Jornal da Praia

PUB

AZORES TRIATLHON CONFIRMA EXCELÊNCIA DA PRAIA DA VTIÓRIA PARA O TRIATLO

Quarta, 12 de Setembro de 2018 em Cultura e Desporto 172 visualizações Partilhar

AZORES TRIATLHON CONFIRMA EXCELÊNCIA DA PRAIA DA VTIÓRIA PARA O TRIATLO

No passado domingo, 09 de Setembro, realizou-se na Praia da Vitória, a cidade berço do triatlo nos Açores, a 2ª edição do AZORES TRIATHLON nas distâncias de 1,9 km de Natação + 90 Km de Ciclismo + 21,1km de Corrida.

A prova revelou-se de novo um enorme sucesso, quer no plano desportivo em que teve um elevado nível competitivo, quer no plano promocional da cidade e da baía para a prática desportiva e para o turismo desportivo.

Saliente-se que objetivo maior deste evento é sinalizar a Praia da Vitória como um local de eleição para a prática do triatlo ao mais alto nível, quer para treinar quer para competir, com o intuito de trazer periodicamente num futuro muito próximo para o concelho e para a região, atletas internacionais que ajudem a dinamizar a economia local, nomeadamente a hotelaria e a restauração. Neste domínio, inscreveram-se 47 triatletas de 16 nacionalidades diferentes, muitos dos quais trouxeram as respetivas famílias e fizeram uma longa estadia. Segundo a organização, o feedback dado pelos participantes no final da prova, “confirma a excelente aposta que este evento já representa e que vai continuar representar em termos futuros para a economia local”.

O nível competitivo quer no género masculino como no feminino foi muito elevado tendo os recordes masculino e feminino da prova sido batidos por vários atletas, apesar do elevado calor e humidade que se fizeram sentir e que provocaram algumas desistências ao contrário da prova de 2017 em que nenhum atleta desistiu.

MASCULINOS

O grande vencedor da 2ª edição do AZORES TRIATHLON, com tempo final de 4h 14m 35s, foi o português José Estrangeiro, 30 anos de idade com uma brilhante prestação a todos os níveis. Assumiu o comando da prova durante o seletivo percurso de ciclismo, não o largando até ao final, apesar da forte oposição do suíço Samuel Hürzeler (que repetiu o 2º lugar do ano passado) e de Hans Christian Tungesvik, campeão norueguês em título, que ocupou o lugar mais baixo do pódio. A atestar o elevado nível competitivo da prova, está o facto dos dois primeiros classificados masculinos terem batido por larga margem o recorde da prova de 4h 17m 16s pertencente ao suíço Adrian Haller, vencedor da 1ª edição, marca essa que por apenas seis segundos também não foi alcançada pelo norueguês 3º classificado.

Na 4ª posição terminou o atleta alemão Christian Altstadt, que repetiu a mesma posição de 2017, sendo seguido pelo italiano Mauro Pera que fez o melhor tempo da natação e liderou a prova durante a fase inicial do ciclismo e pelo português João Ferreira, Campeão Nacional em título, que terminou em dificuldades na 6ª posição acusando o elevado ritmo da prova durante o ciclismo e a elevada temperatura e humidade que se fizeram sentir. O português, Nuno Botelho, da Associação de Nadadores Salvadores dos Açores foi o único representante dos Açores na prova individual, tendo conseguido a 16ª posição da geral.

FEMININOS

Nas senhoras, a qualidade foi também muito elevada e a competição foi muito animada até final com excelentes resultados. O segmento inicial, natação, foi dominado pela croata Sonja Skevin que registou o crono de 25m46m, seguida a larga distância por duas atletas, a checa Katerina Strnadová e a francesa Eloise du Luart que registaram 28m30s. A francesa fez uma excelente prova de ciclismo chegando à zona de transição, instalada na Avenida Marginal da cidade com uma larga vantagem sobre toda a concorrência, mais de 10 minutos para a 2ª classificada, mas fatalmente após a primeiro volta do percurso de atletismo em que continuava a seguir na liderança viu-se obrigada a desistir devido a lesão muscular na perna direita. O comando da prova seria então assumido pela veterana húngara Erika Csomor que terminou com o excelente tempo de 5h05m40s, tendo batido por quase vinte e cinco minutos o recorde da prova de 5h30m34s, estabelecido o ano passado pela portuguesa Vanessa Pereira, nada mais nem menos que penta campeã nacional de Triatlo de Longa Distância. Os restantes lugares do pódio foram ocupados por Sonja Skevin e Katerina Strnadová que também tiveram excelentes prestações e bateram por larga margem o anterior recorde da prova.

A portuguesa Ana Lopes, 3ª classificada em 2017, viu-se forçada a desistir no segmento de ciclismo por avaria técnica. Inicialmente, o azar bateu à porta e registou um furo que teve de reparar sozinha, pois no triatlo ao contrário do ciclismo, os atletas não podem ter ajuda exterior, que a fez perder alguns minutos e depois, como diz o adágio popular, “um azar nunca vem só”, o sistema de mudanças avariou-se e foi-lhe completamente impossível seguir em prova e poder lutar novamente por um lugar no pódio.

A outra portuguesa em prova, curiosamente com nome parecido, Ana Viera Lopes, terminou no 5º lugar tendo a britânica Amy Hinton alcançado a 6ª posição.

ESTAFETAS

Para além da prova individual realizou-se uma prova de estafetas que voltou a ter pelo segundo ano consecutivo no lugar mais alto do pódio a equipa militar da Marinha – CEFA desta constituída pelos atletas Miguel Carneiro (natação), Pedro Lomba (ciclismo) e Plácido Jesus (atletismo). Na 2ª posição, terminou a equipa da casa, o Clube de Triatlo da Praia da Vitória com os atletas Francisco Pacheco (natação), José Nogueira (ciclismo) e Carlos Ferreira (atletismo), fechou o pódio a equipa da Fontinhas Activa Promotora com os atletas Rui Costa (natação e ciclismo) e Alberto Godinho (ciclismo) e Carlos Ferreira (corrida). Refira-se que Francisco Pacheco, jovem nadador em representação do Clube de Triatlo da Praia da Vitória de apenas 14 anos de idade, foi o único atleta que nadou sem fato isotérmico tendo tido uma excelente prestação na natação. Saliente-se ainda o elevado espírito de sacrifício do ciclista José Nogueira que apesar de uma queda terminou a prova (só depois recebendo assistência médica para tratar as escoriações que sofreu e que o vão impedir de treinar durante vários dias) permitindo desta forma que a sua equipa pudesse continuar em prova e no final obter o 2º lugar.

SOCIABILIZAÇÃO

O programa do evento não se esgotou na competição. Terminando ao final do dia, em festa e com muita animação, teve lugar no Delman Bar & Lounge, a cerimónia de entrega de prémios e a festa “MTV Festival Season” com a presença do reputado DJ nacional, DJ OVERULE.

Para Luís Lopes, mentor do projeto e vencedor da 1ª prova de triatlo realizada nos Açores, o Triatlo Internacional da Praia da Vitória de 1991, o “AZORES TRIATHLON está a dar passos largos para se tornar uma referência no plano desportivo internacional e ser um ótimo veículo promocional para a Praia da Vitória como local de eleição para o turismo desportivo”.

Terminada a II Edição preparara-s a próxima. “A próxima edição da prova já está em fase de preparação bastante adiantada sendo as expectativas para 2019 muito elevadas”, adianta Luís Lopes.

CTPV/JP