Jornal da Praia

PUB

A QUE FICOU

Quarta, 03 de Outubro de 2018 em Opinião 305 visualizações Partilhar

A QUE FICOU

Todos os dias ia para a Universidade, convicta de que a sua decisão não tinha sido em vão, e que apesar, de não ser como os antigos colegas que se tinham matriculado nas faculdades do Porto e Lisboa, tinha o seu mundo na mão e uma vida inteira para descobri-lo.

No Secundário, Jacinta era enxovalhada amigavelmente pelas outras miúdas, que por acharem que um 15 na pauta valia mais que a ousadia da conquista. Jacinta era uma aluna mediana, e os outros não viam nela, futuro risonho ou conquistas respeitáveis. As amigas achavam-se mais do que aquilo que eram, e Jacinta na sua sã humildade, resguardava-se na sua vontade em calá-las.

No final do ano letivo, depois das notas dos exames nacionais saírem, Jacinta apercebeu-se que era das únicas raparigas do seu grupo, a poder seguir a vida universitária. Isso fez com que ganhasse o respeito das pobres amigas estúpidas que tinha tido ao longo de três anos.

Contudo, era uma rapariga, cujos horizontes eram pequenos. Não tinha uma ambição desmedida pelo ir para fora, como se dizia na ilha. O seu grande amigo queria Lisboa. As outras duas raparigas da turma queriam o Minho. A Jacinta apostava todas as suas opções nas ilhas, fosse qual fosse. Tanto a Terceira como São Miguel serviam o seu gosto e a sua ambição. A escolha do curso obedecia à escolha do lugar da universidade. O lugar tinha primazia na sua mente, ao invés do curso que pretendia para si. Jacinta preferia ficar como lavradora ou tratadora de cabras e ovelhas para sempre, mas ir para Lisboa, Porto ou Braga não era sequer opção. Entre o interior de Portugal e as ilhas que conhecia, a decisão não seria digna de ser ponderável.

Havia como todo um corpo que lhe puxava a cabeça, o coração e alma, para os Açores. Acabou por escolher a Terceira, lugar de onde era. A sua mãe rejubilava de felicidade pela escolha decidida da filha mais nova, uma vez que a mais velha tinha partido, como tantos outros alunos açorianos, rumo ao Continente. Jacinta queria a sua terra como qualquer navegador queria a sua caravela, aquando da passagem do Cabo das Tormentas. As Tormentas de Jacinta era apenas e só pensar que o fora da sua ilha existia. Ir para lá do que era seu, já não havia de ser Tormentas, mas o Adamastor a devorar a sua alma.

Quando o seu melhor amigo partiu rumo a Lisboa, Jacinta percebeu que as pessoas eram do tamanho dos seus sonhos, embora todos os terceirenses fossem do tamanho da sua ilha. O seu amigo tinha que se expandir para lá do que havia na ilha. Mas para Jacinta, a sua expansão mental exigia só a sua terra.

Sempre que existiam visitas dos colegas que estavam no Continente, pelo Natal ou pela Páscoa, Jacinta tinha gosto em saber das suas experiências, mas chateava-se, e com razão, com os mais manientos. Estes teimavam em mostrar-se desenraizados com o seu berço por convicção, pois já tinham cuidado para não comer letras das palavras. Já se esforçavam em demasia para ignorar o doce sotaque que identificava qualquer ser do mar. Eram vítimas da arrogância do crescer depressa, sem que fossem agradecidos ao que tinham sido. Voltavam à ilha com a mania de que eram mais do que os que tinham ficado. Embora esses manientos fossem em quantidade reciclável, Jacinta não tolerava tamanha aberração. Os que se mantinham normais acompanhavam a intolerância de Jacinta.

Apesar disso, ela e o seu amigo, com mais um conjunto de amigos da ilha, aproveitavam as épocas de regresso a casa, para se verem e falarem longamente. Jacinta não se sentia inferior nem superior. Os seus amigos açorianos que tinham ido para o Continente voltavam a casa com uma sede duradoura do calor da amizade ilhéu e da família.

Os manientos eram meia dúzia. Era um encontro mágico. Entre narrativas deliciosas, os emigrantes no seu país, contavam experiências e histórias inimagináveis. Jacinta maravilhava-se, apesar de não precisar dessa descoberta deleitosa. Era feliz no seu mundo e era feliz pela felicidade de quem tinha saído. Apesar de alguns terem embarcado para fora, outros como ela tinham ficado. Não havia confronto entre os que tinha saído e os que tinham ficado. Havia um complemento perfeito. Uma amizade criativa, que não morria pela distância, mas que ganhava virtudes nos reencontros.

Emanuel Areias

NE: Conto publicado originalmente na edição impressa n.º 528 de 07 de setembro de 2018.