Jornal da Praia

PUB

«PAI, PERDOA-LHES PORQUE NÃO SABEM O QUE FAZEM»/DIZEM/ESCREVEM

Quarta, 24 de Outubro de 2018 em Opinião 91 visualizações Partilhar

«PAI, PERDOA-LHES PORQUE NÃO SABEM O QUE FAZEM»/DIZEM/ESCREVEM

Muito mal iríamos nós, no que à problemática da velhice e às respectivas respostas de resolução efectivas e adequadas a pôr em prática, se déssemos ouvidos a certos políticos e/ou fazedores de opinião cá da nossa praça!

Opinam eles que deveriam ser as famílias ou pessoas sob sua jurisdição a receberem os subsídios do Governo (e, eventualmente, de outras pessoas ou instituições de cariz filantrópico) e a gerirem o dia-a-dia dos nossos velhinhos/as, em substituição das actuais instituições de solidariedade social que ora vêm prestando este serviço à nossa comunidade, regra geral com mérito e competência.

Claro que o raciocínio de tais defensores desta mudança de paradigma é simples, para não dizer simplório: uma família toma os 800 euros respeitantes à respectiva subsidiação individual, dá ao idoso/a umas papinhas Cerelac de manhã, um caldinho de peixe ou uma canjinha de galinha a meia tarde e à noite uma xícara de chá acompanhada duma bolachinha ou dum biscoitinho, e, alfim, diligenciando sempre para que a eventual medicação não fique muitas vezes esquecida!

Ora, acontece que a realidade nua e crua é, infelizmente, radicalmente outra bem diferente: eles não pensam nas pessoas que, por velhice ou deficiência (e quantas vezes as duas situações estão combinadas!), são, de forma potencial ou efectiva, cadeirantes ou acamadas e, na mór das vezes, se encontram em fase terminal de vida; logo, em dependência parcial ou total. E é aqui que entra em cena (deve entrar, obviamente!) quem está preparado para lidar com estas delicadas quão aflitivas situações.

É notório que para as "cabecinhas iluminadas" ora em apreço, valências como a fisioterapia, a ergoterapia, a psicologia, a psiquiatria (em certos casos), a terapia de grupo, a higienização corporal atempada, a alimentação regular e adequada, nada lhes diz. Convém esclarecer estes "iluminados" de que isto também não vai lá com ausências regulares imperativas (trabalho total ou parcial, por conta própria ou de outrém) ou fugidias (uma touradinha, um bailinho de carnaval, uma passagem de ano na sociedade recreativa da localidade, um casamento familiar ou vizinhal, ou um jantar fora de portas para celebrar o dia das comadres ou o dos compadres). Não! O caso é mesmo muito sério e altamente responsabilizante.

Outrossim, não será redundante abordar de novo a questão da prevenção dos idosos no concernente à situação dos cadeirantes ou acamados, a quem é imperioso evitar as escaras ou úlceras de pressão. É que, admitindo essa hipotética assunção dos idosos no seio familiar, quem e com que competência fará as mudanças decubitais periódicas (as normas aconselham-nas a cada 2 horas)? E que pensar da ausência dos serviços de enfermagem? Quem iria proceder às medições e subsequentes avaliações dos níveis glicémicos, termocorporais e tensoarteriais, aquilatando das atitudes eventualmente a tomar em cada caso? E que procedimentos a ter com os algaliados? E como proceder ante os não raros arranhões, cortes, lacerações e perfurações? E, já agora (por que não referi-lo?), existirá no seio familiar aptidão e querer generalizados para lidar com estas situações? Mais periclitante será aquando dos desvios confluentes de substâncias expelidas pelo corpo humano e que por vezes culminam numa situação de fecalúria!

Afigura-se-nos, também, propositado fazer aqui alusão aos custos com fraldas e medicamentos, que, em muitos casos, são pagos pelas próprias instituições que acolhem os nossos velhinhos e velhinhas).

A não serem levados em conta todos estes considerandos atrás referidos, então, se calhar, o que estes "ideólogos" querem/queriam era "uva apanhada"! Isto é, as famílias ficariam com o dinheiro convencionado com o departamento governamental competente, mas ficando os cuidados assistenciais na incumbência das instituições de solidariedade social... quiçá nos regimes porta-a-porta e/ou ambulatório!

Termino este escrito como o titulei, com a citação bíblica do Apóstolo Evangelista S. Lucas, 23:34 -  «(...) Jesus dizia: “Pai, perdoa-lhes, pois não sabem o que fazem"»/dizem/escrevem - completamos nós.

Francisco Silva

NE: Texto originalmente publicado na edição impressa n.º 530 de 05 de outubro de 2018.