Jornal da Praia

PUB

Vindimas

Sexta, 05 de Outubro de 2018 em Editorial 61 visualizações Partilhar

Vindimas

As vindimas na Ilha Terceira já terminaram, e o balanço foi extremamente positivo.

As vindimas na freguesia do Porto Martins e na freguesia dos Biscoitos, as principais áreas vinícolas do concelho da Praia da Vitória, tiveram uma produção muito acima do normal, para além da muita quantidade de uvas, a qualidade do vinho produzido está certamente assegurada, pois este ano seco foi ideal para a boa produção das vinhas.

É pena, que nomeadamente na freguesia do Porto Martins, ao invés do que se passa na freguesia dos Biscoitos, o abandono das vinhas é notório, e já existe pelo menos mais de 50% da área de cultivo de videiras abandonada, crescendo mato desenfreadamente.

Apesar desta triste situação é de louvar ainda o esforço persistente de alguns proprietários que teimam em manter as suas vinhas cultivadas, na “surrealista construção” feita em pedra basáltica de um emaranhado de currais, com as suas covas e atalhos, tendo como único objectivo proteger as cepas dos ventos e do mar, e ao mesmo tempo as paredes das courelas e o solo empedrado resguarda o calor essencial para a maturação das uvas.

A paisagem das vinhas tradicionais do Porto Martins, existentes desde o tempo dos primeiro colonos, corre o risco de se perder para sempre, por isso o Governo Regional, a Câmara Municipal e a Junta de Freguesia terão de unir esforços para que tal não suceda, e se possível classificar aquela área vinícola do Porto Martins, como paisagem de interesse regional.

Este património ímpar no nosso concelho, terá de ser salvaguardado, pois o potencial económico e turístico adormecido, poderá ser explorado para o bem da freguesia e das suas gentes.

As entidades locais, municipais e regionais devem assegurar e acarinhar todas as iniciativas dos habitantes do Porto Martins para que possam manter uma gestão integrada da exploração vinícola, quer a titulo individual ou mesmo eventualmente associativo, pois irá certamente traduzir-se na melhoria da qualidade devida daquelas populações e na conservação do património que lhes foi doado pelos seus antepassados.

Apostar no lançamento de novas estratégias inteligentes e mobilizadoras, que permitirão agregar sinergias, promovendo o desenvolvimento do cultivo da vinha, com reflexos positivos no campo do turismo e no bem-estar económico das populações.

As entidades publicas, a escola profissional, e a universidade terão um papel importante a desempenhar, no desenvolvimento do cultivo da vinha, na protecção e conservação dessa paisagem idílica que foi cantada pelo Professor Vitorino Nemésio, e imortalizando-a:

Porto Martins das uvas / Baga de faia cheirosa / Minha maçã redondinha / Pedra negra preciosa.

O Diretor
Sebastião Lima
diretor@jornaldapraia.com