Jornal da Praia

PUB

"Não quero mais mentir a mim próprio"

Sexta, 21 de Setembro de 2018 em Editorial 1003 visualizações Partilhar

"Não quero mais mentir a mim próprio"

O Ministro do Ambiente do Governo Francês, Nicolas Hulot, demitiu-se do seu cargo, no dia 28 de Agosto, porque não queria mentir a ele próprio, segundo afirmou numa entrevista à Rádio France Inter "não quero dar a ilusão que a minha presença no Governo significa que estamos a avançar e, por isso, demito-me".

Esta radical e louvável posição, levada a cabo por Nicolas Hulot surpreendeu tudo e todos, não avisando o Presidente Francês, Emanuel Macron, nem o Primeiro Ministro Édouard Philippe de que iria suceder na referida entrevista à Rádio France Inter.

Esta corajosa atitude, deve servir de modelo a todos nós como ponte fulcral de meditação para a verdadeira essência das funções governativas, na determinação do bem-estar das populações, devendo os governantes defender acima de tudo os interesses sociais e nacionais sacrificando mesmo, se necessário, os seus próprios interesses.

Os políticos muitas vezes, quando chegam ao poder não se veem integrados num projecto colectivo, mas apenas em busca do seu bem-estar pessoal, pois sem uma boa orientação do governo, os recursos económicos, as politicas ambientais, a investigação cientifica, enfim a cultura não poderão ir longe na concretização da felicidade colectiva das populações locais, regionais e nacionais.

Aquilo que muitas pessoas pensam alcançar através do trabalho honesto, na família, na sociedade, outros infelizmente tentam obtê-lo de uma forma mais fácil, quando desempenham cargos no poder, distorcendo a realidade, daí a proliferarão da corrupção que não podemos negar.

Não podemos esperar indeterminadamente para que estas péssimas situações sejam por si sós inultrapassáveis, há que denunciá-las e lutar pela sua irradicação, pois a liberdade deve caminhar lado a lado com a justiça, para que a moralização da política, das actividades governativas sejam permanentes e dessa forma construir-se um mundo melhor, teremos assim de imprimir um verdadeiro rumo à nossa História.

A História tem de ser forjada por esperanças lícitas, pois as prioridades dos políticos devem ter sempre em conta a verdade, trabalhando para a felicidade dos outros nas autarquias, nas regiões e no país.

A posição do Ministro Francês do Ambiente, que sirva de lição, pois devemos analisa-la e estuda-la, pois o passado não serve para reflectir os erros, mas para nos libertarmos dos mesmos.

O Diretor
Sebastião Lima
diretor@jornaldapraia.com