Jornal da Praia

PUB

A BANDEIRA. BANDEIRA! O QUE É ISTO?

Terça, 23 de Outubro de 2018 em Opinião 88 visualizações Partilhar

A BANDEIRA. BANDEIRA! O QUE É ISTO?

O tema, nada tem a ver com acontecimentos recentes, trazidos a lume através de opiniões escritas ou verbais sobre os mesmos. Infelizmente, parece-nos que o verdadeiro significado de Bandeira com maiúscula está muito banalizado no seu verdadeiro sentido de simbolismo.  São vários os tipos de “bandeira” há para todos gostos. Flâmulas, galhardetes, estandartes, pendões, divisas, bandeirolas bandeirinhas, bandeiritas, bandeiras associativas de grupo e de grupelhos. Mas, “Bandeira” é aquela que simboliza visualmente, uma nação, um país, um estado, uma região, um povo. Desde que reconhecidos por outras entidades ou tradições.

Inúmeras são as bandeiras não oficiais por esse país adentro. De direito ao uso de Bandeira oficial, a Nação, as Regiões Autónomas (que também têm as suas devidamente constitucionalizadas, mas, menosprezadas por algumas instituições situacionistas), os Municípios, as Freguesias e as Instituições de Utilidade Pública Administrativa.

A bandeira e a Honra que lhe é devida. O protocolo nesse aspecto é rigoroso e obriga a vários procedimentos e, até certos rituais como sejam os da destruição de uma bandeira velha. Diz tradição que a bandeira não deve arrastar (tocar) o chão.  Hastear uma Bandeira Nacional ao contrário ou seja (de cabeça para baixo é grave). São diversas as versões para tais situações. A primeira, é o pão nosso de cada dia, é vê-la em vetustas e apalaçadas entradas de repartições oficiais. A segunda já até vimos um presidente da República fazê-lo.

Mais diz o protocolo sobre hasteamento da Bandeira Nacional que, deve ser feito diariamente nos edifícios sede dos órgãos de soberania e similares e, nos restantes edifícios públicos sómente aos domingos e dias feriados.

Infelizmente a banalização a vulgarização do uso e abuso da Bandeira Portuguesa deveu-se em grande parte à febre futebolística quando o “mister” Felipe Scolari desafiou o país a usar a Bandeira Nacional como uma flâmula estimuladora para apoio à selecção de futebol de então (Euro-2004 senão estamos em erro).

A moda pegou e, é ver o símbolo de uma Nação, a Portuguesa ser tratado como um pano qualquer perdendo toda a dignidade que lhe é devida.

Tempos lá vão e, não entendam como saudosismo que aprendemos com os mais velhos e os nossos professores a ser respeitosos perante a “Bandeira” parar, e descobrir-nos se usando boné, ao arrear da bandeira no forte de S. Brás aquando do pôr do sol. Bem assim de nos levantar do banco quando as badaladas do sino da igreja de S. José anunciavam as trindades.

Como se impede alguém que, pretendia saudar a Bandeira Portuguesa como aprendeu na escola, que jurou e cumpriu o seu juramento lá longe, no sitio em que o “sol nascendo se vê primeiro” e, onde a sombra da Bandeira não era pisada, só porque empunhava um “símbolo” em forma de bandeira com as cores “Branca” e “Azul” representando a Paz e o Mar que une aquilo que chamam os PALOP e que muito gostaríamos de fazer parte como povo irmão.

José Ventura(*)
(*) Por opção, o autor não respeita o acordo ortográfico

NE: Texto publicado originalmente na edição impressa n.º 530 de 05 de outubro de 2018