, meu professor, quase sempre atarefado com as actualizações a fazer na 2ª edição do seu «Dicionário de Literatura». A revisão do mesmo estava a cargo de um colega de curso, o que me permitia espreitar as novidades introduzidas. E foi assim que ao ler os artigos de David Mourão Ferreira, insertos nessa publicação, soube do evento.

A segunda ocorreu em 1979, um ano depois do falecimento de Nemésio. Foi uma iniciativa que congregou muita gente do mundo das letras e das artes, assumindo níveis artísticos e laivos de cosmopolitismo fora do comum. Acerca dela transcreve-se, com base na imprensa local, o que foi inserido em “Acontecimentos” relevantes do dia 2.03.1979, no meu livro Varanda de Paris:

«Vitorino Nemésio – um ano depois da sua morte, o grande literato e ilustre praiense motiva as comemorações promovidas pela Secretaria Regional da Educação e Cultura, através da Direcção Regional dos Assuntos Culturais, com a colaboração de diversas personalidades nacionais e regionais da Arte e Cultura. Eis os seus nomes: Dr. David Mourão Ferreira, Prof. Doutor Joaquim Veríssimo Serrão, escritora e poetisa Natália Correia, Prof. Doutor Pe. Fernando Cristóvão Alves e Dr. António Manuel Machado Pires.

As evocações do 1º aniversário, incluem a sessão de homenagem à memória de Nemésio, palestras, exposição bibliográfica na Biblioteca Pública e Arquivo Regional de Angra, um espectáculo no Teatro Angrense com os grupos de Bailado Açoriano Arquipélago e de Teatro Alpendre, no qual colaboraram a bailarina Isabel Santa Rosa e Jorge e Carlos Trincheiras que o coreografou, e Ana Maria Rosa, que interpretou a Décima de Sílvio e Silvana, «dançando encantadoramente», como referido pelo Diário Insular, no dia 8.

A anteceder este espectáculo, pelas 19 horas, o Presidente do Governo Regional ofereceu uma recepção às entidades visitantes e a muitas outras do meio local. Estarão presentes nestas solenidades alguns dos familiares de Vitorino Nemésio que se deslocaram, adrede, para esse efeito à Terceira. No 3º dia das comemorações (4 de março), a SREC, entidade promotora, proporcionará aos convidados um passeio pela ilha, que deseja constitua um itinerário Nemesiano».* (V. P.,pág.186).

Contudo, solenidades à parte, o mais relevante para a Biblioteca de Angra do Heroísmo, que é detentora do depósito legal nos Açores, e para todos os que a demandam para as suas pesquisas, foi o a aquisição pela Região Autónoma dos Açores de 15 mil volumes da sua muito rica biblioteca de Nemésio, contendo todo o seu espólio literário, cujos valores excederão, de longe, os quatro mil contos pagos à família*.

*(In A União, 15.12.1978 e Varanda de Paris, pág. 168).

António Neves Leal

NE: Texto originalmente publicado na edição impressa n.º 530 de 05 de outubro de 2018.