Jornal da Praia

PUB

DIA 20 DE MAIO: “TIMOR HO LARAN TOMAK” (III) (Continuação)

Quarta, 10 de Outubro de 2018 em Opinião 83 visualizações Partilhar

DIA 20 DE MAIO: “TIMOR HO LARAN TOMAK” (III) (Continuação)

Texto inicial: porquê a afirmação de “Timor no Coração”. “TIMOR HO LARAN TOMAK” (I) referenciação do 25 de Abril, 1990 “Timor 15 anos de dor” embrião para a criação da Associação de “Amizade Açores Timor” referenciação da acção de solidariedade a Timor e ao seu Povo. “TIMOR HO LARAN TOMAK” (II), desenvolve o abandono de Timor pelo estado português aquando da violenta invasão da Indonésia e os frutos daí advindos, morte, estupro e pilhagem.

Referimos também embora levemente e no plano de evangelização a presença sempre activa da igreja católica na figura de um príncipe da mesma, idolatrado pelo povo timorense. Ele, D. Jaime Goulart ele, um dos muitos, mas muitos missionários açorianos que, onde o sol nascendo se vê primeiro partilharam as alegrias e as tristezas daqueles que os procuravam e, aqueles que eram procurados.

Na resenha dos textos anteriores, vamos à partilha do sofrimento daquelas 750.000 mil almas, número estatístico então apresentado.

Depressa os açorianos, o também Povo açoriano que tantos abominam como tal, dão as mãos, vêm para as ruas através de frases e slogans bradar Liberdade, e muitas das vezes de terço em punho pedir a protecção do Divino e de sua Mãe para aqueles que nunca lhes deixaram também de o fazer.

Manifestações de diversa ordem, exigindo dos responsáveis internacionais o que entendemos por Justiça. Sessões de esclarecimento sobre aquele País em embrião nomeadamente junto de Escolas e Outras instituições, espectáculos de solidariedade, recolha de donativos em dinheiro, de brinquedos para envio das crianças timorenses no Natal de 99. Convite a políticos e individualidades públicas e envolvidas no processo decorrente, desenvolvendo contactos a níveis institucionais para o apoio das iniciativas tomadas. Para além do reconhecimento do então alto-comissário para Timor o Padre Victor Milícias, teria sido nos Açores que recebeu o cheque de maior valor para a causa timorense. Foram, pois, muitas as acções de ajuda moral e material levadas a efeito, sendo que, aquela que mais premiou foi o protocolo assinado com a Fundação Maria do Carmo Medeiros mentora da Escola Profissional da Povoação e, com o patrocínio da Câmara Municipal daquela Vila, a 9 de Dezembro de 1999, timorenses  8 jovens  com idades compreendidas entre os 18 e os 20 anos, assinaram o contracto que lhes permitiria receber formação profissional entre várias áreas de especialidade e que, depois de uma caminhada de trabalho profícuo e interessado de três anos vimos serem  compensados com os seus Diplomas de Curso. Que alegria para eles. Que alegria para nós.

Regressaram a Portugal e daí…. nada mais soubemos…ficaram por lá? Foram para Timor? Emigraram para a europa?  Não sabemos! O que sabemos é que valeu a pena. 20 de Maio de 2002, assistíamos pela televisão, num Império do Espirito Santo da então Freguesia da Rabo de Peixe para o qual fôramos convidados, entre lágrimas de alegria e abraços felizes à cerimónia oficial da Independência de Timor Lorosae naquele dia a mais jovem nação do mundo.

José Ventura (*)
(*) Por opção, o autor não respeita o acordo ortográfico.

NE: Texto originalmente publicado na edição impressa n.º 529 de 21 de setembro de 2018.