Jornal da Praia

PUB

“IR” AOS AÇORES

Terça, 02 de Outubro de 2018 em Opinião 65 visualizações Partilhar

“IR” AOS AÇORES

Há uma afirmação de Daniel de Sá que cito muitas vezes por retratar bem o drama dos açorianos da diáspora: ”Sair da ilha é a pior maneira de ficar nela!” É mesmo assim; nós, os que vivemos fora dos Açores, estamos fora sem sair das ilhas. Esta experiência permite compreender o comentário que Ortega y Gasset terá feito a propósito de Vitorino Nemésio: este homem leva a ilha dentro de si. Na releitura que tenho estado a fazer de A Vida na Aldeia, Joel Neto, citando um amigo continental, diz: “os Açores: «Um lugar onde nunca se chega e de onde nunca se parte»”, e, compreensivelmente, afirma ter pena de não ser o autor da frase. Não me admiro, porque é difícil expressar melhor o drama do açoriano da diáspora: quando chega às ilhas, parece que ainda lá não está; se está fora, tem as ilhas dentro de si. É porque vivo este drama que vou explicar o que faço para o tornar mais suportável, principalmente nesta época do ano, em que essa vivência é mais intensa.

Quando chega o Verão e o chamamento das ilhas se acentua, “vou aos Açores” lendo literatura açoriana. À conta disso, já não sei quantas vezes li Mau Tempo no Canal. Outro livro, também de Vitorino Nemésio, que me tem permitido fazer a viagem, é Corsário das Ilhas.

O Verão passado, em Agosto, fui com minha mulher, filhos, noras e netos passar uma semana à Terceira. Uns tempos antes da partida, como preparação próxima, resolvi ir à livraria que costumo frequentar, à procura do Arquipélago, de Joel Neto. O livro tinha saído em 2015, altura em que obrigações académicas não me tinham permitido dispor de tempo para o procurar e ler. Quem me atendeu disse-me que não o tinha, mas mandava vir; mostrou-me, do mesmo autor, A Vida no Campo. Como já tinha visto referências ao livro, comprei-o. É um diário que vale a pena. Dividido em quatro partes, cada uma retratando uma das estações do ano, dá uma panorâmica bastante abrangente da Terceira e dos terceirenses: costumes, tradições, festas, estradas, restaurantes, vistas panorâmicas, referências históricas… A leitura do livro permitiu-me “viver” um ano na Terceira.

Este ano, como não tenho viagem planeada aos Açores, andava a pensar adquirir o Arquipélago quando me chegou a notícia do lançamento do novo livro do seu autor: Meridiano 28. Nem tive de sair de casa para comprar, porque a Wook, uma distribuidora que vende livros pela Internet, fez-me chegar o anúncio dos dois. Encomendei-os, paguei por transferência bancária e 24 horas depois estavam a entregar-mos à porta. Deve ser por estas e por outras que as livrarias tradicionais vão desaparecendo.

Já fiz uma primeira leitura ao Arquipélago; em breve lá voltarei. Iniciei a releitura de A Vida no Campo, para quando não disponho de tempo alargado para me sentar descansado a ler; no entretanto já comecei o Meridiano 28 e estou a gostar; já cheguei à primeira estadia de José Filemom na Horta.

Cá está um modo de “ir” os Açores ficando no Continente. Mas há outras maneiras de “ir” para além da leitura. Pela minha parte, já há anos que estou atento às feiras gastronómicas. Como já contei há tempos numa crónica, o ano passado, aproveitando informação que me deram na Terceira, no final de Agosto fui jantar ao “Restaurante José do Rego”, da Lagoa, à Feira de Gastronomia de Vila do Conde. Há dias telefonei para São Miguel a perguntar se este ano vinham. Resposta: “com certeza!  A partir de 17 de Agosto lá estaremos!” Lá irei com a família… e assim “visito os Açores” aqui no Continente, a 20 quilómetros mais a Sul do sítio onde passo as férias.

Silveira de Brito

NE: Texto originalmente publicado na edição impressa n.º 528 de 07 de setembro de 2018.