Jornal da Praia

PUB

CUIDADO

Terça, 09 de Outubro de 2018 em Opinião 176 visualizações Partilhar

CUIDADO

Nalguns trabalhos, para as coisas correrem bem, não nos magoarmos, e a vida não sair cara temos de assentar bens os pés no chão. Mas como vemos pela fotografia isso é difícil de conseguir, especialmente na execução de algumas tarefas, obrigando à recorrência de utensílios diversos, no caso presente as escadas duplas e compridas, à motosserra, e a engenhocas, como a posição corporal, a prisão duma perna entre dois ramos para a garantir a solidez na sua execução, e à manutenção dum estado de calma na execução da tarefa.

E porque o risco espreita a cada esquina, o fotógrafo obrigou-se a tomar também uma posição, que foi a de agradecer ao executante prestar-se ao trabalho, e até permitir que lhe fosse tirada a fotografia naquela posição difícil e arriscada. Entretanto necessitamos de estar conscientes que se nos sobrecarregarmos de stress dificilmente podemos seguir a nossa vida sem grandes complicações, porque o stress altera a forma como o sistema imunológico responde aos desafios do ambiente.

Acresce que as diferentes formas como se lida com o stress traduzem-se posteriormente em sintomas diversificados, nomeadamente emocionais, cognitivos, físicos e comportamentais, que podem acabar em sobrecarga, cronicidade ou em doenças diversas. Uns são bons respondentes, outros não. E o que está habitualmente em jogo, para além da percepção dos acontecimentos, são os aspectos físicos, fisiológicos, emocionais e interpessoais do indivíduo, que tanto podem contribuir para o aumento, como para o amortecimento dos efeitos de stress.

Indivíduos ansiosos, um dos resultados da sobrecarga de stress, diferem em diversos aspectos de funcionamento ao nível da atenção (Eysenck & Keane, 1990). Especificamente atendem mais a estímulos relacionados com a ameaça, são mais distraídos, têm a maior selectividade da atenção a par da reduzida capacidade neste âmbito. Não é por acaso que andam sempre à procura dos perigos, e depois a queixarem-se dos mesmos. Já os indivíduos depressivos são pouco afectados ao nível da atenção pelo conteúdo do estímulo, e não se distraem por dá cá aquela palha, precisamente porque a sua atenção se focaliza fundamentalmente no que se passa a nível interno, tanto física como emocionalmente.

Resumindo, tanto uns como os outros não se desempenhariam muito bem na execução da tarefa que a fotografia retrata. E por isso interessa continuarmos a lutar para não nos deixarmos envolver nas armadilhas das distorções do pensamento. Como escreveu Torga (2011) na primeira pessoa, sobre Sísifo, herói, representante da astúcia e insubmissão humana: «Recomeça. /Se puderes/ Sem angústia/ E sem pressa./ E os passos que deres, / Nesse caminho duro/ Do futuro/ Dá-os em liberdade. / Enquanto não alcances/ Não descanses. / De nenhum fruto queiras só metade. / E, nunca saciado, / Vai colhendo ilusões sucessivas no pomar. / Sempre a sonhar e vendo/ O logro da aventura. / És homem, não te esqueças! / Só é tua a loucura/ Onde, com lucidez, te reconheças.../ E como temos vindo a demonstrar

E para prosseguir no bom caminho interessa enunciar mais algumas distorções do pensamento a evitar. Sétima – Super generalização, que acontece quando se tira uma conclusão radical que vai muito além da situação que se está a viver no momento, se transforma um assunto particular numa regra geral, que se considera verdadeira sem o provar, ou ainda que o que ocorreu e foi verdade no passado, o vai continuar a ser, não obstante saber-se que o futuro é incerto. Face aos acontecimentos ou situações, e às emoções associadas que envolvem esta ou outras distorções, o que se pode dizer é que há sempre duas maneiras de reagir: (1) de forma reflexiva, e (2) e de forma instintiva.

Quando reagimos, e retorquimos ofensas, agressões ou descuidos alheios passamos a sintonizar com quem as produziu, e isso não nos conduz a lado nenhum, porque estamos a responder da mesma forma desordenada. É a nossa atitude que está em jogo. E a melhor postura é a opção pela acção ponderada, reflexiva, ajuizada, com vista a podermos usufruir dos benefícios da saúde e da tranquilidade, em sintonia com todos, nomeadamente aqueles que se deixam levar por inconsequências ou mesmo maldades.

Referências:
Eysenck, M. W. & Keane, M. T. (1990). Cognitive psychology: A student´s handbook. Hillsdale (USA). Lawrence Erlbaum associates, Publishers.
Torga, M. (2011).
Diário: Vol. XIII a XIV: Sísifo e o sentido da vida humana. Lisboa: Publicações D. Quixote.

Aurélio Pamplona

NE: Texto originalmente publicado na edição impressa 529 de 21 de setembro de 2018.